Solteira, sem filhos: menos que meia pessoa?

Eliane Gonçalves

Resumo


O não-casamento tem marcado a existência de mulheres em diferentes épocas e lugares. Exceto em contextos específicos de estímulo ao celibato, esta “condição” tem sido recorrentemente representada como falta essencial, anomalia social, jamais um caminho escolhido ou projeto de vida que pode ser vivido positivamente. Sob a lógica do familismo, que pressupõe o casamento e maternidade como lugares privilegiados de saúde e felicidade, a mulher não casada e não mãe é percebida como egoísta, solitária, infeliz, frustrada e insatisfeita, beirando à aberração. Neste artigo reflito sobre a relação entre maternidade como escolha e as convenções sociais ou normas de gênero que reputam as solteiras como menos que meia pessoa na escala de status social. O artigo é baseado em pesquisa realizada em uma metrópole brasileira nos anos 2000.

Palavras-chave


Gênero, maternidade, teoria social, família, feminismo.

Texto completo:

PDF

Referências


BARRET, Michele and MACINTOSH, Mary. The anti-social family. London, Verso, 1991 [1983].

BERNARDES, Tati. Legal, mas e o filho? Disponível em http://www1.folha.uol.com.br/colunas/tatibernardi/2016/02/1743485-legal-mas-e-o-filho.shtml. Acesso em 27/02/2016.

BOTT, Elizabeth. Família e Rede Social. Rio de Janeiro, Francisco Alves, 1976.

BOURDIEU, Pierre. Estruturas, habitus, práticas. In: ___. O senso prático. São Paulo: Vozes, 2009.

BOURDIEU, Pierre. Gosto de classe e estilos de vida. In: ORTIZ, Renato. (org.) A sociologia de Pierre Bourdieu. São Paulo, Olho D’Água, 2003, pp.73-111.

CORREA, Sônia & PETCHESKY, Rosalind. Reproductive and Social Rights: A Feminist Perspective. In: SEN, Gita, GERMAIN, Adrienne and CHEN, Lincoln C.n (eds.) Population Polices Reconsidered: Health, Empowerment and Rights. Cambridge, Harvard University Press, 1994, p.107-123.

DE BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1980 [1949].

DIETZ, Mary G. Current Controversies in Feminist Theory. Annual Review of Political Science. (6), 2003, p.399-431

DURHAM, Eunice. Família e reprodução humana. In: FRANCHETO, Bruna, CAVALCANTI, Maria Laura V.C. e HEILBORN, Maria Luisa. (Orgs.) Perspectivas Antropológicas da Mulher. Rio de Janeiro, Zahar Editores, 1983, p.13-45.

ELSTHAIN, Jean Bethke. Feminism, Family and Community. In: FRIEDMAN, Marilyn and WEISS, Penny A. (eds.) Feminism and Community. Philadelphia, Temple University Press, 1995, p.259-272.

FIRESTONE, Shulamith. A dialética do sexo. Rio de Janeiro, Laboral do Brasil, 1976.

FONSECA, Claudia. Solteironas de fino trato: reflexões em torno do não-casamento entre pequeno-burguesas no início do século. Revista Brasileira de História (18), 1989, p.99-120.

FOUCAULT, Michel. Friendship as way of life. In: RABINOW, Paul. (ed.) Michel Foucault: Ethics, subjectivity and truth. Essential Works of Michel Foucault. Vol. 1. New York, The New Press, 1997, p. 135-140.

GIDDENS, Anthony. Modernidade e Identidade. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 2002.

GONÇALVES, Eliane. Vidas no singular: noções sobre mulheres ‘sós’ no Brasil contemporâneo. Campinas: IFCH/Unicamp, 2007. Tese de doutorado.

GORDON, Tuula. Single Women: on the margins? New York University Press, 1994.

HALL, Elaine J. and RODRIGUEZ, Marnie Salupo. The Myth of Postfeminism. Gender and Society (17), 2003, p. 878-902. Disponível em http://gas.sagepub.com/content/17/6/878. Acesso em outubro de 2011.

HERITIÉR, Françoise. Masculino/Feminino II: disolver la jeraquía. Buenos Aires: Fondo de Cultura Argentina, 2007.

HERITIÉR, Françoise. Masculino/Feminino: o pensamento da diferença. Lisboa, Instituto Piaget, 1996.

HIRD, Myra J. Vacant Wombs: feminist challenges to psychoanalytic theories of childless women. Feminist Review (75) – BRAH, Avtar, CROWLEY Helen and PUWAR, Nirmal. (eds.) Identities –, 2003, p.5-19.

HOLDEN, Katherine. Nature takes no notice of morality: singleness and married love in interwar Britain. Women’s History Review, vol. 11 (3), 2002, p.481-503.

KERGOAT, Daniele. Consubstancialidade das relações sociais. Novos Estudos (84), 2010, p.93-103

LASCH, Christopher. Refúgio num mundo sem coração. São Paulo, Paz e Terra, 1991.

LÉVI-STRAUSS, Claude. A Família. In: LEVI-STRAUSS, GOUGH & SPIRO. A Família, origem e evolução. Porto Alegre, Vila Marta, 1980, p.7-47.

MIGUEL, Luis Felipe; BIROLI, Flávia (Orgs). Teoria política feminista, hoje. In: __.Teoria Política Feminista, textos centrais. São Paulo: Horizonte, 2013, p.7-54.

RAMIREZ-GÁLVEZ Martha Célia. Novas tecnologias reprodutivas conceptivas: fabricando a vida, fabricando o futuro. Tese de Doutorado em Ciências Sociais, IFCH/ Unicamp, 2003.

REIS, Ana Regina Gomes dos. Do segundo sexo à segunda onda: discursos feministas sobre maternidade. Salvador, BA: PPGE/NEIM/UFBA, dissertação de mestrado, 2008, 142f.

RICH, Adrienne. Compulsory heterossexuality. In: Signs - Journal of women in culture and society, vol. 5, nº 4. Chicago: The University of Chicago Press, 1980, p.631-660.

SALEM, Tania. (1987). Sobre o “Casal Grávido”: Incursão em um Universo Ético. Rio de Janeiro, PPGAS/Museu Nacional/UFRJ. Tese de Doutorado.

SCAVONE, Lucila. A maternidade e o feminismo. Cadernos Pagu (16) 2001, p. 137- 150.

SHULMAN, Alix Kates. Sex and Power: sexual bases of radical feminism. Signs - Journal of women in culture and society, vol. 5 n. 4. Chicago: The University of Chicago, 1980, p.590-604.

SIMPSON, Roona. Contemporary spinsterhood in Britain: gender, partnership status and social change. Thesis submitted for the PhD degree, University of London, 2005.

STACEY, Judith. Are women afraid to leave home? In: MITCHEL, Juliet. &

OAKLEY, Ann. What is Feminism? Oxford-UK, Blackwell Publishers, 1986, p. 208- 237.

TAIN, Laurence. Um filho quando eu quiser? O caso da França contemporânea. Florianópolis: Estudos Feministas, 13(1,) janeiro-abril/2005, p. 53-67.

TRIMBERGER, Kay E. The new singlewomen. Boston: Beacon Press, 2005. VELHO, Gilberto. Individualismo e Cultura. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 1999 [1981].




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2017v22n2p479

Direitos autorais 2020 Mediações - Revista de Ciências Sociais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International