Mulheres à esquerda e à direita: carreiras políticas e partidos políticos

Roberta Carnelos Resende, Sara Epitácio

Resumo


O objetivo do artigo é identificar os perfis socioeconômicos e políticos das deputadas federais eleitas em 2014. Pretende-se responder às seguintes questões: Quais os partidos que conseguiram eleger mulheres? Existem diferenças significativas quando considerados o espectro ideológico? Como se deu a distribuição destas parlamentares nas Unidades Federativas? Qual o perfil das eleitas em relação à escolaridade, idade e profissão? De que forma o tempo de filiação partidária se relaciona às mulheres dos diferentes partidos?  Possuir relações de parentesco com políticos estabelecidos é uma característica importante neste grupo? Nossa hipótese principal corrobora a tese já consagrada na literatura de que os parlamentares de partidos de esquerda percorrem uma trajetória longeva dentro de um mesmo partido, e que para conquistar um cargo eletivo como de deputado federal, estes políticos passam antes por outros cargos, tais como vereadores, deputados estaduais e, por vezes, prefeitos (SANTOS E SIERNA, 2007; MIGUEL, 2003). Por outro lado, nos partidos de centro e direita é possível observar a utilização de atalhos, tais como capital político acumulado por outros indivíduos e compartilhado mediante relações de parentesco, de modo que a conquista do cargo ocorre de maneira precoce.

Palavras-chave


Mulheres; Partidos; Carreira Política.

Texto completo:

PDF

Referências


BRAGA, S (2012). “Democracia e organização nos partidos políticos: revisitando os microfundamentos de Michels”. Revista de Sociologia e Política v. 20, nº 44: 83- 95 nov. 2012. Disponível em: . Acesso em: 10/dez/2015.

BRAGA, S. S. (1998). “Quem foi quem na Assembléia Nacional Constituinte de 1946 : um perfil socioeconômico e regional da Constituinte de 1946”. Brasília: Câmara dos Deputados, Coordenação de Publicações.

BOURDIEU, P. (1986). “A representação política. Elementos para uma teoria do campo político”. In: O poder simbólico. Lisboa : Difel. DUVERGER, M. (1980). “Os partidos políticos”. São Paulo, Zahar.

KATZ, R.; MAIR, P. (1995). Changing models of party organization and party democracy: the emergence of the carte party. Party Politics, n. 1, vol. 1.

KIRCHHEIMER, O (2012). “A transformação dos sistemas partidários da Europa Ocidental. Tradução Paulo Peres”. Revista Brasileira de Ciência Política, nº7. Brasília, janeiro-abril de 2012, pp.349-385.

KRAUSE, S., DANTAS, H., MIGUEL, L. F. orgs. (2010). “Coligações partidárias na nova democracia brasileira: perfis e tendências”. Rio de Janeiro: Fund. Konrad Adenauer; São Paulo: UNESP.

MAINWARING, Scott; MENEGUELLO, Rachel & POWER, Timothy. (2000), Partidos conservadores no Brasil contemporâneo. São Paulo, Paz e Terra.

MAINWARING, S. “Sistemas partidários em novas democracias: o caso do Brasil”. Rio de Janeiro: FGV, 2001.

MICHELS, R. (1982). “Sociologia dos Partidos Políticos”. Brasília: UnB.

MIGUEL, L. F. (2003). “Capital Político e Carreira Eleitoral: Algumas Variáveis na Eleição para o Congresso Brasileiro”. Revista de Sociologia e Política, no 20, pp. 115- 134.

NUNES, E. O (2010). “A gramática política do Brasil: clientelismo, corporativismo e insulamento burocrático”. Rio de Janeiro. 4ª Ed. Garamond.

OLIVEIRA, R. C. (2001). “O Silêncio dos Vencedores: Genealogia, Classe Dominante e Estado no Paraná”. 1. ed. Curitiba: Moinho do Verbo, v. 1. 482p .

OLIVEIRA, R. C. (2012). “Na Teia do Nepotismo: Sociologia Política das Relações de Parentesco e Poder Político no Brasil”. 1. ed. Curitiba: Insight, 272p .

PANEBIANCO, A. (2005). “Modelos de partido: organização e poder nos partidos políticos”. São Paulo: Martins Fontes.

RESENDE, Roberta Carnelos (2009). “Gênero, performance eleitoral e perfil: uma análise da Assembleia Legislativa do Paraná (1998-2006)”. Dissertação de Mestrado apresentada ao programa de Sociologia da Universidade Federal do Paraná.

RODRIGUES, L. M. (2002). “Partidos, Ideologia e Composição Social”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 17, n. 48, fevereiro/2002, p. 31-48.

SANTOS, A. M.; SERNA, M. (2007). “Por que carreiras políticas na esquerda e na direita não são iguais? Recrutamento legislativo em Brasil, Chile e Uruguai”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 22, n. 64, p. 93-194.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2017v22n1p350

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International