A compreensão da depressão na população pobre, uma ocorrência mais (fortemente) social, do que uma doença (fracamente) clínica

José Francisco Quirino Santos, Eunice Nakamura, Denise Martin

Resumo


O aumento generalizado da depressão aponta para causas sociais e faz com que essa “doença” se desloque do domínio médico para o social. Estudada como ocorrência social, a variedade e o alcance dos significados de depressão se revelam quando a doença passa a ser analisada sobre o pano de fundo da sociedade. O surgimento de uma nova acepção vulgar, autônoma, saída das relações sociais, começa a merecer atenção especializada. Estudos recentes sobre essa nova conotação, publicados no campo da antropologia médica, evidenciam a existência de uma nova conotação para o termo depressão e as peculiaridades de sua operação no Brasil urbano.


Palavras-chave


Palavras-chave: Depressão. Significados. Periferia urbana.

Texto completo:

PDF

Referências


BOLTANSKI, L. As classes sociais e o corpo. 3. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1989. (Biblioteca de saúde e sociedade, v. n. 5).

DELOUYA, D. Depressão. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2000. DSM - IV. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. 4. ed. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1995.

FABREGA Jr, H.. Problems implicit in the cultural and social study of depression. Psychosomatic Medicine, 36, n. 5: 377-397,1974.

HERZLICH, C. Santé et maladie: le point de vue sociologique. Entrevista de Maria Teresa de Oliveira. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 3, n. 3, p. 306-314, 1987.

HERZLICH, C. A problemática da representação social e sua utilidade no campo da doença. Physis - Revista de Saúde Coletiva, v. 1, n. 2, p. 23-36, 1991. (A representação na saúde coletiva). LÉVI-STRAUSS, C. Antropologia estrutural. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1975. (Biblioteca Tempo Universitário, 7).

HERZLICH, C. O pensamento selvagem. 3. ed. Campinas, São Paulo: Papirus, 2002.

MANSON, S. M. Culture and Major Depression. Current Challenges in the Diagnosis of Mood Disorders. The Psychiatrics Clinics of North America,1995:18, 3, Sept.. 487-501.

MARTIN, D. “Depressão em mulheres na periferia de São Paulo: um olhar antropológico”. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 8, p. 1-7, 2003.

MARTIN, D., MARI, J. J, QUIRINO, J. “Views on depression among patients diagnosed as depressed in a poor town in the outskirts of São Paulo, Brazil”. Transcultural Psychiatry (no prelo). MARTIN, D., MARI, J. J, QUIRINO, J. “Depressão entre mulheres na periferia de São Paulo”. Revista de Saúde Pública, v. 41, n. 4, 2007 (no prelo).

NAKAMURA, E. Depressão na infância: uma abordagem antropológica. São Paulo, 1995. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

NAKAMURA, E., SANTOS, J.Q. “Depressão infantil: abordagem antropológica”. Revista de Saúde Pública, v. 41, n.1, p. 53-60, 2007.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE - OMS. Classificação Estatística Internacional de Doenças e problemas relacionados à saúde (CID-10). 2. ed. São Paulo: Edusp, 1995.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE - OMS. “The ‘newly defined’ burden of mental problems”. Fact Sheet, n. 217, april 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2007v12n1p313

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International