O peso do corpo negro feminino no mercado da saúde: mulheres, profissionais e feministas em suas perspectivas

Rosamaria Carneiro

Resumo


O sistema público de saúde brasileiro tem por princípio a igualdade de acesso. No entanto, não são poucas as desigualdades em sua prática. Partindo da premissa de que surgem da hierarquização das diferenças entre os sujeitos, este artigo se dispõe a refletir sobre a importância da interseccionalidade entre raça, classe e gênero quando a temática é a saúde sexual e reprodutiva das brasileiras. Com esse foco, destaca como essa articulação analítica pode descortinar processos cotidianos discriminatórios. Para tanto, considera a etnografia de dois serviços de saúde de Brasília; entrevistas com gestores de saúde local e federal e, por fim, blogs e plataformas feministas negras operantes na internet. Dessa maneira, procura compreender como o corpo negro feminino é pensado pelas mulheres assistidas, pelos profissionais de saúde, gestores de políticas públicas e feministas negras. 


Palavras-chave


saúde, interseccionalidade, etnografia, política

Texto completo:

PDF

Referências


BATISTA, Luis Eduardo et. al (org.). Saúde da população negra. RJ: DP et Alii Editora Ltda, 2012.

BIROLI, Flavia e MIGUEL, Luis Felipe. Gênero, raça, classe: opressões cruzadas e cconvergências na reprodução das desigualdades. In: Londrina: Mediações UEL,2015. 22-55p.

BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. In: Cadernos Pagu, 26), janeirojunho de 2006: pp.329-376.

BRASIL. Perspectiva da Equidade no Pacto Nacional pela Redução da Mortalidade Materna e Neonatal. Atenção à Saúde das Mulheres Negras. Ministério da Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas, 2005.

BRASIL. Política Nacional de Assistência Integral à Saúde da População Negra. Ministério da Saúde, 2009.

CARNEIRO, Rosamaria. Da invisibilidade do caso Sirlei Dias de Carvalho: um estudo interseccional da violência(s) contra a(s) mulher(es). In: Revista Actas Scentiarium. UEM. 2008, pp. 137-45.

CARRARA, Julio. CARRARA, Se?rgio; SIMOES, Ju?lio Assis. Sexualidade, cultura e poli?tica: a trajeto?ria da identidade homossexual masculina na antropologia brasileira. Cad. Pagu, Campinas, n. 28, 2007.

COROSSACZ, Valeria Ribeiro. O corpo da nação. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2009.

CRENSHAW, Kimberlé. Encontro de especialistas em aspectos da discriminac?a?o racial relativos ao ge?nero. Revista Estudos Feministas (10), no 1, Floriano?polis, UFSC, 2002, pp.171-188.

DAMATTA, Roberto. Relativizando. Uma introdução à antropologia social. Rio de Janeiro: Rocco, 2010.

FRASER, Nancy. Da redistribuic?a?o ao reconhecimento? Dilemas de justiça numa era pós socialista (trad. Julio Simões). In: cadernos de campo, Sa?o Paulo, n. 14/15, p. 1-382, 2006

FERNANDES, Florestan. A Integrac?a?o do Negro na Sociedade de Classe. Sa?o Paulo, A?tica, vol. 1, 1978.

Clifford Geertz. O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. Tradução de Vera Mello Joscelyne. Petrópolis, Vozes, 2001, 366 pp

GILROY, Paul. O atlântico negro. São Paulo: Editora 34, 2001.

GUIMARA?ES, Antonio Se?rgio Alfredo. Como trabalhar com “rac?a” em sociologia. Educ. Pesqui. (29), no1, 2003, pp.93-107.

GUIMARA?ES, Antonio Sergio. Preconceito Racial: modos, temas e tempos. Sa?o Paulo, Editora Cortez, 2008.

GUIMARA?ES, Antonio Sergio. “Raça, cor, cor da pele e etnia”. In: Cadernos de Campo. 20, 2011, pp. 265-273.

GONZALES, Leila. A importância da organização da mulher negra no processo de transformação social. Raça e Classe. (5): 2, nov./dez. 1988.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2002.

