Leituras de um Brasil em mudança: cientistas sociais, conjuntura política e a democracia brasileira

Fernando Perlatto, Diogo Tourino de Sousa

Resumo


Este artigo objetiva refletir sobre o “retorno” do interesse dos cientistas sociais brasileiros pelas análises de conjuntura ocorrido nos últimos anos. Busca-se, em um primeiro momento, examinar as características que definem uma análise de conjuntura. Em seguida, objetiva-se analisar de que maneira as ciências sociais brasileiras – em especial, a sociologia e a ciência política – historicamente interpretaram as análises de conjuntura, com o intuito de demonstrar o distanciamento que ocorreu, ao longo das décadas de 1990 e 2000, em relação a este tipo de abordagem. Por fim, busca-se analisar o “retorno” do interesse dos cientistas sociais pelas análises de conjuntura, relacionando este movimento às transformações e às crises políticas e sociais que ocorreram no país ao longo dos últimos anos.


Palavras-chave


cientistas sociais; interpretação do Brasil; conjuntura política; democracia

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, José Eustáquio Diniz. Análise de conjuntura: teoria e método. 2008. Disponível em: . Acesso em: 1 ago. 2017.

CRUZ, Sebastião Carlos Velasco e. Teoria e método na análise de conjuntura. Educação e Sociedade, Campinas, v. 21, n. 72, p. 145-152, ago. 2000.

FERNANDES, Florestan. Sociologia numa Era de Revolução Social. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.

HOBSBAWM, Eric. Era dos extremos: o breve século XX, 1914-1991. Tradução Marcos Santana. Revisão técnica Maria Célia Paoli. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

LAHUERTA, Milton. Intelectuais e resistência democrática: vida acadêmica, marxismo e política no Brasil. Cadernos Arquivo Edgard Leuenroth, Campinas, v. 14/15, n. 8, p. 53-95. 2001. (Cadernos Tempo de Ditadura).

LESSA, Renato. O campo da ciência política no Brasil: uma aproximação construtivista. In: ______ (Org.). Horizonte das ciências sociais no Brasil: ciência política. São Paulo: ANPOCS, 2010. p. 13-49.

PECAULT, Daniel. Os intelectuais e a política no Brasil: entre o povo e a nação. São Paulo: Ática, 1990.

PERLATTO, Fernando. A imaginação sociológica brasileira: a sociologia no Brasil e sua vocação pública. Curitiba: CRV, 2016.

PERLATTO, Fernando. Decifrando o governo Lula: interpretações sobre o Brasil contemporâneo. Revista de Ciências Humanas, Viçosa, v. 15, p. 256-272, jan./jun. 2015.

PERLATTO, Fernando; SOUSA, Diogo Tourino. Intelectuais, pensamento social e os embates sobre a interpretação do Brasil. Locus, Juiz de Fora, v. 30, p. 29-45. 2010.

SORJ, Bernardo. A construção intelectual do Brasil contemporâneo: da resistência à ditadura ao governo FHC. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

VIANNA, Luiz Werneck. A institucionalização das ciências sociais e reforma social: do pensamento social à agenda americana de pesquisa. In: ______. A revolução passiva: iberismo e americanismo no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 2004. p. 195-242.

VIANNA, Luiz Werneck. Ator, tempo e processo de longa duração em análises de conjuntura. In: ______. De um plano Collor a outro: estudo de conjuntura. Rio de Janeiro: Revan, 1991. p. 125-169.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2018v23n2p256

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International