Deliberating on intersectionality: women’s conferences in Recife

Maria-Hélène Sa Vilas Boas

Resumo


Em que condições a deliberação assegura a inclusão de grupos sociais marginalizados? Segundo a crítica feminista das teorias deliberativas, essas podem reproduzir as desigualdades políticas quando não levam em consideração as assimetrias de poder entre grupos sociais. Por esta razão, algumas autoras defendem o reconhecimento explícito das minorias nos dispositivos deliberativos. Este artigo tem por objetivo analisar a dinâmica da deliberação quando reúne um grupo tradicionalmente subrepresentado e caracterizado pela sua diversidade, ou seja as mulheres. Baseado no estudo das conferências das mulheres de Recife, mostra que a combinação entre a política do reconhecimento e a deliberação leva tanto à integração quanto à marginalização de algumas mulheres, dependendo dos recursos que elas têm para defender suas “perspectivas”.

Palavras-chave


Deliberação; Mulheres; Interseccionalidade; Brasil.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2015v20n2p208

Direitos autorais 2020 Mediações - Revista de Ciências Sociais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International