A feminização da velhice: representação e silenciamento de demandas nos processos conferencistas de mulheres e pessoas idosas

Isabella Lourenço Lins, Luciana Vieira Rubim Andrade

Resumo


O Brasil vem vivenciando um processo crescente de socialização da gestão da velhice e que tem se transformado em uma questão pública. Dentro desse processo tem-se o fenômeno também cada vez mais crescente da feminização da velhice. Neste artigo, discutimos como as demandas das mulheres idosas são construídas e representada nos espaços de participação social que fazem parte do processo decisório das políticas públicas que tem como público alvo as mulheres e as pessoas idosas. A partir da problemática a respeito de uma possível despolitização das mulheres idosas, a questão norteadora aqui é: “Como são representadas as mulheres idosas nas deliberações das conferências nacionais de Política para as Mulheres e de Direitos da Pessoa Idosa? A partir dos documentos analisados com o método de análise de conteúdo feminista qualitativo, foram evidenciados quatro eixos principais, com relação às mulheres idosas: demográfico, saúde, cuidado e interseccional.


Palavras-chave


Feminização da velhice; Conferências de Políticas Públicas; Plano Nacional de Política para as Mulheres

Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS, Michele. Um útero todo seu: público e privado nos posts sobre aborto das

Blogueiras Feministas. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) - Universidade Federal de Minas Gerais, 2014.

BIROLI, Flávia. Responsabilidades, cuidado e democracia. Revista Brasileira de Ciência Política, nº 18, Brasília, dec/2015, p. 81-117.

BRASIL. Secretaria Especial de Políticas para Mulheres. Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: SPM, 2004.

BRASIL. Secretaria Especial de Políticas para Mulheres. II Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: SPM, 2008.

BRASIL. Secretaria de Direitos Humanos. Anais da 2ª CNDPI - Conferência Nacional dos Direitos da Pessoa Idosa. Brasília: Secretaria de Direitos Humanos, 2010.

BRASIL. Secretaria Especial de Políticas para Mulheres. Plano Nacional de Políticas para as Mulheres 2013-2015. Brasília: SPM, 2013.

BRASIL. Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos. Anais da 4ª Conferência Nacional dos Direitos da Pessoa Idosa. Brasília: SDH, 2016.

CAMARANO, Ana A. Introdução. In: ALCÂNTARA, A.O; CAMARANO, A.A; GIACOMIN, K.C. (Org.). Política Nacional do Idoso: velhas e novas questões. Rio de Janeiro: IPEA, 2016. v. 1.

CAMARANO, Ana A. Mulher idosa: suporte familiar ou agente de mudança? Revista Estudos Avançados, São Paulo, v. 17, n. 49, p. 35-63, 2003.

CAMARANO, Ana A.; KANSO, Solange. As instituições de longa permanência para idosos no Brasil. Revista Brasileira de Estudos de População, São Paulo, v. 27, n. 1, p. 232-235, jun. 2010.

CRENSHAW, Kimberle. Demarginalizing the intersection of race and sex: a black feminist critique of antidiscrimination doctrine, feminist theory and antiracist politics. University of Chicago Legal Forum, Chicago, n. 1, p. 139-167, 1989.

DEBERT, Guita G. A invenção da terceira idade e a rearticulação de formas de consumo e demandas políticas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 12, n. 34, p. 34-56, 1997.

DEBERT, Guita G. A reinvenção da velhice: socialização e processos de reprivatização do envelhecimento. São Paulo: EDUSP: FAPESP, 1999.

DEBERT, Guita G. Gênero e envelhecimento. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 2, n. 3, p. 33-51, 1994.

DEBERT, Guita G.; OLIVEIRA, Amanda M. A Feminização da Violência contra o Idoso e as Delegacias de Polícia. Revista Mediações, Londrina, v. 17, p. 197-213, 2012.

FALEIROS, Vicente de Paula. Envelhecimento no Brasil do Século XXI: transições e desafios. Argumentum, Vitória (ES), v. 6, n.1, p. 6-21, jan./jun. 2014.

FISCHER, Frank. Reframing Public Policy: discursive politics and deliberative practices. Oxford: Oxford University Press, 2003.

HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Revista Cadernos Pagu, Campinas, n. 5, p. 7-42, 1995.

HIRATA, Helena. Subjetividade e sexualidade no trabalho de cuidado. Revista Cadernos Pagu, v. 46, Campinas, p. 151-163, 2016.

