Cultura e subjetividade – campos de continuidade e ruptura: a história de Mukhtar Mai

Jennifer Perroni

Resumo


No ano de 2002 a paquistanesa Mukhtar Mai foi condenada a um estupro coletivo pelo crime de seu irmão. Infelizmente situações como essa não podem ser consideradas raras no Paquistão, onde o estupro como forma de resolver conflitos entre famílias é uma prática comum. Assim, o mais impressionante nessa história talvez tenha sido justamente a reação dessa mulher que ao invés de se resignar ao silêncio ou cometer o suicídio, comum nesses casos, iniciou um processo de superação, denúncia, e luta pelos direitos das mulheres em seu país. Através dessa história podemos perceber como tradição e cultura permeiam as ações e representações de um povo onde o corpo feminino ainda representa um objeto que pode ser usado para a honra ou vergonha do clã. Mas esse mesmo sistema de valores também possibilita o surgimento de indivíduos que conseguem romper com um determinado padrão de subordinação.


Palavras-chave


Cultura; Violência de gênero; Dominação masculina.

Texto completo:

PDF

Referências


AZAMBUJA, Mariana Porto Ruwer de; NOGUEIRA, Conceição. Introdução à

violência contra as mulheres como um problema de Direitos Humanos e de Saúde Pública. Saúde e Sociedade. São Paulo, v.17, n.3, 2008.

BOURDIEU, Pierre. Razões práticas: sobre a teoria da ação. São Paulo: Papirus, 1996.

BOURDIEU, Pierre. A miséria do mundo. Petrópolis: Vozes, 1998.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

BOURDIEU, Pierre. Novas considerações sobre a dominação masculina. In: Lopes, Marta et alli. Gênero e Saúde. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.

BROOKS, Geraldine. Nove partes do desejo: o mundo secreto das mulheres islâmicas. Rio de Janeiro: Gryphus, 1996.

CHALHOUB, Sidney. Trabalho, lar e botequim: o cotidiano dos trabalhadores no Rio de Janeiro da Belle Époque. São Paulo: Brasiliense, 1986.

CHARTIER, Roger. A história cultural: sobre práticas e representações. Rio de Janeiro: Ed. Bertrand Brasil, 1990.

ESPINOLA, Claudia Voigt. A mulher no Islã: gênero, violência e Direitos Humanos. In: X Jornadas sobre Alternativas religiosas - sociedad y religion en el Tercer Milenio. Buenos Aires, 2000 [CD-room].

GINZBURG, Carlo. O queijo e os vermes: o cotidiano e as idéias de um moleiro perseguido pela inquisição. São Paulo: Cia das Letras, 1987.

LARAIA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006

MAI, Mukhtar & CUNY, Marie-Therese. Desonrada. Rio de Janeiro: BestSeller, 2007.

SAHLINS, Marshall. Cultura e razão prática – dois paradigmas da teoria

antropológica. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

SOIHET, Rachel. Violência simbólica: saberes masculinos e representações femininas. Estudos Feministas. Florianópolis/Rio de Janeiro: IFCS/UFRJ, 1997

THOMPSON, Edward Palmer. Costumes em comum. São Paulo: Cia das Letras, 1998.

TODOROV, Tzevtan. A conquista da América: a questão do outro. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

ZUWICK, Ana Maria. A violência sexual e suas repercussões na subjetividade feminina. Gênero: Revista Transdisciplinar de Estudos de Gênero. NUTEG – v.2, n.2. Niterói: EdUFF, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2009v14n1p200

Direitos autorais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International