O dia do “evangélico”: estratégias e disputas para a visibilidade pública de religiões evangélicas

Frank Antonio Mezzomo, Cristina Satie de Oliveira Pataro, Amanda Costa Pinheiro

Resumo


O artigo investiga a atuação de um vereador, agente religioso vinculado à Assembleia de Deus e que atua junto à Câmara Municipal de Campo Mourão-PR, no intuito de problematizar a presença de evangélicos na política, por meio da instituição de marcos temporais comemorativos. Em especial, discute-se a proposição de um Projeto de Lei de autoria do referido vereador, que solicitou a criação e a inserção do “Dia do Evangélico” no calendário municipal. Compõem o corpus documental o Projeto de Lei 186/2013 e outros materiais coletados, como postagens e publicações nas redes sociais e em sites de notícia locais. Discutimos acerca da presença de evangélicos na política, crescente no Brasil sobretudo a partir da década de 1980, os quais vêm apresentando pautas legislativas e marcando a presença no espaço público. Tais imbricações entre religião e política nos desafiam a refletir acerca da secularização da sociedade e a laicidade do Estado.


Palavras-chave


Religião; Política; Evangélicos; Calendário; Campo Mourão-PR.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Ronaldo. A onda quebrada: evangélicos e conservadorismo. Cadernos Pagu, Campinas, n. 50, p. 1-27, 2017.

ASSEMBLEIA DE DEUS CAMPO MOURÃO. Dia do evangélico 11/11/2017. Disponível em: http://adcampomourao.com.br/foto/dia-do-evangelico-11112017/. Acesso em: 14 nov. 2017.

BAPTISTA, Saulo. Pentecostais e neopentecostais na política brasileira: um estudo sobre a cultura política, Estado e atores coletivos religiosos no Brasil. São Paulo: Annablume; São Bernardo do Campo: Instituto Metodista Izabela Hendrix, 2009.

BARRERA, Paulo. Tensiones entre pluralismo religioso y derechos humanos en el Brasil contemporáneo. Religare, João Pessoa, v. 12, n. 1, p.128-151, mar. 2015.

BIRMAN, Patrícia. O poder da fé, o milagre do poder: mediadores evangélicos e deslocamento de fronteiras sociais. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 18, n. 37, p. 133-153, jan./jun. 2012.

BIRMAN, Patrícia; MACHADO, Carly. A violência dos justos: evangélicos, mídia e periferias da metrópole. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 27, n. 80, p. 55-69, 2012.

BLOG DO PASTOR. Opecam: diretoria da Opecam permanece. Disponível em: http://pastor-andreportes.blogspot.com.br/p/opecam.html. Acesso em: 14 nov. 2017.

BOCA SANTA. Marcha para Jesus. Disponível em: goo.gl/pQNbCx. Acesso em: 6 mar. 2018.

BOCA SANTA. Opecam foi contra dia do evangélico. Disponível em: goo.gl/ydrGCh. Acesso em: 14 nov. 2017.

BONETE, Clodoaldo. Marcha para Jesus comemora hoje dia do evangélico. Tribuna do Interior, Campo Mourão, 14 nov. 2015. Disponível em: goo.gl/Gky3rw. Acesso em: 6 mar. 2018.

BOSISIO, Izabella. A religião no calendário oficial: um mapeamento da legislação sobre feriados no Brasil. 2014. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

BURITY, Joanildo. Religião, política e cultura. Tempo Social, São Paulo, v. 20, n. 2, p. 83-113, 2008.

BURITY, Joanildo. Organizações religiosas e ações sociais: entre as políticas públicas e a sociedade civil. Revista Anthropológicas, Recife, v. 18, n. 2, p. 7-48, 2007.

CALLEGARI, Rafael Almeida. Um campo político “não tão laicizado” e agentes religiosos “não muito políticos”: a igreja do evangelho quadrangular no tempo da política. 2018. Dissertação (Mestrado em Sociedade e Desenvolvimento) – Universidade Estadual do Paraná - Unespar, Campo Mourão, 2018.

CAMPO MOURÃO. Câmara Municipal. Projeto de Lei 168/2013. Institui o Dia do Evangélico no município. Campo Mourão, 2013.

CAMPO MOURÃO. Prefeitura Municipal. Lei 3.281, de 19 de novembro de 2013. Institui o Dia do Evangélico no município. Campo Mourão, 2013.

CAMPOS, Leonildo. Religião, prática política e discurso de evangélicos brasileiros no período republicano. In: SILVA, Eliane Moura; BELLOTTI, Karina Kosicki; CAMPOS, Leonildo Silveira (org.). Religião e sociedade na américa latina. São Bernardo do Campo: UMESP, 2010. p. 149-186.

CENTRAL REGIONAL DE NOTÍCIAS. Em Campo Mourão, dia do evangélico foi comemorado com marcha para Jesus. 10 nov. 2014. Disponível em: goo.gl/VsGi2b. Acesso em: 11 nov. 2017.

FONSECA, Alexandre Brasil. A maior bancada evangélica. Tempo e Presença, Rio de Janeiro, n. 302, p. 20-23, 1998.

FRESTON, Paul. Uma breve história do pentecostalismo brasileiro. In: ANTONIAZZI, Albert; MARIZ, Cecília Loreto; SARTI, Ingrid; BITTENCOURT FILHO, Pierre Sanchis; FRESTON, Paul; VALLE, Rogério; FERNANDES, Ruben César; GOMES, Wilson. Nem anjos nem demônios: interpretações sociológicas do pentecostalismo. Petrópolis: Vozes, 1994. p. 67-159.

