As análises de gênero e a formação do campo de estudos sobre a(s) masculinidade(s)

Márcio Ferreira de Souza

Resumo


O presente artigo aborda a construção do campo de estudos sobre a(s) masculinidade(s), entendendo-o como tributo da contribuição feminista. Faz-se um breve balanço dos estudos pioneiros, ressaltando particularmente o questionamento da masculinidade hegemônica (CONNELL, 1995) e, em seguida, discute-se sua penetração no Brasil a partir do debate sobre a crise do masculino e a noção de “novo homem”, bem como a importância da perspectiva histórico-social para a compreensão das novas identidades masculinas.

 

 


Palavras-chave


Feminismo; Gênero; Identidades masculinas; Masculinidades.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, Neuma. “Grupo Doméstico, Gênero e Idade: análise longitudinal de uma plantação canavieira”. Tese de Concurso para professora titular apresentada ao Departamento de Sociologia e Antropologia, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1996.

ALMEIDA, Maria Isabel Gomes de. Masculino/Feminino: tensão insolúvel. Rio de Janeiro: Rocco, 1996.

ALMEIDA, Miguel Vale de. Senhores de si. Lisboa: Fim de século, 1995.

AMÂNCIO, Lígia. Masculino e feminino. A construção social da diferença. Porto: Edições Afrontamento, 1994.

ARILHA, Margareth; RIDENTI, Sandra; MEDRADO, Benedito (orgs.). Homens e masculinidades: outras palavras. São Paulo: ECOS/Ed. 34, 1998.

BADINTER, Elisabeth. XY: sobre a identidade masculina. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1992.

BELL, Daniel. O advento da sociedade pós-industrial: uma tentativa de previsão social. São Paulo: Editora Cultrix, 1978.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, 2003.

BUFFON, Roseli. Reconstruções da imagem masculina em um grupo de homens das camadas médias intelectualizadas. IV Reunião Regional/ABA/Sul, Sessão: Construção da Identidade Masculina. Florianópolis, nov. 1993.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CALDAS, Dario (org.). Homens: comportamento, sexualidade, mudança. São Paulo: Editora Senac, 1997.

CARRIGAN, Tim; CONNELL, Robert William & LEE, John. Hard and heavy: Toward a new sociology of masculinity. In: KAUFMAN, Michael (ed.). Beyond patriarchy: essays by men on pleasure, power, and change. Oxford University Press, TorontoNova York, 1985, p. 139-182.

CECCHETTO, Fátima Regina. Violência e estilos de masculinidade. Rio de

Janeiro: Editora FGV, 2004.

CONNELL, Robert W. Masculinities: knowledge, power and social change. Berkeley: University of California Press, 1995.

CONNELL, Robert. W., HEARN, Jeff, and KIMMEL, Michael. Introduction. In: KIMMEL, Michael, HEARN, Jeff, and CONNELL, Robert. W. (eds.). Handbook of Studies on Men and Masculinities. California: Sage Publications, 2005. p. 1-12.

COSTA, Moacir (Org.). Macho-Masculino-Homem. São Paulo: L&PM, 1986.

CUCHINIR, Luiz. Feminino-Masculino. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1992.

EAGLY, Alice. Sex Differences in Social Behavior: A social-role interpretation. New York: Earlbaum, 1987.

GARCIA, Sandra Mara. Conhecer os homens a partir do gênero e para além do gênero. In: ARILHA, Margareth; RIDENTI, Sandra; MEDRADO, Benedito (orgs.) Homens e masculinidades: outras palavras. São Paulo: ECOS/Ed. 34, 1998, p. 31-50.

GIDDENS, Anthony. As conseqüências da modernidade. São Paulo: Unesp, 1991.

_____. A transformação da intimidade: sexualidade, amor e erotismo nas

sociedades modernas. São Paulo: Unesp, 1992.

GIFFIN, Karen. A inserção dos homens nos estudos de gênero: contribuições de um sujeito histórico. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, 2005, p. 47-57.

GOLDENBERG, Mirian. Ser homem, ser mulher: dentro e fora do casamento. Rio de Janeiro: Revan, 1991.

HARAWAY, Donna. Simians, cyborgs, and women: the reinvention of nature. New York: Routledge, 1991.

HEARN, Jeff. Is masculine dead? A critique of the concept of masculinity/

masculinise. In: GHAIL, Máirtín Mac an. Understanding Masculinities: social relations and cultural arenas. Buckingham, Philadelphia: Open University Press, 1996, p. 202-217.

HEILBORN, Maria Luiza; SORJ, Bila. Estudos de gênero no Brasil. In: MICELI, Sérgio. (org.). O que ler na ciência social brasileira (1970-1995). São Paulo: Sumaré/ANPOCS, v. 2, 1998. pp. 183-221.

HEELAS, Paul; LASH, Scott; MORRIS, Paul. Detraditionalizaton. Cambridge: USA & Oxford, UK: Blackwell, 1996.

INGLEHART, Ronald. Modernization and postmodernization: cultural,

economic and political change in 43 societies. Princeton University Press. 1997.

KIMMEL, Michael S. The cult of masculinity: American social character and the legacy of the cowboy. In: KAUFMAN, Michael (ed.). Beyond patriarchy: essays by men on pleasure, power, and change. Toronto-New York: Oxford Universty Press, 1987, p. 235-249.

KIMMELL, Michael & KAUFMAN, Michael. Weekend warriors: the new men’s movement. Profeminist men respond to the mythopoetic men’s movement (and the mythopoetic leaders answer). In: KIMMELL, Michael & KAUFMAN, Michael (org.). Politics of Manhood. Philadelphia: Temple University Press, 1995, p. 16- 39.

