A cultura como mercadoria: reflexões sobre o processo de mercantilização cultural no modo de produção capitalista

Luciana Silvestre Girelli

Resumo


O artigo propõe uma reflexão sobre o papel da cultura na reprodução do sistema capitalista, bem como sobre o processo de mercantilização cultural a partir da revisão bibliográfica de um importante expoente dos Estudos Culturais, Raymond Williams, e de pensadores da Escola de Frankfurt, entre eles Theodor Adorno e Max Horkheimer. Partindo da problematização a respeito do próprio conceito de cultura, que pode ser compreendido tanto como expressão de um modo de vida construído por um sistema econômico, como um elemento constituinte da própria configuração da sociedade, este trabalho propõe uma reflexão processual a respeito de como a cultura tornou-se mercadoria no modo de produção capitalista. São apresentadas as mudanças oriundas no campo cultural desde o final do feudalismo até a emergência dos meios de comunicação de massa, assim como o impacto dessas transformações na vida em sociedade. O resgate dessa trajetória demonstra, na perspectiva do teórico Fredric Jameson, que a lógica do capitalismo na atualidade é cultural, uma vez que a mercadoria inundou todos os elementos da vida social, inclusive a própria cultura.


Palavras-chave


Estudos culturais; Indústria cultural; Mercantilização cultural.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, T.; HORKHEIMER, M. A indústria cultural: o iluminismo como mistificação das massas. In: ALMEIDA, J. (org.). Indústria cultural e sociedade. São Paulo, Paz e Terra, 2007. p. 7-74.

ADORNO, T. Tempo livre. In: ALMEIDA, J. (org.). Indústria cultural e sociedade. São Paulo, Paz e Terra, 2007. p. 103-117.

CEVASCO, M. E. Prefácio. In: JAMESON, F. A cultura do dinheiro: ensaios sobre a globalização. Petrópolis (RJ): Vozes, 2001. p. 7-16.

COHN, G. A atualidade do conceito de indústria cultural. In: A.S. MOREIRA (org.). Sociedade global: cultura e religião. Petrópolis (RJ): Vozes, 1998. p. 11-26.

DEBORD, G. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

ECHEVERRÍA, B. Defición de la cultura. 2. ed. México: Editorial Itaca, 2010.

JAMESON, F. A cultura do dinheiro: ensaios sobre a globalização. Petrópolis (RJ): Vozes, 2001.

JAMESON, F. Reificação e utopia na cultura de massas. Crítica Marxista, São Carlos, v. 1, p. 1-25. 1994.

KURZ, R. Cultura degradada. Folha de São Paulo, São Paulo, 15 mar. 1998. Disponível em https://www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs15039803.htm.

SIMIONATTO, I. Classes subalternas, lutas de classe e hegemonia: uma abordagem gramsciana. Revista Katályses, Florianópolis, v. 12, n.1, p. 41- 49, 2009.

WILLIAMS, R. Cultura. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2019v24n3p139

Direitos autorais Mediações - Revista de Ciências Sociais



  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International