A Colonialidade nas Práticas de Saúde e as Resistências de Benzedeiras e Mães de Santo

Josiane Carine Wedig, João Daniel Dorneles Ramos

Resumo


Este artigo discute as formas de resistências de mulheres que realizam práticas de cura e de saúde que consistem em modos alternativos à prática hegemônica da medicina ocidental imposta aos corpos pela colonialidade do poder, do saber e do ser. Tal análise baseia-se na realização de pesquisa etnográfica em dois diferentes contextos, a saber, com mães de santo de dois terreiros afrorreligiosos, no Rio Grande do Sul, e com benzedeiras integrantes do Movimento Aprendizes da Sabedoria (MASA), no Paraná. Propomos a discussão, a partir do que essas mulheres evocam e realizam, de modos de saber-fazer que evidenciam rupturas ao modelo ocidental-patriarcal de produção de conhecimento sobre os corpos e sobre a saúde. Suas práticas e conhecimentos de cura, dinamizados nesses dois contextos etnográficos, produzem relações intensas com humanos e não humanos (plantas, água, terra, animais, orixás, santos populares, monges etc.), em que entes diversos atuam como intensidades e potências relacionais. Benzedeiras e mães de santo reivindicam o reconhecimento de suas práticas religiosas e de cura que, historicamente, foram discriminadas, censuradas, vigiadas e reprimidas pelo Estado, como nos casos em que afrorreligiosos/as eram perseguidos/as e as benzedeiras e curandeiras detidas sob a acusação de realizarem atividades ilegais de cura.

Palavras-chave


Colonialidade; Saberes e práticas tradicionais de saúde; Benzedeiras; Mães de santo. Cosmopolítica.

Texto completo:

PDF

Referências


ANJOS, José Carlos Gomes dos. A filosofia política da religiosidade afro-brasileira como patrimônio cultural africano. Debates do NER, Porto Alegre, v. 9, n. 13, p. 77-96, 2008.

ANJOS, José Carlos Gomes dos. No território da linha cruzada: a cosmopolítica afro-brasileira. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2006.

ANJOS, José Carlos Gomes dos; ORO, Ari Pedro. Festa de Nossa Senhora dos Navegantes em Porto Alegre: sincretismo entre Maria e Iemanjá. Porto Alegre: Secretaria Municipal de Cultura, 2009.

ANJOS, José Carlos Gomes dos; SILVA, Sergio Baptista da (org.). São Miguel e Rincão dos Martimianos: ancestralidade negra e direitos territoriais. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2004.

BLASER, Mario. La ontologia política de um programa de caza sustentable. Red de Antropologías del Mundo, [S. l.], n. 4, p. 81-107, 2009.

CASTRO, Eduardo Viveiros de. “Transformação” na antropologia, transformação da “antropologia”. Mana, Rio de Janeiro, v. 18, n. 1, p. 151-171, abr. 2012.

CASTRO, Eduardo Viveiros de. Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio. Mana, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 115-144, out. 1996.

CASTRO, Eduardo Viveiros de. Uma figura de humano pode estar ocultando uma afecção-jaguar. Multitudes, Paris, n. 24, 2006.

CONHECIMENTOS tradicionais e mobilizações políticas: o direito de afirmação da identidade de benzedeiras e benzedores, municípios de Rebouças e São João do Triunfo, Paraná. Boletim Informativo: Nova Cartografia Social dos Povos e Comunidades Tradicionais do Brasil, Manaus, n. 5, out. 2011.

CRENSHAW, Kimberlé Williams. A intersecionalidade na discriminação de raça e gênero. In: CRUZAMENTO: raça e gênero. São Paulo: Ação Educativa, 2012. p. 7-16.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34, 2007. v. 4.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34, 2008. v. 5.

ESCOBAR, Arturo. Sentipensar con la tierra: nuevas lecturas sobre desarrollo, territorio y diferencia. Medellín: Ediciones UNAULA, 2014.

ESCOBAR, Arturo. Territorios de diferencia: lugar, movimientos, vida, redes. Popayán: Envión, 2010.

FACHEL, José Fraga. Monge João Maria: recusa dos excluídos. Porto Alegre: Editora UFRGS, 1995.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. São Paulo: Elefante, 2017.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. São Paulo: Paz & Terra, 2015a.

FOUCAULT, Michel. O nascimento da clínica. Rio de Janeiro: Forense, 2015b.

GROSFOGUEL, Ramón. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Sociedade e Estado, Brasília, v. 31, n. 1, p. 25-49, jan./abr. 2016.

GUATTARI, Felix; ROLNIK, Suely. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes, 1996.

LATOUR, Bruno. Investigação sobre os modos de existência: uma antropologia dos modernos. Petrópolis: Vozes, 2019.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. São Paulo: Editora 34, 1994.

LATOUR, Bruno. Quel cosmos? Quelle cosmopolitiques. In: LOLIVE, Jacques; SOUBEYRAN, Olivier (org.). L’émergence des cosmopolitiques. Paris: La Découverte, 2007. p. 69-84.

LUGONES, Maria. Colonialidad y género. Tabula Rasa, Bogotá, n. 9, p. 73-101, 2008.

LUGONES, Maria. Rumo a um feminismo descolonial. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 3, p. 935-952, set./dez. 2014.

NATHAN, Tobie; STENGERS, Isabelle. Médecins et sorciers. Paris: Éditions La Découverte, 2012.

NEGRÃO, Lísias Nogueira. Entre a cruz e a encruzilhada: formação do campo umbandista em São Paulo. São Paulo: Edusp, 1996.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (org.). A Colonialidade do saber: eurocentrismo e Ciências Sociais: perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clasco, 2005. p. 117-142.

RAMOS, João Daniel Dorneles. O Cruzamento das Linhas: Aprontamento e Cosmopolítica entre umbandistas em Mostardas, Rio Grande do Sul. Porto Alegre: UFRGS, 2015. 273 f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 2015.

SHIVA, Vandana. Monoculturas da mente: perspectivas da biodiversidade e da biotecnologia. São Paulo: Gaia, 2003.

STENGERS, Isabelle. Cosmopolitiques VII: pour en finir avec la tolerance. Paris: La Découverte, 1997.

STENGERS, Isabelle. The doctor and the charlatan. Cultural Studies Review, Sidney, v. 9, n. 2, p. 11-36, nov. 2003.

WALLERSTEIN, Immanuel. Capitalismo histórico e civilização capitalista. Rio de Janeiro: Contraponto, 2001.

WEDIG, Josiane Carine. Rede Puxirão de Povos e Comunidades Tradicionais do Paraná: luta pelo território e pela diferença. Tese (Doutorado em Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade) – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, 2015




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2020v25n2p488

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International