Maio-junho de 1968 na França o epicentro de uma crise de hegemonia (parte I)

Alain Bihr

Resumo


Neste artigo, o autor reexamina a história de um ciclo de lutas sociais, políticas e culturais como epicentro da crise de hegemonia. Na base das principais radicalizações políticas estudantis, operárias e dos novos movimentos sociais do maio-junho de 1968, ainda estão as lutas de classes, com tudo o que têm de indeterminado a priori, na medida em que resultam da evolução das correlações de forças cujos protagonistas não podem dominar ou prever. Se, em tal história, tudo não é possível, também nada é escrito com antecedência. Conseqüentemente, não era necessário que esta história terminasse como (provisoriamente) se concluiu. Na França, como em outros lugares, a História continua.


Palavras-chave


Hegemonia; Lutas proletárias; Classes sociais.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2007v12n2p19

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

ISSN: 1414-0543

EISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br