Para uma propedêutica da sociologia do trabalho

Ana Paula Marques

Resumo


Neste artigo pretende-se encetar uma reflexão em torno Sociologia do Trabalho e da centralidade do conceito "trabalho" nas sociedades contemporâneas. A partir da experiência de leccionação da disciplina nos últimos anos, a autora tem vindo a assumir que a Sociologia do Trabalho, antes de ser um campo disciplinar específico, é uma Sociologia. Tal pressupõe que se apresentem algumas considerações prévias e introdutórias a esta disciplina, estimulando a compreensão crítica das temáticas em torno dos fenómenos relacionados com o trabalho.


Palavras-chave


Sociologia do Trabalho; Ensino de Sociologia

Texto completo:

PDF

Referências


BIDET, J. e Texier, J. (dir.) (995), La Crise du travail, Paris, PUF.

CASTELS, R. (1995), Les métamorphoses de la question sociale. Une chronique du salariat, Paris.

CASTILLO, J. José (1998), "Em busca do trabalho perdido (e de uma sociologia capaz de o encontrar...), 1.

KOVÁCS e J. CASTILLO, Novos modelos de produção: trabalho e pessoas, Oeiras, Celta Editora, [J[J. 131- 152.

DURKHEIM, E. ([ 1912]1960) Les formes élémentaires de la vie religieuse. Le systeme totémique en Australie, Paris, PUF.

FREIRE, J.(1993), Sociologia do Trabalho: uma introdução, Porto, Ed. Afrontamento, pp. 11¬ 48.

FRIEDMANN, G. ([1964] 1983), O trabalho em migalhas: especialização e lazeres, S. Paulo, Editora Perspectiva (trad. J. Guinsburg).

FRIEDMANN, G. (1981), O Futuro do Trabalho Humano, Lisboa, Moraes Editores. Friedmann, G. e Naville, P. (dir.), (1973), Tratado de Sociologia do Trabalho, Vol. I e lI, São I- Paulo, Cultrix, (Traité de Sociologie du Travail, 1962)

GAMST, Frederick, C. (éd.) (1995), Meanings ofwork. Considerations for the twenty-first century, New York, State University ofNew York Press.

MARQUES, A. P. (2003), "Outras Transições? Configurações e problemáticas de socialização juvenil", Cadernos do Noroeste, Série Sociologia n° 5, Vol. 21 0-2), Braga, Universidade do Minho, pp. 141-16l.

MARX, K. ([1867J 1974), O Capital, I e lI, Lisboa, Delfos.

MAURICE, M. (1985), "O determinismo tecnológico na sociologia do trabalho. Uma alteração de paradigma?", D. Pimentel et ai. (org.) Sociologia do Trabalho, Lisboa.

MÉDA, D. (1995), Le travaiL Une valeur en voie de disparition, Paris, Aubier.

MORENO, Isidoro (1999), "Globalización, ideologías sobre el trabajo y culturas del trabajo", Areas, nO 19, pp. 17-34.

PAUGAM, S. (2000), Le salarié de la précarité, Paris, PUF.

PINTO, J. M. (1994), Propostas para o ensino das Ciências Sociais, Porto Afrontamento, pp. 29-42.

PINTO, J. M. (1991), "Escolarização, relação com o trabalho e práticas sociais", Stephen R. Stoer (org.) Educação, Ciências Sociais e Realidade Portuguesa. Uma abordagem pluridisciplinar, Porto, Edições Afrontamento, pp. 15-32.

ROLLE, P. (1978), Introdução à Sociologia do trabalho, Lisboa, A Regra do Jogo.

SMITH, A. ([1776]1999), Inquérito sobre a natureza e as causas da riqueza das Nações, Lisboa, F. Calouste Gulbenkian (trad. vários).




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2006v11n1p11

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International