GIUMBELLI, Emerson. Crucifixos em recintos estatais e monumento do Cristo Redentor: distintas relações entre símbolos religiosos e espaços públicos. In: ORO, Ari Pedro; STEIL, Carlos Alberto; CIPRIANI, Roberto; GIUMBELLI, Emerson (org.). A religião no espaço público: atores e objetos. São Paulo: Terceiro Nome, 2012. p. 45-60.

GIUMBELLI, Emerson. Símbolos religiosos em controvérsias. São Paulo: Terceiro Nome, 2014.

IGREJA PALAVRAS QUE CURAM. Declaração de fé da IPC: Igreja Palavras que Curam. Disponível em: http://www.igrejaipc.com.br/declaracao-de-fe/. Acesso em: 14 nov. 2017.

LE GOFF, Jacques. Calendário. In: ENCICLOPÉDIA Einaudi: memória-história. Lisboa: Imprensa Nacional, Casa da Moeda, 1984. p. 260-292.

MACHADO, Maria das Dores. Além da religião. Cadernos CERU, São Paulo, v. 2, n. 12, p. 139-150, 2001.

MACHADO, Maria das Dores. Existe um estilo evangélico de fazer política? In: BIRMAN, Patricia (org.). Religião e espaço público. São Paulo: Attar, 2003. p. 281-307.

MARIANO, Ricardo. Pentecostais e política no Brasil: do apolitismo ao ativismo corporativista. In: SANTOS, H. Debates pertinentes: para entender a sociedade contemporânea. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2009. p. 112-138.

MARIZ, Cecília. Catolicismo no Brasil contemporâneo: reavivamento e diversidade. In: TEXEIRA, Faustino; MENEZES, Renata (org.). As religiões do Brasil: continuidade e rupturas. Petrópolis: Vozes, 2006. p. 53-68.

MEZZOMO, Frank; PÁTARO, Cristina; ONOFRE, Lucas. Evangélicos na política: as eleições proporcionais de Campo Mourão em 2012. Revista de Estudos da Religião, São Paulo, v. 14, n. 2, p. 244-264, 2014.

MONTERO, Paula. Religião, laicidade e secularismo: um debate contemporâneo à luz do caso brasileiro. Cultura y Religión, Santiago, v. 7, n. 2, p. 132-150, 2013.

NOVAES, Regina. Crenças religiosas e convicções políticas: fronteiras e passagens. In: FRIDMAN, Luís Carlos (org.). Política e cultura: século XXI. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002. p. 63-97.

OLIVEIRA, Amurabi. Estado laico não é estado ateu?: algumas reflexões sobre religião, estado e educação a partir da lei da bíblia em Florianópolis, SC. Política & Sociedade, Florianópolis, v. 16, p. 449-473, 2017.

OPECAM - ORDEM DOS PASTORES DE CAMPO MOURÃO. Ofício 9/2013. Parecer sobre o Projeto de Lei 168/2013. Campo Mourão: OPECAM, 2013.

ORO, Ari Pedro. A política da Igreja Universal e seus reflexos nos campos religioso e político brasileiros. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 18, n. 53, p. 53-69, 2003.

ORO, Ari Pedro; CARVALHO JUNIOR, Erico Tavares. Eleições gerais de 2014: religião e política no Rio Grande do Sul. Debates do NER, Porto Alegre, ano 16, n. 27, p. 145-171, 2015.

PIERUCCI, Antonio. Representantes de Deus em Brasília: a bancada evangélica na constituinte. In: PIERUCCI, Antonio Flávio; PRANDI, Reginaldo. A realidade social das religiões no Brasil: religião, sociedade e política. São Paulo: Hucitec, 1996. p. 163-191.

PINHEIRO, Amanda. Religião e política: análise dos mandatos de agentes religiosos no legislativo municipal de Campo Mourão. 2017. Dissertação. (Mestrado Interdisciplinar Sociedade e Desenvolvimento) - Universidade Estadual do Paraná, Campo Mourão, 2017.

PITREZ, Maria Cláudia. O feriado de São Jorge e o dia do evangélico: disputas políticas e religiosas em torno dos calendários cívicos do Rio de Janeiro. Debates do NER, Porto Alegre, ano 13, n. 21, p. 181-204, jan./jun. 2012.

PRANDI, Reginaldo; SANTOS, Renan. Quem tem medo da bancada evangélica? Posições sobre moralidade e política no eleitorado brasileiro, no congresso nacional e na bancada evangélica. Tempo Social, São Paulo, v. 29, p. 187-213, 2017.

RANQUETAT JUNIOR, Cesar. A presença da Bíblia e do crucifixo em espaços públicos no Brasil: religião, cultura e nação. In: ORO, Ari Pedro; STEIL, Carlos Alberto; CIPRIANI, Roberto; GIUMBELLI, Emerson (org.). A religião no espaço público: atores e objetos. São Paulo: Terceiro Nome, 2012. p. 61-79.

SANTOS, Marcio Martins. “Tribunos do povo, servos de Deus”: um estudo antropológico sobre políticos e religião na cidade de Porto Alegre. Revista Anthropológicas, Recife, ano 12, v. 19, p. 201-239, 2008.

VITAL, Christina; LOPES, Paulo. Religião e política: uma análise da Recife, atuação de parlamentares evangélicos sobre direitos das mulheres e de LGBTs no Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Böll & Instituto de Estudos da Religião (ISER), 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2019v24n1p335

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International