Doença, política e subjetividade no ativismo soropositivo no estado do Paraná

Tiago Moreira dos Santos

Resumo


O autor analisa os modos pelos quais um grupo de ativistas soropositivos dão sentido e conectam experiência da doença e política. O foco está no sentido e na interpretação elaborados pelo grupo, aí a emergência de um modelo nativo que congrega doença e política sob a base de categorias comuns é visto como parte do processo de produção de uma subjetividade ativista e uma estratégia de deslocamento em relação à margem. A pesquisa deteve-se em grande parte na análise de narrativas, o ato de narrar encarado como momento em que experiências comuns puderam ser partilhadas e reelaboradas sob a perspectiva de um sujeito coletivo. Em um olhar desde as narrativas o ativismo é entendido como uma teoria sobre o mundo e como realidade vivida. Para o autor esta teoria erguida sob o patamar de categorias, são estas também que sustentam e dão sentido à experiência. É assim também que este modelo também leva a pensar dimensões como as da pessoa e da corporalidade e como elas são vividas a partir do ativismo.


Palavras-chave


Ativismo soropositivo; Saúde/doença; Política; Narrativa; Pessoa; Corporalidade.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2006v11n2p29

Direitos autorais 2020 Mediações - Revista de Ciências Sociais

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

ISSN: 1414-0543

EISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br


Creative Commons License

 

Todos os artigos científicos publicados em mediacoes@uel.br estão licenciados sob uma Licença Creative Commons