Remoções forçadas de grupos indígenas no Brasil Republicano

Edilene Coffaci de Lima, Jorge Eremites de Oliveira

Resumo


Em 2017 completam-se 50 anos da conclusão do Relatório Figueiredo, um extenso conjunto documental produzido durante o regime militar (1964-1985) pelo procurador Jader Figueiredo Correia, em atenção ao pedido do ministro do Interior, general Afonso Augusto de Albuquerque Lima. Nesta importantíssima fonte para diversos tipos de pesquisa constam, cruamente expostos, vários relatos de ações genocidas promovidas contra comunidades indígenas. São atividades que marcam profundamente a história recente do Brasil, sobretudo a política indigenista oficial em parte do período republicano. Todos os tomos do Relatório ultrapassam a 7 mil páginas, nas quais plasmam relatos de massacres, esbulhos, arrendamentos ilícitos de terras, intimidações, ameaças, torturas, envenenamentos, estupros, assassinatos, trabalho escravo, fraudes e roubos do patrimônio indígena, dentre outras formas de violência promovida contra os povos originários. Os crimes aconteceram em todo o território nacional, de Norte a Sul, e os fatos revelam muito sobre a origem da propriedade privada da terra em vastas extensões do Brasil e o enriquecimento de certas elites locais.

Texto completo:

PDF

Referências


Albert, Bruce. 1991. “Terras indígenas, política ambiental e geopolítica militar no desenvolvimento da Amazônia: a propósito do caso yanomami”, Museu Paraense Emílio Goeldi, Belém, pp. 37-58. (Col. Eduardo Galvão)

Baines, Stephen (1991). “É a FUNAI que sabe»: a frente de atração waimiri-atroari. Belém: Museu Emílio Goeldi (Col. Eduardo Galvão).

CNV. (2014). Violação dos direitos humanos dos povos indígenas. In. Relatório da Comissão Nacional da Verdade. Brasília, v. 2, p. 197-256.

Davis, Shelton (1978). Vítimas do milagre. O desenvolvimento e os índios do Brasil. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

EDILENE C. DE LIMA | JORGE E. DE OLIVEIRA | Remoções forçadas de grupos indígenas 23 Dutra, Carlos Alberto. 2004. O território ofaié pelos caminhos da história. Reencontro e trajetória de um povo. Dissertação de Mestrado (História), UFMS (campus de Dourados).

Leirner, Piero (1995). “O exército e a questão amazônica”, Estudos históricos, 8 (15): 119132.

Lima, Edilene Coffaci e Pacheco, Rafael (2017). “Justiça de transição e povos indígenas: reflexões a partir do caso Xetá”, Aracê. Revista de Direitos Humanos, 4: 219-241.

Mamed, Danielle; Caleiro, Manuel e Bergold, Raul. Os Avá-Guarani no Oeste do Paraná: (Re)Existência em Tekoha Guasu Guavira. Curitiba: Letra da Lei, 2016.

Morais, Bruno Martins (2017). Crônicas da territorialidade Kaiowá e Guarani nas adjacências da morte. São Paulo: Elefante.

Oliveira, Frederico C. B. (2012). Quando resistir é habitar: lutas pela afirmação territorial dos Kaiabi no baixo Teles Pires. Brasília: Paralelo 15.

Silva, José Afonso. “Parecer”, ms, 2015. Disponível a partir de goo.gl/JXA2On . Consultado em 14 de nov de 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2017v22n2p13

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International