O jeitão neoliberal no Brasil: compêndio sobre o caráter nacional e a racionalidade neoliberal a partir de Francisco de Oliveira

Josnei Di Carlo

Resumo


Enquanto doutrina, o neoliberalismo ganha seus primeiros contornos nos anos 1930. Na mesma época, intelectuais brasileiros estudavam a formação social do Brasil objetivando compreender sua identidade. De um lado, a criação de um modelo teórico válido universalmente. De outro, a preocupação de compreender a especificidade histórica de um país no mundo. A partir dos anos 1980, a cartilha neoliberal começa a ser seguida por diversos países. No Brasil, há décadas o ensaísmo era rechaçado pelas Ciências Sociais por sua pouca objetividade, em função de se voltar para o caráter de uma sociedade. Tornando-se hegemônico na passagem do século XX para o XXI, o neoliberalismo passou a ser compreendido também como uma racionalidade, por organizar a vida social. Assim, o objetivo deste artigo é analisar a obra de Francisco de Oliveira após o Plano Real (1994) para demonstrar que ele mobilizou o ensaísmo para destacar que as políticas neoliberais organizam a vida social através do caráter nacional.

Palavras-chave


Neoliberalismo; Racionalidade neoliberal; Caráter nacional; Esfera pública; Francisco de Oliveira

Texto completo:

PDF

Referências


BROWN, Wendy. Nas ruínas do neoliberalismo: a ascensão da política antidemocrática no ocidente. São Paulo: Politeia, 2019.

CONNELL, Raewyn. Usando a teoria do Sul: descolonizando o pensamento social na teoria, na pesquisa e na prática. Epistemologias do Sul, Foz do Iguaçu, v. 1, n. 1, p. 87-109, 2017.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova racionalidade. In: DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016. p. 187-376.

GAGO, Verónica. A razão neoliberal: economias barrocas e pragmática popular. São Paulo: Elefante, 2018.

GULLAR, Ferreira. Dentro da noite veloz. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1975.

HABERMAS, Jürgen. Prefácio à nova edição (1990). In: HABERMAS, Jürgen. Mudança estrutural da esfera pública. São Paulo: UNESP, 2014. p. 35-87.

HADDAD, Fernando. Políticas do antivalor, e outras políticas. In: OLIVEIRA, Francisco de. Os direitos do antivalor. Petrópolis: Vozes, 1998. p. 63-76.

HOLANDA, Sérgio Buarque. Raízes do Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1948.

LAZZARATO, Maurizio. Fascismo ou revolução? o neoliberalismo em chave estratégica. São Paulo: N-1 Edições, 2019.

MENDES, Flávio da Silva. O ovo do ornitorrinco: a trajetória de Francisco de Oliveira. 2015. Tese (Doutorado em Sociologia) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015.

OLIVEIRA, Francisco. A derrota da vitória: a contradição do absolutismo de FHC. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 50, p. 13-21, mar. 1998a.

OLIVEIRA, Francisco. A vanguarda do atraso e o atraso da vanguarda: globalização e neoliberalismo na América Latina. In: OLIVEIRA, Francisco. Os direitos do antivalor. Petrópolis: Vozes, 1998b. p. 205-221.

OLIVEIRA, Francisco. Além da hegemonia, aquém da democracia. In: OLIVEIRA, Francisco. Os direitos do antivalor. Petrópolis: Vozes, 1998c. p. 197-203.

OLIVEIRA, Francisco. Avesso do avesso. In: OLIVEIRA, Francisco. Brasil: uma biografia não autorizada. São Paulo: Boitempo, 2018a. p. 123-131.

OLIVEIRA, Francisco. Hegemonia às avessas. In: OLIVEIRA, Francisco. Brasil: uma biografia não autorizada. São Paulo: Boitempo, 2018b. p. 115-122.

OLIVEIRA, Francisco. Jeitinho e jeitão. In: OLIVEIRA, Francisco. Brasil: uma biografia não autorizada. São Paulo: Boitempo, 2018c. p. 137-146.

OLIVEIRA, Francisco. O adeus do futuro ao país do futuro: uma biografia breve do Brasil. Brasil: uma biografia não autorizada. São Paulo: Boitempo, 2018d. p. 27-78.

OLIVEIRA, Francisco. O momento Lenin. In: OLIVEIRA, Francisco de; RIZEK, Cibele (org.). A era da indeterminação. São Paulo: Boitempo, 2007a. p. 257-287.

OLIVEIRA, Francisco. O ornitorrinco. In: OLIVEIRA, Francisco. Crítica à razão dualista/O ornitorrinco. São Paulo: Boitempo, 2003. p. 121-150.

OLIVEIRA, Francisco. Pensar com radicalidade e especificidade. Lua Nova, São Paulo, n. 54, p. 89-95, 2001.

OLIVEIRA, Francisco. Política numa era de indeterminação: opacidade e reencantamento. In: OLIVEIRA, Francisco; RIZEK, Cibele (org.). A era da indeterminação. São Paulo: Boitempo, 2007b. p. 15-45.

OLIVEIRA, Francisco. Privatização do público, destituição da fala e anulação da política: o totalitarismo neoliberal. In: OLIVEIRA, Francisco; PAOLI, Maria Célia (org.). Os sentidos da democracia: políticas do dissenso e hegemonia global. 2. ed. Petrópolis: Vozes; Brasília: NEDIC, 1999. p. 55-81.

OLIVEIRA, Francisco. Quem canta de novo L’Internacionale? In: OLIVEIRA, Francisco. Brasil: uma biografia não autorizada. São Paulo: Boitempo, 2018e. p. 79-114.

OLIVEIRA, Francisco. Quem tem medo da governabilidade? In: OLIVEIRA, Francisco. Os direitos do antivalor. Petrópolis: Vozes, 1998c. p. 165-196.

PAOLI, Maria Célia. Apresentação e introdução. In: OLIVEIRA, Francisco; PAOLI, Mária Célia. Os sentidos da democracia: políticas do dissenso e hegemônica global. 2. ed. Petrópolis: Vozes; Brasília, NEDIC, 1999. p. 7-23.

QUERIDO, Fábio Mascaro; BRAGA, Ruy. Chico de Oliveira e as reviravoltas da crítica. In: OLIVEIRA, Francisco. Brasil: uma biografia não autorizada. São Paulo: Boitempo, 2018. p. 7-25.

RIDENTI, Marcelo. Cultura e política brasileira: enterrar os anos 60? In: BASTOS, Elide Rugai; REGO, Walquíria D. Leão (org.). Intelectuais: sociedade e política. São Paulo: Cortez, 2003. p. 187-212.

SCHLEGEL, Rogerio. Raízes do Brasil, 1936: o estatismo orgânico como contribuição original. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 32, n. 93, p. 1-37, jan./abr. 2017.

SILVA, Fernando de Barros; CARIELLO, Rafael. A política interna se tornou irrelevante, diz sociólogo. Folha de São Paulo, São Paulo, ano 86, n. 28.236, p. 12, jul. 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2020v25n2p358

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International