A ação política como caso de polícia no Brasil

Veronica Tavares de Freitas

Resumo


Vivemos no Brasil pouco mais de um século de uma deficiente República, a qual foi marcada por dois longos processos ditatoriais que contribuíram para a conformação das características da posição de repressão estatal diante da ação dos movimentos sociais. Nesse bojo, o presente artigo analisa como 2013 pode ser compreendido enquanto um marco na história nacional, como um momento de inflexão pós-redemocratização na qual cresceu a desvinculação entre os detentores do poder e os cidadãos, apresentando-se como um de seus aspectos o deslizamento da ação política para a arena penal. Em associação com o tratamento dos ativistas como caso de polícia, desde então pode-se identificar avanços na institucionalidade nacional no sentido da tipificação penal dos repertórios de confrontação dos movimentos sociais. Além da revisão da literatura do campo, este artigo parte da análise documental legislativa, bem como da cobertura midiática como fonte para demarcação dos principais acontecimentos do período. Como aporte teórico será utilizada a Teoria do Confronto Político, a partir da qual pretende-se enxergar o momento político iniciado em 2013 na qualidade de um processo, com o olhar voltado para a relação entre os movimentos sociais e os agentes estatais para uma leitura do complexo cenário atual.    


Palavras-chave


Movimentos Sociais, 2013, Política, Confronto.

Texto completo:

PDF

Referências


ALAGOAS. Lei nº 7.692/2015. Estabelece a proibição, em reuniões públicas para manifestações de pensamento, do uso de máscara ou qualquer outra forma que vise ocultar o rosto do cidadão, com o propósito de impedir-lhe a identificação. Disponível em: < http://www.al.al.leg.br/comunicacao/noticias/lei-que-proibe-usode-mascaras-em-manifestacoes-e-sancionada-pelo-executivo>. Acesso em: 5 maio 2018.

ALONSO, Angela. A política das ruas - protesto em São Paulo de Dilma a Temer. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. esp., p. 49-58, jun, 2017.

ARAÚJO, Glauco. Capitão ‘infiltrado’ em protesto em SP é promovido a major do Exército. G1, São Paulo, 5 maio 2017. Disponível em: < https://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/capitao-infiltrado em-protesto-em-sp-e-promovido-a-major-doexercito.ghtml>. Acesso em: 9 jun. 2018.

BARATTA, Alessandro. Criminologia crítica e crítica do direito penal: introdução à sociologia do direito penal. 3. ed. Rio de Janeiro: Revan, 2002.

BOURDIEU, Pierre. Sobre o estado: cursos no Collège de France (1989-1992). São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

BRASIL. Decreto de 31 de agosto de 2016. Autoriza o emprego das Forças Armadas para a Garantia da Lei e da Ordem no revezamento da Tocha Paraolímpica dos Jogos Rio 2016. 2016a. Disponível em: . Acesso em: 2 jun. 2018.

BRASIL. Lei n º 13.260, de 16 de março de 2016. Regulamenta o disposto no inciso XLIII do art. 5o da Constituição Federal, disciplinando o terrorismo, tratando de disposições investigatórias e processuais e reformulando o conceito de organização terrorista; e altera as Leis nos 7.960, de 21 de dezembro de 1989, e 12.850, de 2 de agosto de 2013. 2016b. Disponível em: . Acesso em: 9 maio 2018.

BRASIL. Lei nº 12.850, de 2 de agosto de 2013. Define organização criminosa e dispõe sobre a investigação criminal, os meios de obtenção da prova, infrações penais correlatas e o procedimento criminal; altera o Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal); revoga a Lei no 9.034, de 3 de maio de 1995; e dá outras providências. 2013a. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ ato2011-2014/2013/lei/l12850.htm>. Acesso em: 9 maio 2018.

BRASIL. Projeto de Lei do Senado nº 150, de 2006. Dispõe sobre a repressão ao crime organizado e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 9 maio 2018.

BRASIL. Projeto de Lei do Senado nº 499, de 2013. Define crimes de terrorismo e dá outras providências. 2013b. Disponível em: . Acesso em: 3 out. 2017.

BRASIL. Projeto de Lei nº 2016, de 2015. Altera a Lei nº 12.850, de 2 de agosto de 2013, e a Lei nº 10.446, de 8 de maio de 2002, para dispor sobre organizações terroristas. Disponível em: . Acesso em: 3 out. 207.

BRASIL. Senado Federal. Plenário. 10 fev. 2014. Disponível em:

senado.leg.br/noticias/materias/2014/02/10/morte-de-cinegrafista-esquenta-debatesobre-tipificacao-do-crime-de-terrorismo/tablet>. Acesso em: 5 maio 2018.