LEAL, Ondina Fachel; BOFF, Adriane de Mello. Insultos, queixas, sedução e sexualidade: fragmentos de identidade masculina em uma perspectiva relacional. In: PARKER, Richard; BARBOSA, Regina M. (orgs.). Sexualidades Brasileiras. Rio de Janeiro: Relume-Dumará/Abia/IMS/UERJ, 1996, p. 119-135.

LENGERMANN, Patricia Madoo & NIEBRUGGE-BRANTLEY, Jill. Teoria feminista contemporánea. In: Ritzer, George. Teoria sociológica moderna. Madrid: McGraw-Hill/Interamericana de Espana, 2002, p. 379-442.

LISBOA, Maria Regina Azevedo. Masculinidade: as críticas ao modelo

dominante e seus impasses. In: PEDRO, Joana Maria; GROSSI, Miriam Pillar. Masculino, feminino, plural: gênero na interdisciplinaridade. Florianópolis: Ed. Mulheres, 1998, p. 131-138.

MACHADO, Lia Zanotta. Perspectivas em confronto: relações de gênero ou patriarcado contemporâneo? UnB, Departamento de Antropologia – DAN, 2000.

MANSFIELD, Harvey C. Manliness. New Haven: Yale University Press, 2006.

MATOS, Marlise. Pierre Bourdieu e o gênero: possibilidades e críticas. In: Série estudos, 94. Rio de Janeiro: IUPERJ, setembro, 1997, p. 3-49.

_____. Reinvenções do vínculo amoroso: cultura e identidade de gênero na modernidade tardia. Belo Horizonte: Ed. UFMG; Rio de Janeiro: IUPERJ, 2000a.

_____. Dimensões da Masculinidade no Brasil. In: I Simpósio Internacional O Desafio da Diferença: articulando gênero, raça e classe. Salvador: 09 a 12 de abril de 2000.

_____. A democracia não deveria passar na porta de casa: a criação de índices de tradicionalismo e de destradicionalização de gênero no Brasil. In: ARAÚJO, Clara; SCALON, Celi (orgs.) Gênero, família e trabalho no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2005, p. 89-122.

MEDRADO, Benedito e LYRA, Jorge. Produzindo sentidos sobre o masculino: da hegemonia à ética da diversidade. In: ADELMAN, Mirian; SILVESTRIN, Celsi (Orgs.). Coletânea Gênero Plural. Curitiba: UFPR, 2002. p. 63-76.

_____. Por uma matriz feminista de gênero para os estudos sobre homens e masculinidades. Estudos Feministas, Florianópolis, 16(3), setembro-dezembro/2008.

NATIVIDADE, Claudia e PIMENTA, Sonia. A construção semiótica da masculinidade na modernidade. Teoria e Sociedade, Belo Horizonte, n. 14.1, jan-jun, 2006, p. 100-125.

NEVES, Siloé Pereira. Homem, mulher e medo: metáforas da relação homemmulher. Rio de Janeiro: Vozes, 1987.

NOLASCO, Sócrates. Um “Homem de Verdade”. In: CALDAS, Dario (org.). Homens. São Paulo: Editora SENAC, 1997, p. 13-29.

_____. O mito da masculinidade. Rio de Janeiro: Rocco, 1995a.

_____. (org.). A desconstrução do masculino. Rio de Janeiro: Rocco, 1995b.

OLIVEIRA, Pedro Paulo. A construção social da masculinidade. Belo Horizonte: Editora UFMG; Rio de Janeiro: IUPERJ, 2004.

PATEMAN, Carole. O contrato sexual. São Paulo: Paz e Terra, 1993.

PISCITELLI, Adriana. Gênero em perspectiva. Cadernos Pagu,, Campinas, n. 11, 1998, p. 141-157.

RITZER, George. Teoria sociológica moderna. Madrid: McGraw-Hill/

Interamericana de Espanha, S.A.U, 2002.

ROCHER, Guy. Talcott Parsons e a sociologia americana. Rio de janeiro:

Francisco Alves, 1976.

RUBIN, Gayle. The traffic in Women. Notes on the “political economy” of sex. In: REITER, Rayna. (ed.). Toward an antropology of women. New York, Monthly Review Press, 1975.

SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.

SALZMAN, Marian.; MATHATIA, Ira and O’REILLY, Ann. The future of men: the rise of the ubersexual and what he means for marketing today. Palgrave MacMillan, 2006.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, vol. 16, julho-dezembro, 1990, p. 5-22.

SCOTT, Joan. Prefácio à Gender and Politics of History. Cadernos Pagu,

Campinas, n. 3, 1994, p.11-28.

SOUZA, Márcio Ferreira de. A percepção do tempo na vida cotidiana sob a

perspectiva de gênero: o dia-a-dia em Belo Horizonte. Tese de doutorado,

Sociologia, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2007.

_____. Transição de valores e a perspectiva sobre o novo homem. In: SOUZA, Márcio Ferreira de (org.). Desigualdades de gênero no Brasil: novas ideias e práticas antigas. Belo Horizonte: Argvmentvm, 2010 (no prelo).

STOLLER, Robert. Masculinidades e feminilidades: apresentações de gênero. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

TREVISAN, João Silvério. Seis balas num buraco só: a crise do masculino. São Paulo: Record, 1988.

VEJA. O homem em nova pele. Edição de 1º. de outubro de 2003.

VANNUCHI, Camilo e CASTELLÓN, Lena. Quem é o novo homem. ISTO É. Edição de 20 de setembro de 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2009v14n2p123

Direitos autorais 2020 Mediações - Revista de Ciências Sociais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International