Ministério Público do Trabalho: construção institucional e formação da agenda

Karen Artur

Resumo


Este artigo trata das mudanças organizacionais do Ministério Público do Trabalho
(MPT) relacionadas à concretização do papel de agente atribuído pela Constituição
Federal de 1988. O trabalho propõe que o encurtamento da distância entre a
sociedade e o MPT tem envolvido a construção da legitimidade dos procedimentos e
formas de atuação dos procuradores do trabalho coletivamente informadas. Apesar
de conviver com um ambiente organizacional não propício às ações estratégicas,
a atuação de um grupo dentro do MPT e a mobilização do direito por setores da
sociedade civil têm permitido ações coordenadas, inclusive em outras arenas.


Palavras-chave


Ministério Público do Trabalho; Mudança institucional; Papel de agente; Agenda setting.

Texto completo:

PDF

Referências


ARARAL JUNIOR, Eduardo et al. Routledge handbook of public policy. New York:

Taylor & Francis Book, 2013.

ANDRADE, Alexander Fernandes. Bom senso para nortear o TAC. Valor Econômico,

Rio de Janeiro, 11 jul. 2014.

ARANTES, Rogério Bastos. Ministério Público e política no Brasil. São Paulo: Sumaré

Fapesp, 2002.

ARTUR, K. Direitos humanos e desigualdades: processos políticos, trabalho e justiçadesafios para a saúde do trabalhador. 2014. (Apresentação de Trabalho/Conferência

ou palestra).

BAHIA. Ministério Público do Trabalho. Ações sobre política pública contra trabalho

infantil são competência da justiça trabalhista. Disponível em:

gov.br/informe-se/noticias-do-mpt-go/481-acoes-sobre-politica-publica-contratrabalho-infantil-sao-competencia-da-justica-trabalhista>. Acesso em: 15 dez. 2015.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de

Disponível em:

constituicaocompilado.htm>. Acesso em: 5 maio 2015.

BRASIL. Ministério Público da União. - Coordenadoria Nacional de Erradicação

do Trabalho Escravo – CONAETE. Relatório de Atividades da CONAETE. 2009.

Disponível em:

php?tabela=PDF&IDDOCUMENTO=643 >. Acesso em: 21 jul. 2015.

BRASIL. Ministério Público do Trabalho. Câmara de Coordenação e Revisão. Processo

PGT/CCR/PP/2790/2010: CODEMAT 01.23. 2010. Disponível em:

gov.br/ camaraArquivos/CCR_2790_2010.pdf >. Acesso em: 10 maio 2015.

CARELLI, Rodrigo de Lacerda (Coord.); CASAGRANDE, Cássio Luís; PÉRISSÉ,

Paulo Guilherme Santos. Ministério Público do trabalho e tutela judicial coletiva. Brasília:

ESMPU, 2007.

CNMP - CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. Ministério Público:

um retrato: dados de 2014. Brasília: CNMP, 2015. v. 4

CONCEIÇÃO, Eliane Barbosa. Programa de promoção da igualdade de oportunidade

para todos: experiências de ação afirmativa do Ministério Público do Trabalho (2003-

. 2013. 382 f. Tese (Doutorado em Administração de Empresas) – Escola de

Administração de Empresas de São Paulo, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo.

ENGELMANN, Fabiano. Sociologia do campo jurídico: juristas e usos do direito. Porto

Alegre: Sergio Antonio Fabris, 2006.

ESMPU - ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO. Simpósio

utopia: o Ministério Público do Trabalho e a utopia: os caminhos para a concretização

dos direitos humanos. Brasília: ESMPU, 2015.

FILGUEIRAS, Vitor Araújo. Estado e direito do trabalho no Brasil: regulação do emprego

entre 1988 e 2008. 2012. 481 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) - Faculdade de

Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador. 2012.

FREITAS, Ligia. Barros. A aplicação dos princípios constitucionais pelo

TST nos julgamentos dos trabalhadores canavieiros. In: ENCONTRO DA

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIÊNCIA POLÍTICA, 9., 2014, Brasília. Anais...

Disponível em:

anais/14/1403730978_ARQUIVO_LigiaBarrosdefreitas-textocompleto.pdf>. Acesso

em: 20 ago. 2014.

GILLMAN, Howard. Martin Shapiro and the movement form “Old” to “New”

institutionalist studies in public law scholarship. Annual Review of Political Science,

Palo Alto, v. 7, p. 363-382. 2004.

GILLMAN, Howard. The court as an idea, not a building (or a game): interpretative

institutionalism and the supreme court decision-making. In: GILLMAN, Howard;

CLAYTON, Cornell (Ed.). The supremec court in american politics: new institutionalist

interpretations. Chicago: University of Chicago Press, 1999.

HALL, Peter A.; TAYLOR, Rosemary C. R. As três versões do neo-institucionalismo.

Lua Nova, São Paulo, n. 58, p. 193-223. 2003.