BRINGEL, Breno; DOMINGUES, José Maurício. As jornadas de junho em perspectiva global. Rio de Janeiro: Netsal; Iesp/Uerj, 2013.

BULCÃO, Luis; MACHADO, Mariucha; SOUZA, Priscilla. Ato no Rio reúne 100 mil, começa em paz, mas minoria provoca confusão. G1, Rio de Janeiro, 18 jun. 2013. Disponível em: . Acesso em: 5 maio 2018.

CALGARO, Fernanda; CARAM, Bernardo. Sem oposição em plenário, Câmara aprova MPs em votação-relâmpago. G1, Brasília, 25 maio 2017. Disponível em: . Acesso em: 5 maio 2018.

CAMPANHA pela liberdade de Rafael Braga. Disponível em: . Acesso em: 5 maio 2018.

CINEGRAFISTA atingido por rojão em protesto no Rio tem morte cerebral. G1, Rio de Janeiro, 10 fev. 2014. Disponível em: . Acesso em: 5 maio 2018.

COELHO, Henrique. Ativistas presos pretendiam incendiar Câmara do Rio, diz denúncia do MP. G1, Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: . Acesso em: 5 maio 2018.

DAS LUTAS. Nota pública contra a violência policial na Maré. 2013. Disponível em: . Acesso em: 5 maio 2018.

DELLA PORTA, Donatella. Social movements and the state: thoughts on the policing of protest. San Domenico di Fiesole: European University Institution, 1995.

DISCURSO da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante cerimônia de entrega do sistema integrado de comando e controle para segurança de grandes eventos. 13 jun. 2013. Disponível em: . Acesso em: 9 maio 2018.

ELIAS, Norbert. Los Alemanes. México: Instituto José María Luis Mora, 1999.

ENTENDA como funciona a operação de garantia da lei e da ordem. 26 fev. 2018. Disponível em: < http://www2.planalto.gov.br/acompanhe-planalto/ releases/2017/05/entenda-como-funciona-a-operacao-de-garantia-da-lei-e-daordem>. Acesso em: 9 jun. 2018.

FERIDOS durante protesto no Centro do Rio continuam internados. G1, Rio de Janeiro, 18 jun. 2013. Disponível em: . Acesso em: 5 maio 2018.

FRAGOSO, Heleno Cláudio. Terrorismo e criminalidade política. Rio de Janeiro: Forense, 1981.

FREITAS, Veronica Tavares de Freitas. Quem são os terroristas do Brasil? A Lei Antiterror e a produção política de um inimigo público. Curitiba: CVR, 2017.

JALIFF, Pernilla Stamm’ler. The indigenous people of chile and the application of the antiterrorist law: a case study of the land-conflict in Araucanía, Southern Chile. 2013. Thesis (Master’s in International and European Relations) - Linköping University, University of Gothenburg, 2013.

KUHN JUNIOR, Noberto; SARMANHO, Andréia Poerschke. Do vandalismo ao protesto: análise de conteúdo da cobertura do jornal Zero Hora sobre as manifestações contra o aumento da tarifa de ônibus em Porto Alegre. Revista Humanidades, v. 30, n. 2, p. 433-454, jul./dez. 2015.

LEI contra terrorismo não incluirá ação de movimentos sociais, afirma Jucá. Senado Notícias, Brasília, 14 jun. 2013. Disponível em: . Acesso em: 5 maio 2018.

LOSEKANN, Cristiana. Os protestos de 2013 na cidade de Vitória/ES: #resistir, resistir até o pedágio cair! In: ROSA, Soraia Mendes da (Org.). País mudo não muda! As manifestações de junho de 2013 na visão de quem vê o mundo para além dos muros da academia. Brasília: IDP, 2014. v. 1, p. 26-38.

MACEDO, Isabella. Deputado apresenta projeto para classificar MST e MTST como grupos terroristas. 22 fev. 2018. Disponível em: . Acesso em: 9 maio 2018.

MATIAS, Camila. Romero Jucá será relator de projeto de lei sobre vandalismo no Brasil. 18 fev. 2014. Disponível em: . Acesso em: 5 maio 2018.

MATUOKA, Ingrid. Lei de organizações criminosas, arma contra os movimentos sociais. Carta Capital, São Paulo, 16 ago. 2016. Disponível em: . Acesso em: 5 maio 2018.

MINAS GERAIS. Lei nº 21.324 de 17 de junho de 2014. Restringe o uso de máscara, venda ou qualquer cobertura que oculte a face em eventos multitudinários. Disponível em: . Acesso em: 5 jun. 2018.

ONGs denunciam chacina. iBase, Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: . Acesso em: 5 maio 2018.

