Sobre o secularismo contemporâneo: um estudo de caso português no período democrático (pós-1974)

Jorge Botelho Moniz

Resumo


O nosso artigo visa analisar as diferentes dimensões e os vários contornos do secularismo contemporâneo. Situamos o nosso marco teórico na perspetiva dos múltiplos secularismos de Alfred Stepan e das análises sensíveis aos diferentes contextos políticos, sociais e religiosos de Rajeev Bhargava. Para tal, delimitamos a nossa investigação às relações entre o Estado português e as igrejas e comunidades religiosas no período pós 1974. Ao examinarmos o seu padrão democrático de relação Estado-Igreja, nomeadamente através da observação dos mecanismos de apoio financeiro estabelecidos, procuramos entender em qual dos atuais modelos de secularismo Portugal se enquadra. O fato de este ser um estudo de caso controvertido, onde existe um modelo de separação com cooperação entre Estado e Igreja e, por consequência, um espírito de diálogo, negociação e de permanentes (re)definições do espaço público e simbólico de ambos, com particular destaque para uma religião específica, ajuda-nos a compreender o quão ambíguas e plásticas podem ser as fronteiras do secularismo moderno.

Palavras-chave


Portugal; Democracia; Múltiplos secularismos

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, D. João. Revisão da concordata de 1940: algumas notas. In: GOMES, M. S. C. (Coord.). Estudos sobre a nova concordata: Santa Sé – República Portuguesa, 18 de maio de 2004. Lisboa: Universidade Católica, 2007. p. 29-37. (Lusitania Canónica, 11).

ASAD, Talal. Formations of the secular: christianity, islam, modernity. Stanford: Stanford University Press, 2003.

AZEVEDO, Carlos Moreira. Momentos e temas em confronto nas relações igreja estado em Portugal. In: GOMES, Manuel Saturnino Costa (Coord.). Relações igreja estado em Portugal: desde a vigência da concordata de 1940. Actas das X Jornadas de Direito Canónico. Lisboa: Universidade Católica, 2002. p. 9-30.

BHARGAVA, Rajeev. Multiple secularism and multiple secular states. In: BERGSØRENSEN, Anders (Ed.). Contesting secularism: comparative perspectives. Nova Iorque: Routledge, 2013.

BHARGAVA, Rajeev. Rehabilitating secularism. In: CALHOUN, Craig; JUERGENSMEYER, Mark; VAN ANTWERPEN, Jonathan (Ed.). Rethinking secularism. Nova Iorque: Oxford University Press, 2011. p. ini-fin.

BRITO, José de Sousa. Convenantal and non-convenantal cooperation between state and religion in Portugal. In: PUZA, R.; DOE, N. (Ed.). Religion and law in dialogue: convenantal and nonconvenantal cooperation between state and religion in europe. Proceedings of the Conference Tubingen. Dudley: Peeters, 2006. p. 155- 164.

BRITO, José de Sousa. Le financement des communautés religieuses au Portugal. In: BASDEVANT-GAUDEMET, B.; BERLINGÒ, S. (Ed.). The financing of religious communities in the European Union. Trier: Institute for European Constitutional Law, 2009. p. 287-294.

CADY, Linell; HURD, Elizabeth Shakman. Comparative secularism and the politics of modernity: an introduction. In: CADY, Linell E.; HURD, Elizabeth Shakman (Ed.). Comparative secularism in a global age. Nova Iorque: Palgrave Macmillan, 2010. p. 3-24.

CANAS, Vitalino. État et églises au Portugal. In: ROBBERS, Gerhard (Ed.). État et églises dans l’union europeenne. 2. ed. Trier: Institute for European Constitutional Law, 2008. p. 470-500.

CARVALHO, António. As igrejas e o estado em Portugal. CURSOS INTERNACIONAIS DE VERÃO DE CASCAIS, 9., 2003, Cascais. Actas... Cascais: Câmara Municipal de Cascais, 2003. v. 3.

