A Longa Temporalidade do Estado Racialista e o Impasse da República Democrática no Brasil

Juarez Guimarães, André Drumond

Resumo


O presente artigo analisa as linguagens com que se estabelece e se legitima um
Estado racialista no Brasil. Para tanto, aborda a emergência da tradição liberal
oligárquica de fins de século XIX, demonstrando como suas ideias contribuíram
para a despolitização da questão racial, assim como para a interdição do princípio
da soberania popular no contexto da Abolição e do fim do Império. Em seguida,
o texto se concentra em analisar como o pensamento brasileiro do século XX, na
diversidade e força de seus principais intérpretes, não foi capaz de estabilizar uma
crítica politizante e central do Estado racialista. Pretende-se, nesse sentido, sugerir
uma abordagem republicana e democrática que articule a questão racial enquanto
orgânica à formação da democracia no Brasil.


Palavras-chave


Estado racialista; pensamento político brasileiro; republicanismo.

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, E. Orfeu de carapinha: a trajetória de Luiz Gama na imperial cidade de São Paulo. Campinas: Editora da UNICAMP: Cecult, 1999.

BRASIL. Lei nº 2.040, de 28 de setembro de 1871. Declara de condição livre os filhos de mulher escrava que nascerem desde a data desta lei, libertos os escravos da Nação e outros, e providencia sobre a criação e tratamento daquelles filhos menores e sobre a libertação annaul de escravos.

CAMPOS, Luiz Augusto; GOMES, Ingrid. Relações raciais no Brasil contemporâneo: uma análise preliminar da produção em artigos acadêmicos dos últimos vinte anos (1994-2013). Sinais Sociais, Rio de Janeiro, v. 11, n. 32, p. 85-116, 2016.

CAMPOS, Luiz Augusto; MACHADO, Carlos. A cor dos eleitos: determinantes da sub-representação política dos não brancos no Brasil. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 16, p. 121-151, jan./abr. 2015.

CARVALHO, José Murilo. A construção da ordem: a elite política imperial. Teatro de sombras: a política imperial. São Paulo: Editora Record, 2003.

CARVALHO, José Murilo. Radicalismo e republicanismo. In: NEVES, Lúcia Maria Bastos Pereira; CARVALHO, José Murilo (Org.). Repensando o Brasil do oitocentos: cidadania, política e liberdade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009. p. 19-48.

CASTRO ALVES, A. DE. Obra completa. Rio de Janeiro: Editora Nova Aguilar, 1997.

CHALHOUB, Sidney. Visões da liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na corte. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CONSELHO DE ESTADO DO IMPÉRIO. Atas do Cons elho de Estado Pleno, Terceiro Conselho de Estado do Império, 1865-1867.

COSTA, Emilia Viotti. Da monarquia à república: momentos decisivos. São Paulo: UNESP, 1998.

CUNHA, Emilia. Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2009.

DANTAS, Carolina Vianna. Manoel da Motta Monteiro Lopes, um deputado negro na I República. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, 2008.

FERNANDES, Maria Fernanda Lombardi A esperança e o desencanto: Silva Jardim e a República. São Paulo: Humanitas, 2008.

FERREIRA, L. F. (Org.). Com a palavra Luiz Gama. São Paulo: Imprensa Oficial do

Estado de São Paulo, 2011.

GAMA, L. Com a palavra Luiz Gama. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2011.

GOUVÊA, F. DA C. Joaquim Nabuco entre a Monarquia e a República. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 1989.

GRAHAM, Richard. Escravidão, reforma e imperialismo. São Paulo: Perspectiva, 1979. (Debates História, 146).

GRINBERG, Keila. O fiador dos brasileiros: cidadania, escravidão e direito civil no tempo de Antonio Pereira Rebouças. São Paulo: Record, 2002.

HOLANDA, Sergio Buarque. Do império à república. 7. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005. (História Geral da Civilização Brasileira, O Brasil Monárquico, 7).

HONOHAN, I. Civic republicanism. London; New York: Routledge, 2002.

LESSA, Renato. A invenção republicana: Campos Sales, as bases e a decadência da primeira república brasileira. Rio de Janeiro: IUPERJ; São Paulo: Vértice, 1988.

LYNCH, Christian E. C. Quando o regresso é progresso: a formação do pensamento político conservador saquarema e de seu modelo político (1834-1851). In: FERREIRA, Gabriela Nunes; BOTELHO, André (Org.). Revisão do pensamento conservador: ideias e política no Brasil. São Paulo: Hucitec, 2011. p. 25-54.

LYNCH, C. E. C. O Império é que era a República: a monarquia republicana de Joaquim Nabuco. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, n. 85, p. 277–311, 2012.

MATTOS, Hebe M. Das cores do silêncio: os significados da liberdade no sudeste escravista, Brasil século XIX. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1995.

MATTOS, Hebe. M. A República dos cupins? Reflexões sobre escravidão, política e tempo presente na história do Brasil. In: BOTELHO, André; STARLING, Heloíza (Org.). República e democracia: impasses do Brasil contemporâneo. Belo Horizonte: UFMG, 2017.

MATTOS, Ilmar Rohloff. O tempo saquarema. 5. ed. São Paulo: Hucitec, 2004. (Estudos históricos).

MELO, Américo Brasiliense de Almeida. Os programas dos partidos e o 2º imperio. São Paulo: Typ. de Jorge Seckler, 1878.

NABUCO, J. Minha formação. Belo Horizonte: Itatiaia, 2004.

NABUCO, J. A agitação republicana. O Paíz, v. V, n. 1441, p. 1–2, de Setembro de 1888.

NABUCO, Joaquim. Um estadista do império. 5. ed. Rio de Janeiro: Topbooks, 1997.

NABUCO, Joaquim. Um estadista do império: Nabuco de Araujo : sua vida, suas opiniões, sua época. Rio de Janeiro: H. Garnier, 1899.

NEEDELL, Jeffrey D. The party of order: the conservatives, the state, and slavery in the Brazilian monarchy, 1831-1871. Stanford: Stanford University Press, 2006.

PESSOA, Reynaldo Carneiro. A idéia Republicana no Brasil, através dos documentos: textos para seminários. São Paulo: Alfa-Omega, 1973.

SALLES, Ricardo. Nostalgia imperial: escravidão e formação da identidade nacional no Brasil do segundo reinado. Rio de Janeiro: Ponteio, 2013.

SCHWARCZ, Lilia M. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil, 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SILVA, Eduardo. Introdução. In: BOCAIÚVA, Quintino. Idéias políticas de Quintino Bocaiúva: cronologia, introdução, notas bibliográficas e textos selecionados. Brasília: Senado Federal; Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1986.

TAYLOR, M. Introduction. In: BAGEHOT, W. The English constitution. Oxford world’s classics. Oxford; New York: Oxford University Press, 2001. p. vii–xxxiv.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2018v23n2p123

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International