As crianças e as linhas de transmissão em São Luís: Perspectivas metodológicas de uma pesquisa sobre representações infantis

Emilene Leite Sousa

Resumo


Este artigo revisita a pesquisa realizada sobre a presença de comunidades em faixas de servidão de linhas de transmissão da Eletronorte em São Luís, para refletir sobre perspectivas metodológicas na pesquisa sobre representações infantis. Embora as crianças não tenham sido consideradas no projeto inicial - cujo objetivo era analisar as representações e relações que as comunidades rurais de São Luís estabeleciam com os equipamentos da Eletronorte, - fui surpreendida pelo protagonismo infantil. Logo, considerar as crianças em campo tornou-se fundamental para dar conta dos objetivos da pesquisa em sua totalidade, sendo esta a discussão realizada neste artigo. Além de uma análise metodológica, verificamos as representações das crianças sobre os equipamentos, a empresa e a faixa de servidão, e identificamos as ações infantis respaldadas nessas representações através de técnicas como conversas informais e desenhos elaborados pelas crianças compondo, assim, uma etnografia. Logo, embora a pesquisa não se defina como uma pesquisa com ou sobre crianças especificamente, através deste recorte analítico, demonstramos a importância de tomar as crianças como sujeitos de pesquisa como qualquer outra variável em campo – homens, mulheres, idosos – sob pena de não compreendermos completamente uma dada realidade.


Palavras-chave


Crianças; Linhas de transmissão; Metodologia; Representações; Protagonismo infantil

Texto completo:

PDF

Referências


BERREMAN, G. Etnografia e controle de impressões numa aldeia dos Himalaia. In: GUIMARÃES, Alba Zaluar (org.). Desvendando máscaras sociais. 2. ed. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves Editora, 1998. p. 123-174.

COHN, Clarice. A criança, o aprendizado e a socialização na antropologia. In: SILVA, Aracy Lopes da; NUNES, Ângela; MACEDO, Ana Vera Lopes da Silva (org.). Crianças indígenas: ensaios antropológicos. São Paulo: Global, 2002. (Antropologia e educação). v. 1, p. 213-235.

COHN, Clarice. Antropologia da criança. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005. (Coleção passo a passo, 57).

COHN, Gabriel. Weber: sociologia. 7. ed. São Paulo: Ática, 2004. (Coleção grandes cientistas sociais, n. 13).

DAMATTA, Roberto. A casa e a rua: espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Editora Aplicada, 1989.

HARDMAN, Charlote. Can there be an anthropology of children? Journal of the Anthropological Society of Oxford, Oxford, v. 4, n. 2, p. 85-99, 1973.

HIRSCHFELD, Lawrence. Why don’t Anthropologists like Children? American Anthropologist, Washington, US, v. 104, n. 2, p. 611-627, 2002.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O pensamento selvagem. Campinas, SP: Papirus, 1989.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. Discurso e representação, ou de como os Baloma de Kiriwana podem reencarnar-se nas atuais pesquisas. In: CARDOSO, Ruth (org.). A aventura antropológica. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1986. p. 127-140.

MALINOWSKI, Bronislaw. Introdução: tema, método e objetivo desta pesquisa. In: Argonautas do Pacífico Ocidental: um relato do empreendimento e da aventura dos nativos nos arquipélagos da Nova Guiné Melanésia. São Paulo: Abril Cultural, 1978. p. 17-34. (Os pensadores).

MARTINS, José de Souza (coord.). O massacre dos inocentes: a criança sem infância no Brasil. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 1993.

MEAD, Margareth. Children’s play style: potentialities and limitations of its use as cultural indicator. Anthropological Quarterly, Washington, US, v. 48, n. 3, Jul. 1975.

MORAES FILHO, Evaristo (org.). Simmel. São Paulo: Ática, 1983. (Coleção Grandes Cientistas Sociais).

OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. O trabalho do antropólogo. 2. ed. São Paulo: Editora Unesp: Paralelo 15, 2000.

RODRIGUES, José Carlos. O tabu do corpo. Rio de Janeiro: Achiamé, 1983.

SOUSA, Emilene Leite de. Umbigos enterrados: corpo, pessoa e identidade Capuxu através da infância. Florianópolis: EDUFSC, 2017.

SOUZA FILHO, Benedito; ANDRADE, Maristela de Paula; SANT’ANA JÚNIOR, Horácio Antunes; NEVES, Ednalva Maciel (org.). Alta tensão: conflitos, representações e dinâmicas de uso e ocupação de faixas de servidão de linhas de transmissão da Eletronorte. São Luís: EDUFMA, 2006.

TASSINARI, Antonella Maria Imperatriz. Concepções indígenas de infância no Brasil. Revista Tellus, Campo Grande, MT, ano 7, n. 13, p. 11-25, out. 2007.

TASSINARI, Antonella Maria Imperatriz. Escola indígena: novos horizontes teóricos, novas fronteiras de educação. In: SILVA, Aracy Lopes da; FERREIRA, Mariana Kawal Leal (org.). Antropologia, história e educação: a questão indígena e a escola. 2. ed. São Paulo: Global, 2001. v. 1, p. 44-77.

TASSINARI, Antonella Maria Imperatriz; COHN, Clarice. Opening to the other: Schooling among the Karipuna and Mebengokré-Xikrin of Brazil. Anthropology & Education Quarterly, Washington, US, v. 40, n. 2, p. 150-169, Jun. 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2019v24n2p307

Direitos autorais 2019 Mediações - Revista de Ciências Sociais

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

ISSN: 1414-0543

EISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br


Creative Commons License

 

Todos os artigos científicos publicados em mediacoes@uel.br estão licenciados sob uma Licença Creative Commons