CASANOVA, José. Public religions revisited. In: VRIES, Hent (Ed.). Religion: beyond a concept. Nova Iorque: Fordham University Press, 2008. p. 101-119.

CASANOVA, J. The secular, secularizations, secularisms. In: CALHOUN, Craig; JUERGENSMEYER, M.; VAN ANTWERPEN, J. (Ed.). Rethinking secularism. Nova Iorque: Oxford University Press, 2011. p. 54-74.

CATROGA, Fernando. Entre deuses e césares: secularização, laicidade e religião civil. Coimbra: Almedina, 2006.

CHAPLIN, Jonathan. Talking god: the legitimacy of religious public reasoning. Londres: Theos, 2008.

DOBBELAERE, Karel. Secularization an analysis at three levels. 2. ed. Bruxelas: PIE – Peter Lang, 2004.

EISENSTADT, Shmuel. Multiple modernities. Daedalus, Cambridge, v. 129, n. 1, p. 1-30, 2000.

FOX, Jonathan. Political secularism, religion and the state: a time series analysis of worldwide data. Cambridge: Cambridge University Press, 2015.

GAMA, Jaime. Prefácio. In: UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA. Estudos sobre a nova concordata. Lisboa, 2006. Disponível em: http://www.uceditora.ucp.pt/resources/Documentos/UCEditora/Indices/2008/ESTUDOS%20SOBRE%20A%20NOVA%20CONCORDATA.pdf. Acesso em: 12 jul. 2016.

GANZEVORRT, Ruard. Preface. In: TOPIC, Martina; SREMA, Sremac (Ed.). Europe as a multiple modernity: multiplicity of religious identities and belonging. Cambridge: Cambridge Scholars Publishing, 2014. p. 8-10

HURD, Elizabeth Shakman. The politics of secularism in international relations. Nova Jérsia: Princeton University Press, 2008.

JARDIM, José Vera. Uma concordata do concílio e do estado democrático. In: GOMES, M. S. C. (Coord.), Estudos sobre a nova concordata: Santa Sé – República Portuguesa, 18 maio 2004. Lisboa: Universidade Católica, 2007. p. 49-57. (Lusitania Canónica, 11),

LEITE, António. Acordos entre a Santa Sé e Portugal anteriores à concordata de 1940. In: UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA (Ed.). A concordata de 1940, Portugal – Santa Sé. Lisboa: Edições Didaskalia, 1993. p. 11-27. (Fundamenta, 10).

LOPES, José Almeida. A concordata de 1940 entre Portugal e a Santa Sé na lei da liberdade religiosa de 2001. In: GOMES, M. S. C. (Coord.). Relações igreja-estado em Portugal: desde a vigência da concordata de 1940. Lisboa: Universidade Católica, 2002. p. 57-112. (Lusitania Canónica, 8).

MADAN, Triloki Nath. Secularism in its place. The Journal of Asian Studies, Cambridge, v. 46, n. 4, p. 747-759, 1987.

MAIA, Lino. Caridade e solidariedade, papel dos cristãos numa sociedade mais solidária. In: CONFERÊNCIA NACIONAL DAS INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE, SEMANA SOCIAL: ESTADO SOCIAL E SOCIEDADE SOLIDÁRIA, 2012, Porto. Anais... Porto, 2012. Disponível em: http://novo.cnis.pt/. Acesso em: 12 jul. 2016.

MANUEL, P. C.; MOTT, M. The latin european church: une messe est possible. In: MANUEL, P. C.; REARDON, L. C.; WILCOX, C. (Ed.). The catholic church and the nation-state. Washington: Georgetown University Press, 2006. p. 53-68.

MARTIN, David. On secularization: toward a revised general theory. Burlington: Ashgate, 2005.

