Hannah Arendt contra as tiranias do bem e da verdade na política

Jean Gabriel Castro da Costa, Lara Bethânia Zilio

Resumo


A partir de trabalhos recentes que destacam os elementos trágicos do pensamento de Hannah Arendt, procuramos mostrar que a reflexão de Nietzsche sobre o niilismo tem um papel relevante na crítica de Arendt à tradição da filosofia política. Em seguida, analisamos duas características da tradição que para Arendt seriam particularmente nocivas para a política: a tirania da verdade e a desmedida do Bem.

Palavras-chave


Arendt; Tragédia; Agonismo democrático; Crítica à tradição da filosofia política

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah. The Jew as Pariah: Jewish identity and politics in the modern age. Editado por Ron H. Feldman. Nova York: Grove Press, 1978.

ARENDT, Hannah. Origens do Totalitarismo. Tradução de Roberto Raposo. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

ARENDT, Hannah. Responsabilidade e julgamento. Tradução de Rosaura Einchenberg. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

ARENDT, Hannah. Diario Filosófico 1950-1973. Editado por Ursula Ludz e Ingeborg Nordmann. Traducido por Raúl Gabás. Barcelona: Herder, 2006.

ARENDT, Hannah. O que é Política? Tradução de Reinaldo Guarany. 7. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

ARENDT, Hannah. Compreender: formação, exílio e totalitarismo (ensaios) 1930-1954. Tradução de Denise Bothman; Organização, introdução e notas Jerome Kohn. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

ARENDT, Hannah. A promessa da política. Tradução de Pedro Jorgensen Jr. Rev. téc. E. Jardim. 2. ed. p. 45-84. Rio de Janeiro: DIFEL, 2009.

ARENDT, Hannah. A condição humana. Tradução de Roberto Raposo. 11. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

ARENDT, Hannah. Sobre Hannah Arendt. Entrevista com Arendt traduzida por Adriano Correia. Em: Inquietude, Goiânia, v. 1, n. 2, p. 123-162 ago/dez, 2010a.

ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. Tradução de Mauro W. Barbosa de Almeida 7. ed. São Paulo: Perspectiva, 2011a.

ARENDT, Hannah. Sobre a Revolução. Tradução de Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 2011b.

ARENDT, Hannah. A vida do espírito: o pensar, o querer, o julgar. Tradução de Antônio Abranches, César Augusto R. de Almeida e Helena Martins. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

ARENDT, Hannah; JASPERS, K. Correspondence, 1926-1969. Edited by Lotte Kohler and Hans Staner. Translated from german by Robert and Rita Kimber. Orlando: Harcourt Brace & Company, 1992.

ARISTÓTELES. Arte Poética. In: A Poética Clássica. Aristóteles, Horácio e Longino. Tradução de Jaime Bruna. Cultrix, 2005, p. 19-54.

BENHABIB, Seyla. Introduction: The Democratic Moment and the Problem of Difference. In: DEMOCRACY and Difference: Contesting the Boundaries of the Political. Princeton: Princeton University Press, 1996, p. 3-18.

CORREIA, Adriano. Sobre o trágico na ação: Arendt (e Nietzsche). O que nos faz pensar, vol. 20, n. 29, p. 59-74, 2011.

DOSTOIÉVSKI, Fiódor. Os Irmãos Karamázov. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Ed. 34, 2008.

DUARTE, André. O pensamento à sombra da ruptura: política e filosofia em Hannah Arendt. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

EURÍPIDES. As Bacantes de Eurípides. Tradução de Trajano Vieira. Sao Paulo: Perspectiva, 2003.

HONIG, Bonnie. Political theory and the displacement of politics. Ithaca: Cornell University Press, 1993a.

HONIG, Bonnie. The Politics of Agonism: a Critical Response to ‘Beyond Good and Evil: Arendt, Nietzsche, and the Aestheticization of Political Action’ by Dana R. Villa. Political Theory, v. 21, n. 3, p. 528-533, 1993b.

HEIDEGGER, Martin. Nietzsche. São Paulo: Forense Universitária, 2014.

JASPERS, Karl. Introdução à filosofia de Nietzsche. São Paulo: Forense Universitária, 2015.

KATEB, George. Hannah Arendt: politics, conscience, evil. Oxford: Martin Robertson, 1984.

KAUFMANN, Walter. Philosophy and Tragedy. Princeton University Press, (1968), 1992.

LESKY, Albin. A Tragédia Grega. São Paulo: Ed. Perspectiva, 2006.

MARCHART, Oliver. Post-Foundational Political Thought: political difference in Nancy, Lefort, Badiou and Laclau. Edinburgh: Edinburgh University Press, 2007.

MARTON, Scarlett. Voltas e viravoltas. Acerca da recepção de Nietzsche na França. In: MARTON, S. (org.). Nietzsche, um ‘francês’ entre franceses. São Paulo: Editora Barcarolla/Discurso Editorial, 2009, p. 13-52.