HIRSCH, Olivia. O parto “natural” e “humanizado”: um estudo comparativo entre mulheres de camadas populares e médias no Rio de Janeiro. Tese de doutorado. Programa de Pós-Graduação em Sociologia PUC-Rio, 2014.

LAGUARDIA, Josué. O uso da variável raça na pesquisa em saúde. In: PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 14(2):197-234, 2004.

LOPEZ, Laura Cecilia. A mobilização politica de mulheres negras do Uruguai: considerações sobre interseccionalidade de gênero, raça e classe: In: Sexualidad, Salud y Sociedad, 2013, pp.

LUGONES, Maria. Colonialidad y Género. In: Tabula Rasa. Bogotá - Colombia, No.9: 73-101, julio-diciembre 2008.

MAIO, Marcos Chor e SANTOS, Ricardo Ventura (org.) Raça como questão. História, Ciência e Identidades no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz/Faperj, 2010.

MCCLINTOCK, Anne. Imperial Leather. Race, Gender and Sexuality in the Colonial Contest. New York, Routledge, 1995.

MAGGIE, Yvone. Pela igualdade. In: Revista de Estudos Feministas, vol. 16, 3/2008, pp. 897-912

MONTEIRO, Simone. Desigualdades em saúde, raça e etnicidade: questões e desafios. In: Monteiro, Simone. & Sansone, Livio (orgs). Etnicidade na América Latina: um debate sobre raça, saúde e direitos reprodutivos. RJ: Ed. Fiocruz, 2004.

MONTEIRO, Simone e MAIO, Marcos Chor. Tempos de racialização: o caso da saúde da população negra brasileira. In: História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v. 12, n. 2, p. 419-46, maio-ago. 2005.

MOUTINHO, Laura. “Rac?a”, sexualidade e ge?nero na construc?a?o da identidade nacional: uma comparac?a?o entre Brasil e A?frica do Sul. Cadernos Pagu (23), Campinas-SP, Nu?cleo de Estudos de Ge?nero- Pagu/Unicamp, 2004d, pp.55-88.

PISCITELLI, Adriana. Interseccionalidades, categorias de articulac?a?o e experie?ncias de migrantes brasileiras. Sociedade e Cultura (11), no 2, 2008, pp.263-274.

PISCITELLI, Adriana. Atravessando fronteiras: teorias po?s-coloniais e leituras antropolo?gicas sobre feminismos, ge?nero e mercados do sexo no Brasil. Contempora?nea (3)- Revista de Sociologia da UFSCar, Sa?o Carlos-SP, UFSCar, 2013, pp.377-405.

QUIJANO, Anibal. Colonialidad del poder, eurocentrismo y America latina. In: Colonialidad del Saber, Eurocentrismo y Ciencias Sociales. , Buenos Aires: Clacso Unesco, 2000, p. 201-246.

QUIJANO, Anibal. Colonialidad, modernidade/racionalidade. In: Perú Indígena, 1991, vol. 13, 29:11-29.

RIBEIRO, Matilde. Mulheres negras: uma trajetória de criatividade, determinação e organização. In: Revista de Estudos Feministas. UFSC, vol. 16, 3/2008, pp. 987-1004.

SANTOS, Sales Augusto et. al. Ações afirmativas: polêmicas e possibilidades sobre igualdade racial e o papel do Estado. In: Revista de Estudos Feministas. UFSC, vol. 16, 3/2008, pp. 913-930.

TRAD, Leny et. Al. Acessibilidade a? atenc?a?o ba?sica a fami?lias negras em bairro popular de Salvador, Brasil. In: Revista de Saúde Pública, 2012;46(6):1007-13

VELHO, Gilberto. Nobres e Anjos. Um Estudo de Tóxicos e Hierarquia. Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas Editora, 1998. 214 pp.

SANSONE, Livio. Nem somente preto ou negro. O sistema de classificação racial no Brasil que muda. In: Afro-Asia, 1996. pp. 165-187.

ZAMBONI, Marcio. A sessa?o de desenho de modelo nu: produc?a?o arti?stica e marcadores sociais da diferenc?a. Sexualida, Salud Sociedad (15), Rio Janeiro, 2013, no15, pp.62-85.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2017v22n2p394

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International