Reestruturação produtiva e divisão sexual do trabalho: reflexões sobre o trabalho feminino contemporâneo

Nilo Silva Pereira Netto, Nanci Stancki da Luz

Resumo


O texto apresenta uma reflexão sobre a categoria marxista do trabalho e as consequências dessa teoria para compreensão do trabalho feminino. Discute o trabalho feminino contemporâneo, notadamente a partir do advento da reestruturação produtiva, episódio fundamental para gerenciamento da crise estrutural do capital. Encerra considerando a importância da reflexão a respeito do trabalho e a divisão sexual do trabalho para compreensão da sociabilidade capitalista contemporânea.


Palavras-chave


Mundo do trabalho; Trabalho feminino; Divisão sexual do trabalho; Reestruturação produtiva.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMO, Laís. Inserção das mulheres no mercado de trabalho na América Latina: uma força de trabalho secundária? In: HIRATA, Helena; SEGNINI, Liliana (Org.). Organização, trabalho e gênero. São Paulo: SENAC, 2007.

ANTUNES, Ricardo. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. São Paulo: Cortez, 2006.

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2005.

BRUSCHINI, Cristina; RICOLDI, Arlene Martinez; MERCADO, Cristiano Miglioranza. Trabalho e gênero no Brasil até 2005: uma comparação regional. In: HIRATA, Helena; SEGNINI, Liliana (Org.). Organização, trabalho e gênero. São Paulo: SENAC, 2007.

BRAVERMAN, Harry. Trabalho e capital monopolista: a degradação do trabalho no século XX. 3. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1981.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A polissemia da categoria trabalho e a batalhas das idéias nas sociedades de classe. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 14, n. 40, p. 168-194, 2009.

HIRATA, Helena. Flexibilidade, trabalho e gênero. In: HIRATA, Helena; SEGNINI, Liliana (Org.). Organização, trabalho e gênero. São Paulo: SENAC, 2007.

SEGNINI, Liliana . Nova divisão sexual do trabalho? Um olhar voltado para a empresa e a sociedade. São Paulo: Boitempo, 2002.

SEGNINI, Liliana . Globalização e divisão sexual do trabalho. Cadernos Pagu, São Paulo, v. 17/18, p. 139-156, 2001/2002.

SEGNINI, Liliana. Reestruturação produtiva, trabalho e relações de gênero. Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, São Paulo, ano 4, n. 7, p. 5-27, 1998.

HIRATA, Helena; KERGOAT, Daniele. A classe operária tem dois sexos. Revista Estudos Feministas, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, 1994.

IASI, Mauro Luís. As metamorfoses da consciência de classe: o PT entre a negação e o consentimento. São Paulo: Expressão Popular, 2006.

KERGOAT, Denièle. Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo. In: HIRATA, Helena et al. (Org.). Dictionnaire critique du féminisme. Paris: Ed. Presses Universitaires de France, 2000.

KERGOAT, Denièle. A propósito de las relaciones sociales de sexo. In: HIRATA, Helena; KERGOAT, Danièle. La división sexual del trabajo: permanencia y cambio. Argentina: Associación Trabajo y Sociedad, 1997.

KERGOAT, Denièle. Em defesa de uma sociologia das relações sociais. Da análise crítica das categorias dominantes à elaboração de uma nova conceituação. In: KARTCHEVSKY, A. et al. (Org.). O sexo do trabalho. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

LIMA FILHO, Domingos Leite. Dimensões e limites da globalização. Petrópolis. Vozes, 2004.

MARX, Karl. O capital. Crítica da economia política. Livro I. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

NOGUEIRA, Claudia Mazzei. A feminização no mundo do trabalho: entre a emancipação e a precarização. Campinas: Autores Associados, 2004.

PENA, Maria Valéria Junho. Mulheres e trabalhadoras: presença feminina na constituição do sistema fabril. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, 1995.

TOLEDO, Cecília. Mulheres: o gênero nos une, a classe nos divide. São Paulo: Instituto José Luis e Rosa Sundermann, 2005.

TUMOLO, Paulo Sergio. Trabalho: categoria sociológica chave? A necessária continuidade da discussão. Revista Universidade e Sociedade, Brasília, v. 15, n. 15, p. 85-93, 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2011v16n1p91

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International