Mito & contracultura

Cesar Augusto de Carvalho

Resumo


Considerada irracional desde os seus primórdios, a crítica à contracultura revelou-se incapaz de perceber a revolução cognitiva que se instaurava com as diferentes práticas de espiritualidade. Substituindo a lógica racionalista da exclusão pela lógica da inclusão, onde os elementos se equivalem, o movimento contracultural resgatou a experiência mítica, que ajuda o homem a procurar a fonte de sua própria vida e se integra ao processo de formação do self, dando-lhe um novo significado. Surge, dessa forma, um novo tipo de percepção e pensamento.


Palavras-chave


Contracultura; Espiritualidade; Mito; Self.

Texto completo:

PDF

Referências


AL-FAWZAN, Sheik Fawzan. Entrevista concedida à televisão saudita transcrita pelo Middle East Media Research Institute.

BACZKO, Branislaw. Imaginação Social. Enciclopédia Einaudi. Lisboa: AnthroposHomem/Casa da Moeda/Imprensa Nacional, 1985, v. 5, p. 296-332.

BERGER, Peter L. & LUCKMAN, Thomas. A construção social da realidade: tratado de Sociologia do Conhecimento. 4a . ed. Petrópolis: Vozes, 1978.

BRANCO, Samuel Murgel. Pantanal Mato-grossense. São Paulo: Moderna, 1997 (col. Desafios). CAMPBELL, Joseph. O poder do mito. 21a . ed. São Paulo: Palas Athena, 2003.

CAPRA, Fritjof. O ponto de mutação. São Paulo: Cultrix, 1986.

_____. O Tao da física: um paralelo entre a física moderna e o misticismo oriental. São Paulo: Cultrix, 1985.

CAPRA, Fritjof & STEINDL-RAST, David. Pertencendo ao universo: explorações nas fronteiras da ciência e da espiritualidade. São Paulo: Cultrix, 1999.

CARVALHO, Cesar Augusto de. Contracultura, Droga: roteiro para uma performance. Séries Monográficas: Política e Cultura, n. 4, São Paulo, 1987.

_____. Viagem ao mundo alternativo: a contracultura nos anos 80. São Paulo: Editora da UNESP, 2008 [no prelo].

CARVALHO, Renato Guiselini de. Mensagem eletrônica enviada em 11 de janeiro de 2005.

CASTANEDA, Carlos. A erva do diabo: os ensinamentos de Don Juan. 29a . ed. revista. Rio de Janeiro: Record/Nova Era, 2002.

CHEVALIER, Jean et alli. Dicionário de Símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. 2a . ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1989.

D´ANDREA, Anthony Albert Fischer. O self perfeito e a nova era: individualismo e reflexividade em religiosidades pós-tradicionais. São Paulo: Loyola, 2000.

DURKHEIM, Émile. As formas elementares da vida religiosa: o sistema totêmico na Austrália. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

FAVRE, Yves-Alain. Tosão de ouro. In: BRUNEL, Pierre (org.). Dicionário de mitos literários. 2a . ed. Brasília: UnB; Rio de Janeiro: José Olympio, 1998, p. 886-8.

GUERRA, Carlos Gustavo M. Contracultura e as possibilidades libertárias da informática. In: SIEBERT, Raquel Stela de Sá et. alli. Educação libertária: textos de um seminário. Rio de Janeiro: Achiamé, 1996, p. 145-161.

HANH, Thich Nhat. The heart of understanding: commentaries on the Prajñaparamita Heart Sutra. Berkeley, California: Parallax Press, 1988.

HESSE, Herman. Sidarta. 15ª. Ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1976.

JOHNSON, Allan G. Dicionário de Sociologia: guia prático da linguagem sociológica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

JUNG, Carl. G. O homem e seus símbolos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, s/data.

_____. Os arquétipos e o inconsciente coletivo. 4ª. ed. Petrópolis: Vozes, 2000.

KEROUAC, Jack. Viajante solitário. Lisboa, Portugal: Minerva, 1975. _____. Viajante solitário. Porto Alegre: L&PM, 2005.

KOELLREUTTER, J. A “estética do impreciso paradoxal”. Folha de S. Paulo, Ilustrada, 20 Set. 1987, A-49.

LAGO, Antônio & PÁDUA, José Augusto. O que é ecologia. 2a . ed. São Paulo: Brasiliense, 1985.

LAPASSADE, Georges & LOURAU, René. Chaves da Sociologia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1972.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Antropologia estrutural. 5a . ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1996.

LYOTARD, Jean-François. Des dispositifs pulsionnels. Paris: Union Générale d´Éditions, 1973. MACIEL, Luis Carlos. Anos 60. Porto Alegre: L&PM, 1987.

_____. As quatro estações. Rio de Janeiro: Record, 2001.

McLUHAN, Marshall. Os meios de comunicação como extensões do homem. 12a . ed. São Paulo: Cultrix, 2002.

MEAD, George Herbert. Mind, self & society: from the standpoint of a social behaviorist. Chicago: The University of Chicago Press, 1992.

MENDRAS, Henri. Éléments de sociologie. Une initiation à l’analyse sociologique. Paris: Armand Colin, 1968.

PEIXOTO, Nelson Brissac. Artecidade. Disponível em http://www.artecidade.org.br/brasmitte/portugues/meio.html. Acesso em 23 out. 2000.

SCHEURMANN, Erich (org.). O Papalagui: comentários de Tuiávii, chefe da tribo Tiavéa nos mares do sul. 2a . ed. São Paulo: Marco Zero, s/data. SEATTLE (Chefe índio). Preservação do meio ambiente: manifesto do Chefe Seattle ao Presidente dos EUA. São Paulo: Babel Cultural, 1987.

SUZUKI, Daisetz T. Essais sur le boudhisme Zen. Paris: Albin Michel, 1972. TIPITAKA, SUTTAPITAKA & KHUDDAKANIKAYA. Dhammapada: a senda da virtude. 2a . ed. São Paulo: Palas Athena, 2000.

VOVELLE, Michel. Ideologias e mentalidades. 2a . ed. São Paulo: Brasiliense, 1991.

WILBER, Ken. Uma breve história do universo. De Buda a Freud: religião e psicologia unidas pela primeira vez. Rio de Janeiro: Record/Nova Era, 2001.

WILHEM, Richard. I Ching: o livro das mutações. São Paulo: Pensamento, 1986.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2007v12n2p55

Direitos autorais 2020 Mediações - Revista de Ciências Sociais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International