INATOMI, Celly Cook. A atuação do Poder Judiciário nas políticas de erradicação do

trabalho escravo rural no Brasil contemporâneo. 2016. 368 f. Tese (Doutorado em Ciência

Política) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de

Campinas, Campinas. 2016.

JARDIM, Philippe Gomes; LIRA, Ronaldo José. A Codemat em três momentos: o

presente, o passado e o futuro. In: ______. (Coord.). Meio ambiente do trabalho aplicado:

homenagem aos 10 anos da Codemat. São Paulo: Ltr, 2013.

KOERNER, Andrei. Ativismo Judicial? Jurisprudência Constitucional e Política no

STF pós-88. Novos Estudos Cebrap, São Paulo, n. 96, p. 69-85, jul. 2013.

KOERNER, Andrei. Instituições, decisão judicial e análise do pensamento jurídico: o

debate norte-americano. BIB- Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências

Sociais, São Paulo, n. 63, p. 63-86. 2007.

KOERNER, Andrei. Por uma história política do pensamento constitucional

Republicano Brasileiro (1920-1888). In: SEELAENDER, Airton (Org.). Direito e

História: conceitos fundamentais. São Paulo: Malheiros, 2012.

MACIEL, Débora Alves. A atuação do promotor de justiça na defesade direitos

metaindividuais: o uso de procedimentos judiciais e extrajudiciais e a dinâmica de

acesso à Justiça. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓSGRADUAÇÃO E PESQUISA EM CIÊNCIAS SOCIAIS-ANPOCS, 24., 2000. Anais...

São Paulo: ANPOCS, 2000. Disponível em:

php?option=com_docman&task=doc_view&gid=4898&Itemid=357 >. Acesso em: 20

jul. 2015.

MACIEL, Débora Alves. Ministério Público e Sociedade: a gestão dos conflitos

ambientais em São Paulo. 2002. 137 f. Tese (Doutorado em Sociologia) – Faculdade

de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo. 2002.

MACIEL, Débora Alves; KOERNER, Andrei. O processo de reconstrução do

Ministério Público na transição política (1974-1985). Revista Debates, Porto Alegre, v.

, n. 3, p. 98-117. set./dez. 2014.

MACIEL, Débora Alves; KOERNER, Andrei. Sentidos da judicialização da política:

duas análises. Lua Nova, São Paulo, n. 57, p. 113-134. 2002.

McCANN, Michael. Causal versus constitutive explanations (or, on the difficulty of

being so positive…). Law & Society Inquiry, Chicago, v. 21, n. 2, p. 457-482, Apr. 1996.

McCANN, Michael. Litigation and legal mobilization. In: WHITTINGTON, Keith E.;

KELEMEN, R. Daniel; CALDEIRA, Gregory A. (Ed.). The oxford handbook of law and

politics. Oxford, New York: Oxford University press, 2008. p. 522-540.

MCCANN, Michael. Poder Judiciário e mobilização do direito: uma perspectiva dos

“usuários”. Revista da EMARF, Cadernos Temáticos, Rio de Janeiro, p. 175-196, dez.

McCANN, Michael. Rigths at work: pay equity reform and the politics of legal

mobilization. Chicago: London: The University of Chicago Press, 1994.

MELO, Luís Antônio Camargo et al. O novo direito do trabalho: a era das cadeias

produtivas. Revista Direitos, trabalho e política social, Cuiabá, v. 1, n. 1, p. 311-335, jul./

dez. 2015.

OIT - ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Fighting forced labour:

the example of Brazil. Geneva: ILO, 2009.

PEREIRA, Ricardo José Macedo de Britto (Org.). Ministério Público do Trabalho:

coordenadorias temáticas. Brasília: ESMPU, 2006.

PRADO, Erlan José Peixoto (Org.). Jornada de trabalho: histórias do Ministério Público

do Trabalho. Brasília: MPT, 2015.

SCOTT, William. Richard. Institutions and organizations: ideas, interests, and

identities. Thousand Oaks: Sage, 2014.

SOARES, José Luiz de Oliveira. A Judicialização da Política Segundo a Atuação do

Ministério Público na Área Ambiental. In: MOTTA, Luiz Eduardo; MOTA, Maurício

(Org.). O estado democrático de direito em questão: teorias críticas da judicialização da

política. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

VIANNA, Luiz Werneck et al. A judicialização da política e das relações sociais no Brasil.

Rio de Janeiro: Revan, 1999.

VIANNA, Luíz Werneck; BURGOS, Marcelo Baumann. Entre princípios e regras:

cinco estudos de caso de Ação Civil Pública. Dados, Rio de Janeiro, v. 48, n. 4, p. 777-

2005.

VIANNA, Luíz Werneck; BURGOS, Marcelo Baumann. Revolução processual do

direito e democracia progressiva. In: VIANNA, Luíz Werneck (Org.). A democracia e

os três poderes no Brasil. Belo Horizonte: UFMG, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2016v21n1p167

Direitos autorais 2020 Mediações - Revista de Ciências Sociais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International