HIRATA, Helena; GUIMARÃES, Nadya Araujo (Org.). Cuidado e cuidadoras: as várias faces do trabalho do care. São Paulo: Atlas, 2012.

LAVILLE, Christian; DIONNE, Jean. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Belo Horizonte: Artmed; UFMG, 1999.

LEAVY, Patricia L. The feminist practice of content analysis. In: HESSE-BIBER, Sharlene Nagy; LEAVY, Patricia L (Org.). Feminist research practice: a primer. Thousand Oaks: Sage Publications Inc, 2007. Parte II.

LLOYD-SHERLOCK, P. Ageing, development and social protection: a research agenda. In: UNRISD INTERNATIONAL CONFERENCE, 2002, Madrid.

MATOS, Marlise. Teorias de gênero ou teorias e gênero? Se e como os estudos de gênero e feministas se transformaram em um campo novo para as ciências. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 16, n. 2, p. 333-357, 2008.

MATOS, Marlise; CYPRIANO, Breno. Críticas feministas, epistemo-logia e as teorias da justiça social: em busca de uma teoria crítico-emancipatória de gênero. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM CIÊNCIAS SOCIAIS, 32., 2008, Caxambu. Anais... São Paulo: Anpocs, 2008.

MENDONÇA, Ricardo F.; SIMÕES, Paula G. Enquadramento: diferentes operacionalizações analíticas de um conceito. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 27, p. 187-201, 2012.

MINAYO, Maria Cecília S.; SOUZA, Edinilza R.; PAULA, Danúzia. R. Revisão sistemática da produção acadêmica brasileira sobre causas externas e violências contra a pessoa idosa. Revista Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, n. 6, p. 2709-2718, 2010.

MOTTA, Alda B. As dimensões de gênero e classe social na análise do envelhecimento. Revista Cadernos Pagu, Campinas, n. 13, p. 191-22, 1999.

NASCIMENTO, Marcos Roberto do. Feminização do envelhecimento populacional: expectativas e realidades de mulheres idosas quanto ao suporte familiar. In: WONG, Laura L. O envelhecimento da população brasileira e o aumento da longevidade. Belo Horizonte: ABEP, 2001. p. 191-218.

NICODEMO, Denise; GODOI, Marilda J. Juventude dos anos 60-70 e envelhecimento: estudo de casos sobre feminização e direitos de mulheres idosas. Revista Ciência em Extensão, São Paulo, v. 6, n. 1, p. 40-53, 2010.

OGANDO, Ana Carolina. Da república sem mulheres à modernização patriarcal: origens e metamorfoses das relações de gênero no Brasil. 2012. Tese (Doutorado em Ciência Política) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012.

PATEMAN, Carole. O Contrato Sexual; trad. Marta Avancini. Rio: Paz e Terra, 1993.

SALGADO, Carmen Delia Sánchez. Mulher idosa: a feminização da velhice. Estudos interdisciplinares sobre o envelhecimento, Porto Alegre, v. 4, 2002.

SARMENTO, Rayza. Análise de enquadramento e teoria feminista: discutindo implicações metodológicas. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIÊNCIA POLÍTICA, 10., 2016, Belo Horizonte. Anais... Rio de Janeiro: ABCP, 2016.

SCOTT, Joan W. O enigma da igualdade. Estudos Feministas, Florianópolis, v.13, p. 11-30, jan./abr. 2005.

SIMÕES, Julio A. A maior categoria do país: o aposentado como ator político. In: BARROS, Myriam M. (Org). Velhice ou terceira Idade: estudos antropológicos sobre identidades, memória e política. Rio de Janeiro: Ed. Fundação Getúlio Vargas, 1998.

VERAS, Renato P. Estratégias para o enfrentamento das doenças crônicas: um modelo em que todos ganham. In: CONFERÊNCIA NACIONAL DOS DIREITOS DA PESSOA IDOSA: Protagonismo e Empoderamento da Pessoa Idosa: por um Brasil de todas as idades. 4., 2016, Brasília. Anais... Brasília, 2016.

YANOW, Dvora; SCHWARTZ-SHEA, Peregrine. Interpretation and method: empirical research methods and the interpretive turn. 2nd ed. Armonk, NY: M.E. Sharpe, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2018v23n3p436

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International