Precarização do trabalho e processo produtivo do cuidado

Helaynne Ximenes Faria, Maristela Dalbello-Araujo

Resumo


Apesar de suas especificidades, o setor saúde também sofre influências neoliberais que provocam efeitos no mundo do trabalho. Este artigo retrata as conseqüências negativas da precarização sobre o processo de produção de cuidado em saúde, a partir da análise de uma Unidade de Saúde cuja maioria da equipe é terceirizada. Por meio dos relatos obtidos, pode-se verificar o sentimento de desvalorização expresso pelos trabalhadores, assim como a constatação de que a assistência à saúde da população fica comprometida devido ao ambiente tenso, marcado pela instabilidade do emprego, insatisfação e adoecimento dos trabalhadores. Sugere-se o investimento em políticas de enfrentamento da precarização no SUS, visto que ela coloca em risco as diretrizes e princípios desta política pública.


Palavras-chave


Política de saúde; Força de trabalho; Precarização; Processo de trabalho.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, Ricardo. Adeus ao trabalho? Ensaios sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 12. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

ARAÚJO, Lídice Maria et al. Para subsidiar a discussão sobre a desprecarização do trabalho no SUS. Cadernos RH Saúde, Brasília, v. 3, n. 1, mar. 2006.

ARRETCHE, Marta. A política da política de saúde no Brasil. In: LIMA, Nisia Trindade et al. (Org.). Saúde e democracia: história e perspectivas do SUS. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2005.

BRASIL. Lei complementar nº. 101 de 4 de maio de 2000. Estabelece as normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providencias. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, 5 maio 2000. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2009.

______Portaria nº. 648, de 28 de março de 2006. Aprova a Política

Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Brasília, 2006a.

______Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. A construção do SUS: histórias da Reforma Sanitária e do Processo Participativo. Brasília: Ministério da Saúde, 2006b.

______Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão e da Regulação do Trabalho em Saúde. Programa Nacional de Desprecarização do Trabalho no SUS. Desprecarização do trabalho no SUS: perguntas e respostas. Brasília: Ministério da Saúde, 2006c.

______Ministério da Saúde. Desprecarização do trabalho no SUS. Disponível em:

area=1285>. Acesso em: 25 out. 2009a.

______Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS: Trabalho e redes de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2009b.

BRAVERMAN, Harry. Trabalho e capital monopolista: a degradação do trabalho no século XX. Rio de Janeiro: Guanabara, 1987.

COSTA, Glauce Dias da et al. Saúde da família: desafios no processo de reorientação do modelo assistencial. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 62, n. 1, p. 113-118, jan. 2009.

DAL POZ, Mario Roberto. Cambios en la contratación de recursos humanos: el caso del Programa de Salud de la Familia en Brasil. Gaceta Sanitária, Barcelona, v. 16, n. 1, p. 82-88, fev. 2002.

DANTAS, Adriano Mesquita. A terceirização do programa saúde da família: prática ilegal. Jus Navigandi, Teresina, ano 11, n. 1399, maio 2007. Disponível em:. Acesso em: 17 nov. 2009.

DEJOURS, Christophe. Inteligência operária e organização do trabalho. In: HIRATA, Helena. (Org.). Sobre o “modelo” japonês. São Paulo: Ed. Universidade de São Paulo, 1993.

ESPINDULA, Karina Delaprani. Trabalhadores da saúde no SUS: vínculos frágeis – implicações complexas. 2008. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) - Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória.

FARIA, Helaynne Ximenes; DALBELLO-ARAUJO, Maristela. Uma perspectiva de análise sobre o processo de trabalho em saúde: produção do cuidado e produção de sujeitos. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 19, n. 2, p. 429-439, jun. 2010.

FLEGELE; Débora dos Santos et al. O trabalho dos profissionais de saúde na estratégia saúde da família: relações complexas e laços institucionais frágeis. UFES Revista de Odontologia, Vitória, v. 10, n. 4, p. 17-23, out. 2008.

______Trabalhadores de saúde e os dilemas das relações de trabalho na estratégia saúde da família. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde, Vitória, v. 12, n. 2, p. 5-11, 2010.

FRANCO, Túlio Batista; MERHY, Emerson Elias. Programa de Saúde da Família - PSF. Contradições de um programa destinado à mudança do modelo tecnoassistencial. In: MERHY, Emerson Elias et al. O trabalho em saúde: olhando e experienciando o SUS no cotidiano. São Paulo: Hucitec, 2006.

FRANCO, Túlio Batista; ANDRADE, Cristina Setenta; FERREIRA, Vitória Solange Coelho. (Org.). A produção subjetiva do cuidado: cartografias da estratégia de saúde da família. São Paulo: Hucitec, 2009.

GONÇALVES, Rebeca Jesumary et al. Ser médico no PSF: formação acadêmica, perspectivas e trabalho cotidiano. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, v. 33, n. 3, p. 493-403, set. 2009.

KASTRUP, Virginia. O funcionamento da atenção no trabalho do cartógrafo. Psicologia e sociedade, Florianópolis, v. 19, n. 1, p. 15-23, jan. 2007.

LOURENÇO, Eloisio do Carmo et al. A inserção de equipes de saúde bucal no Programa Saúde da Família no Estado de Minas Gerais. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 14, p. 1367-1377, set. 2009.

MACHADO, Maria Helena et al. Trabalhadores da saúde e sua trajetória na reforma sanitária. In: LIMA, Nísia Trindade et al. (Org.). Saúde e democracia: história e perspectivas do SUS. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2005.

MERHY, Emerson Elias. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. São Paulo: HUCITEC, 2002.

NOGUEIRA, Roberto Passos. Problemas de gestão e regulação do trabalho no SUS. Serviço Social e sociedade, São Paulo, v. 87, 2006.

NOGUEIRA, Roberto Passos; BARALDI, Solange; RODRIGUES, Valdemar de Almeida. Limites críticos das noções de precariedade e desprecarização do trabalho na administração pública. In: BARROS, André Falcão do Rego; SANTANA, José Paranaguá de; SANTOS NETO; Pedro Miguel (Org.). Observatório de recursos

humanos no Brasil: estudos e análises. Brasília: Ministério da Saúde, 2004. v. 2.

PIERANTONI, Célia Regina; VARELLA, Tereza Cristina; FRANÇA, Tania. Recursos humanos e gestão do trabalho em saúde: da teoria para a prática. In: BARROS, André Falcão do Rego; SANTANA, José Paranaguá; SANTOS NETO; Pedro Miguel (Org.). Observatório de recursos humanos no Brasil: estudos e análises. Brasília: Ministério da Saúde, 2004. v. 2.

ROLNIK, Suely. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre: Sulinas: Ed. UFRGS, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2011v16n1p142

Direitos autorais 2020 Mediações - Revista de Ciências Sociais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International