PENELAS, Rafael Gomes; GRANJA, Patrick; CHALITA, Guilherme. Manifestações históricas e grandes combates da juventude nas ruas do Rio de Janeiro. Jornal A Nova Democracia, Rio de Janeiro, ano 11, n. 112, jun. 2013. Disponível em: . Acesso em: 5 jun. 2018.

POLÍCIA civil admite que inocentes morreram em confronto na maré, RJ. G1, Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: . Acesso em: 5 maio 2018.

PORTO ALEGRE. Lei nº 11.596, de 2 de abril de 2014. Proíbe os cidadãos de utilizarem máscara ou qualquer meio capaz de ocultar o rosto com o propósito de impedir sua identificação em manifestações públicas no Município de Porto Alegre e normatiza o direito constitucional dos cidadãos à participação em reuniões públicas. Disponível em: < http://www2.portoalegre.rs.gov. br/cgi-bin/nph-brs?s1=000033984.DOCN.&l=20&u=/netahtml/sirel/simples. html&p=1&r=1&f=G&d=atos&SECT1=TEXT>. Acesso em: 9 jun. 2018.

PROTESTO por aumento da passagem de Porto Alegre termina em tumulto. G1, Rio Grande do Sul, 27 mar. 2013. Disponível em: . Acesso em: PROTESTOS e repressão acirram tensão em São Paulo. BBC News, Londres, 13 jun. 2013. Disponível em: . Acesso em: 5 maio 2018.

RAMALHO, Sergio. Moradores da Maré realizam manifestação para pedir paz na comunidade. O Globo, Rio de Janeiro, 2 jul. 2013. Disponível em: . Acesso em: 5 maio 2018.

RIBAS, Luis Otávio; OLIVEIRA, Géssica; HAMDAN, Aline. Os entraves do acesso à justiça na assessoria jurídica das manifestações de 2013 no Rio de Janeiro. Diké, Ilhéus, v. 16, p. 268-294, 2017.

RIO DE JANEIRO. Projeto de Lei n] 2405/2013. Regulamenta o Artigo 23 da Constituição do Estado. Disponível em: . Acesso em: 6 jun. 2018.

RODRIGUES, Paloma. Após morte de cinegrafista, Senado tenta acelerar “lei antiterror”. Carta Capital, São Paulo, 11 fev. 2014. Disponível em: . Acesso em: 5 maio 2018.

ROMERO Jucá quer urgência para projeto sobre terrorismo. 10 fev 2014. Disponível em: . Acesso em: 5 maio 2018.

SANTOS, Joice; BRITO, Rosaly; STEINBRENNER, Rosane. Política, juventude e rede #vemprarua em Belém. In: COLÓQUIO SEMIÓTICA DAS MÍDIAS, 2., 2013, Alagoas. Anais... Japaratinga/Alagoas, 2013.

SÃO PAULO. Projeto de Lei nº 50/2014. Regulamenta, no âmbito do Estado, os direitos e deveres individuais e coletivos que especifica. Parecer nº 1062, de 2014, de relator especial pela Comissão de Justiça e Redação. Disponível em: . Acesso em: 9 jun. 2018.

SINGER, André. Brasil, junho de 2013: classes e ideologias cruzadas. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 97, p. 23-40, nov. 2013.

TARROW, Sidney. El poder en movimento: los movimientos sociales, la acción colectiva y la política. Madrid: Alianza Editorial, 1997.

TATAGIBA, Luciana. 1984, 1992 e 2013. Sobre ciclos de protestos e democracia no Brasil. Política e Sociedade, Florianópolis, v. 13, n. 28, p. 35-62, set./dez. 2014.

TAVARES, Francisco Mata Machado; RORIZ, João Henrique Ribeiro; OLIVEIRA, Ian Caetano de. As jornadas de maio em Goiânia: para além de uma visão sudestecêntricado junho brasileiro em 2013. Opinião Pública, Campinas, v. 22, n. 1, p. 140-166, abr.2016.

TERWINDT, Carolijin. Ethnographies of contentious criminalization: expansion,ambivalence, marginalization. Columbia: Columbia University, 2012.

TILLY, Charles. Democracia. Petrópolis: Vozes, 2013.

TILLY, Charles; TARROW, Sidney; MCADAM, Doug. Mapeando a política conflitiva.Lua Nova, n. 75, p. 11-48, 2009.

VEJA e leia o pronunciamento na TV da presidente Dilma Rousseff. G1, Brasília, 21jun. 2013. Disponível em: < http://g1.globo.com/politica/noticia/2013/06/veja-e-leiao-pronunciamento-na-tv-da-presidente-dilma-rousseff.html>. Acesso em:WACQUANT, Loïc. As prisões da miséria. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2018v23n2p160

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International