MATOS, Luís Salgado. Para uma tipologia do relacionamento entre o estado e a igreja”. In: FERREIRA, António Matos; MATOS, Luís Salgado (Org.). Interações do estado e das igrejas: homens e instituições. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2013. p. 25-106.

MIRANDA, Jorge. A concordata e a ordem constitucional portuguesa. In: UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA (Ed.). A concordata de 1940, Portugal – Santa Sé. Lisboa: Edições Didaskalia, 1993. p. 67-84. (Fundamenta, 10).

MIRANDA, Jorge. A constituição e a concordata: brevíssima nota. In: GOMES, M. S. C. (Coord.). Estudos sobre a nova concordata: Santa Sé – República Portuguesa, 18 de maio de 2004. Lisboa: Universidade Católica, 2007. p. 101-112. (Lusitania Canónica, 11).

MIRANDA, J. Liberdade religiosa, igrejas e estado em Portugal. Nação e Defesa, Portugal, v. 11, n. 39, p. 119-136, 1986.

MIRANDA, J.; MEDEIROS, R. Constituição Portuguesa Anotada, Tomo I: introdução geral e preâmbulo, artigos 1º a 79º. 2. ed. Coimbra: Wolters Kluwer; Coimbra Editora, 2010.

MONIZ, J. B. A secularização na ultramodernidade católica européia: uma proposta de análise contextual e multidimensional do fenômeno da secularização. Em Tese, Florianópolis, v. 13, n. 1, p. 188-219, 2016.

MONIZ, Jorge Botelho. Igreja católica e caridade em Portugal. Do múnus bíblico de ajudar o “outro” à sua indispensabilidade no século XX. Revista Brasileira de História das Religiões, Maringá, v. 7, n. 19, p. 223-256, 2014.

MONIZ, Jorge Botelho. O financiamento público da religião na Europa católica pós-crise. Ius Ecclesiae, Pisa, v. 28, n. 1, p. 79-112, 2016.

TEPAN, Alfred. Religion, democracy and the “twin tolerations”. Journal of Democracy, Baltimore, v. 11, n. 4, p. 37-57, 2000.

SANTOS, Paula Borges. A Segunda separação: a política religiosa do Estado Novo (1933-1974). Coimbra: Edições Almedina, 2016.

STEPAN, Alfred. The multiple secularisms of democratic and non-democratic regimes. In: CALHOUN, Craig; JUERGENSMEYER, Mark; VAN ANTWERPEN, Jonathan (Ed.). Rethinking secularism. Nova Iorque: Oxford University Press, 2011. p. 114-144.

SWATOS, William; CHRISTIANO, Kevin. Secularization theory: the course of a concept. Sociology of Religion, Washington, v. 60, n. 3, p. 209-228, 1999.

TAYLOR, Charles. A secular age. Massachusetts: The Belknap Press of Harvard University Press, 2007.

TEIXEIRA, Alfredo. Identidades religiosas em Portugal: representações, valores e práticas. 2012. Disponível em: http://www.udip.porto.ucp.pt/sites/default/files/ files/UDIP/ Documentos/Sondagem_Abril%202012.pdf. Acesso em: 8 dez. 2016.

TORFS, Rik. Religion and state relationships in europe. Religious Studies Review, Malden, v. 1, n. 4, p. 31-41, 2007.

VILAÇA, Helena. Alguns traços acerca da realidade numérica das minorias religiosas em Portugal, Lusotopie 1999, Paris, p. 277-289, 1997.

VILAÇA, Helena. Da torre de babel às terras prometidas: pluralismo religioso em Portugal. Porto: Edições Afrontamento, 2006. (Coleção Biblioteca das Ciências Sociais).

WOHLRAB-SAHR, Monika; BUCHARDT, Marian, Multiples Secularities: toward a cultural sociology of secular modernities. Comparative Sociology, Toronto, v. 11, p. 875-909, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2016v21n2p169

Direitos autorais 2016 Jorge Botelho Moniz

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International