MÜLLER-LAUTER, Wolfgang. Nietzsche: sua filosofia dos antagonismos e os antagonismos de sua filosofia. São Paulo: Unifesp, 2009.

NIETZSCHE, Friedrich. Genealogia da moral: uma polêmica. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

NIETZSCHE, Friedrich. O Caso Wagner: um problema para músicos / Nietzsche contra Wagner: dossiê de um psicólogo. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

NIETZSCHE, Friedrich. Aurora. São Paulo: Ed. Companhia das Letras, 2004.

NIETZSCHE, Friedrich. Humano, Demasiado Humano. São Paulo: Companhia das Letras, 2005a.

NIETZSCHE, Friedrich. Gaia Ciência. São Paulo: Companhia das Letras, 2005b.

NIETZSCHE, Friedrich. Além do Bem e do Mal: prelúdio a uma filosofia do futuro. São Paulo: Ed. Companhia das Letras, 2005c.

NIETZSCHE, Friedrich. O Crepúsculo dos Ídolos. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

NIETZSCHE, Friedrich. O Anticristo e Ditirambos de Dionísio. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

NIETZSCHE, Friedrich. A Vontade de Poder. Rio de Janeiro: Contraponto, 2008.

NIETZSCHE, Friedrich. Assim Falou Zaratustra. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

NIETZSCHE, Friedrich. Humano, Demasiado Humano II. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

PAREKH, Bhikhu. Hannah Arendt and the earch for a New Political Philosophy. Londres: Macmillan, 1981.

PITKIN, Hanna Fenichel. Justice: on relating private and public. Political Theory, 9, n. 3, p. 327-352, 1981.

PLATÃO. A República. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

ROODT, Vasti. Nietzsche and/or Arendt? In: SIEMENS, H (ed). Nietzsche, Power and Politics. Berlin: Walter de Gruyter, 2008. p. 411-430.

SCHOEMAN, Marinus. Overcoming Resentment. Remarks on the Supra-Moral Ethic of Nietzsche and Hannah Arendt. In: SIEMENS, H (ed). Nietzsche, Power and Politics. Berlin: Walter de Gruyter, 2008. p.431-449.

SCHRIFT, Alan D. Nietzsche French Legacy: a genealogy of poststructuralism. New York: Routledge, 1995.

SIEMENS, Herman. Action, Performance and Freedom in Hannah Arendt and Friedrich Nietzsche. International Studies in Philosophy, v. 37, n. 3, p. 107-126, 2005.

SÓFOCLES. Ájax. Três tragédias gregas. Tradução de Trajano Vieira. São Paulo: Perspectiva, 1997.

STEINER, George. A morte da tragédia. São Paulo: Ed. Perspectiva, 2006.

STRAUSS, Leo. Studies in Platonic Political Philosophy. Chicago: The University of Chicago Press, 1983.

STRAUSS, Leo. Perseguição e a arte de escrever. São Paulo: É Realizações, 2015.

STRAUSS, Leo. Introdução à Filosofia Política: dez ensaios. São Paulo: É Realizações, 2016.

THIBODEAU, Martin. Hegel e a Tragédia Grega. São Paulo: É Realizações, 2015.

TULLY, James. Public Philosophy in a New Key. Cambridge: Cambridge University Press, 2008. v. 1: Democracy and Civic Freedom. (Ideas in Context Book, 93).

VERNANT, Jean Pierre. Entre Mito e Política. Tradução de Cristina Murachco. São Paulo: Edusp, 2001.

VILLA, Dana R. Beyond Good and Evil: Arendt, Nietzsche, and the Aestheticization of Political Action. Political Theory, v. 20, n. 2, p. 274-308, 1992.

VILLA, Dana R. Introduction. In: VILLA, Dana R. (ed.). The Cambridge Companion to Hannah Arendt. Cambridge: Cambridge University Press, 2006, p. 1-21.

VILLA, Dana R. How ‘Nietzschean’ was Arendt? In: SIEMENS, Herman; ROODT, Vasti. (ed.). Nietzsche, power and politics: Rethinking Nietzsche’s legacy for political thought. Berlim: Nova York: Walter de Gruyter, 2008, p. 395-409.

WENMAN, Mark. Agonistic Democracy: Constituent Power in the Era of Globalisation. Cambridge: Cambridge University Press, 2015.

WOLIN, Sheldon. Hannah Arendt: Democracy and the Political. In: GARNER, Reuben. (ed.). The Realm of Humanitas: responses to the writings of Hannah Arendt. Nova York: Peter Lang, 1990. p. 167-86.

ZILIO, Lara Bethânia. O agonismo no pensamento político de Hannah Arendt. 2014. Dissertação (Mestrado em Sociologia Política) - Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, Santa Catarina, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2018v23n3p404

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International