As palavras e as coisas: uma nota sobre a terminologia dos estudos de trabalho

Paula Marcelino

Resumo


Não é possível passar pela literatura sobre as questões do trabalho sem se deparar com os termos “flexibilização” e “precarização”. A esses, outros dois se associam: “trabalho atípico” e “desregulamentação”. Nosso objetivo com este texto é fazer uma breve reflexão sobre quais desses termos consideramos adequados para a análise das relações de emprego e trabalho sob o capitalismo contemporâneo e explicitar de quais processos falamos quando os usamos. Este texto está baseado em pesquisa bibliográfica dos estudos da área de trabalho.


Palavras-chave


Flexibilização; Precarização; Desregulamentação; Trabalho atípico.

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM, Elaine Regina Aguiar. No limite da precarização? terceirização e trabalho feminino na indústria de confecção. 2003. 245 p. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 1999.

ARAÚJO, Ângela Maria Carneiro. O sindicalismo brasileiro na encruzilhada: desafios e mudanças recentes. Revista Latinoamericana de Estudios del Trabajo, Buenos Aires, v. 1, n. 4, p. 217-250, 2007.

ARBIX, Glauco. Trabalho: dois modelos de flexibilização. Lua Nova, São Paulo, n. 37, p. 171-190, 1996.

BIHR, Alain. O pós-fordismo: realidade ou ilusão? Mosaico, Vitória, v. 1, n. 2, p. 209-228, 1999.

BRAGA, Ruy. A restauração do capital: um estudo sobre a crise contemporânea. São Paulo: Xamã, 1996.

CAVALCANTE, Sávio. Sindicalismo e privatização das telecomunicações. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

CORIAT, Benjamin. Pensar pelo avesso. Rio de Janeiro: Revan, 1994.

DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. Anuário dos trabalhadores. 2008. Disponível em: . Acesso em: 4 fev. 2011

DRUCK, Maria da Graça; BORGES, Ângela. Terceirização: balanço de uma década. Caderno CHR, Salvador, n. 37, p. 111-139, jul./dez. 2002.

DRUCK, Maria da Graça. Terceirização: (des) fordizando a fábrica: um estudo do complexo petroquímico. São Paulo: Boitempo, 1999.

FILGUEIRAS, Luiz. O neoliberalismo no Brasil: estrutura, dinâmica e ajuste do modelo econômico. In: BASUALDO. Eduardo; ARCEO, Enrique (Org.). Neoliberalismo y sectores dominantes: tendências globales y experiências nacionales. Buenos Aires: CLACSO, 2006. p. 179-206. Disponível em: . Acesso em: 11 dez. 2007.

FLEURY, Afonso. Novas tecnologias, capacitação tecnológica e processo de trabalho: comparações entre o modelo japonês e o modelo braisleiro. In: HIRATA, Helena (Org.). Sobre o modelo japonês. São Paulo: Edusp, 1993. p. 33-47.

GALVÃO, Andréia. Neoliberalismo e reforma trabalhista no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 2007.

GOUNET, Thomas. Fordismo e toyotismo na civilização do automóvel. São Paulo: Boitempo, 1999.

KREIN, José Dari. As formas de contratação flexível no Brasil. In:______Tendências recentes nas relações de emprego no Brasil: 1990-2005. 2007. 319 p. Tese (Doutorado em Economia Aplicada) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas. (Capitulo 2).

LALLEMENT, Michel. Les paradigmes de la flexibilité en France: des régulations aux “mondes vécus”. Mana, Caen, n. 7, p. 203-220, 2000.

LEBARON, Frédéric. Chômage, precarité, pauvreté: quelques remarques sur la définition sociale des objectifs de politique économique. Regards Sociologiques, Strasbourg, n. 21, p. 67-78, 2000.

LEITE, Márcia de Paula. Trabalho e sociedade em transformação. Sociologias, Porto Alegre, ano 2, n. 4, p. 66-87, 2000.

LIMA, Jacob Carlos. Desconcentração industrial e precarização do trabalho: cooperativas de produção do vestuário no Brasil. In: INTERNATIONAL CONGRESS LATIN AMERICAN STUDIES ASSOCIATION, 1998, Chicago. Anais... Chicago, 1998. (Mimeo)

LINHART, Danièle; RIST, Barbara; DURAND, Estelle. Perte d’emploi, perte de soi. Ramonville: Saint-Agne, 2002.

LORENZO, Francine. Salário mínimo deveria ser de R$ 2.227,53, diz Dieese. De Valor On Line. 2011.

MARCELINO, Paula Regina Pereira. A logística da precarização: terceirização do trabalho na Honda do Brasil. São Paulo: Expressão Popular, 2004.

MARCELINO, Paulo Regina Pereira. Terceirização e ação sindical: a singularidade da reestruturação do capital no Brasil. 2008. 373 p. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

MARTINS, Sérgio Pinto. A terceirização e o direito do trabalho. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2005.

NANTEIUL, Matthieu de. Vers de nouvelles formes de vulnérabilité sociale? reflexion sur les rapports entre flexibilité et précarité. Travail et Emploi, Paris, n. 89, p. 65- 80, jan. 2002.

OLIVEIRA, Marco A. Terceirização: estruturas e processos em cheque nas empresas. São Paulo: Nobel, 1994.

PAGNONCELLI, Dernizo. Terceirização e parceirização: estratégias para o sucesso empresarial. Rio de Janeiro: D. Pagnoncelli, 1993.

PERRIN, Evelyne. Syndicats et collectifs face à la precarité. 2004. POCHMAN, Márcio. Sindeepres 15 anos: a superterceirização dos contratos de trabalho. 2007. 31 p.

SALLUM JUNIOR, Brasílio. O Brasil sob cardoso: neoliberalismo e

desenvolvimentismo. Tempo Social, São Paulo, v. 11, n. 2, p. 23-47, 1999.

VASAPOLLO, Luciano. O trabalho atípico e a precariedade. São Paulo: Expressão Popular, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2011v16n1p55

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International