A cultura política de 68: reflexões sobre a resistência estudantil no Brasil e em Portugal

Pablo Almada

Resumo


Os movimentos estudantis foram consideráveis protagonistas de ações coletivas nos anos 1960, com destaque aos eventos do Maio de 1968. Nesse artigo procura-se repensar 1968 em sua cultura política, que, embora assentada em diversas disjunturas sociais, resulta numa compreensão alargada e descentralizada. Será realizada uma revisão das mobilizações estudantis contra os regimes ditatoriais do Brasil e ao final do Estado Novo em Portugal, no sentido de perceber as dinâmicas de repressão utilizadas para a contenção desses protestos. Em ambos os países, as mobilizações estudantis se distinguiram dos países centrais, seja por suas reivindicações, seja por terem sido permeadas por relações de violência direta ou de violência simbólica. Por fim, entende-se que a resistência estudantil ofereceu elementos de ampliação da cultura política para as duas transições democráticas.

Palavras-chave


Movimento estudantil; Ação coletiva; Resistência; Autoritarismo.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2016v21n2p123

Direitos autorais 2016 Mediações - Revista de Ciências Sociais

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

ISSN: 1414-0543

EISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br


Creative Commons License

 

Todos os artigos científicos publicados em mediacoes@uel.br estão licenciados sob uma Licença Creative Commons