Conhecer os riscos, administrar a vida: aconselhamento genético entre a biopolítica e a sociedade de controle

Bruno Lucas Saliba de Paula, Yurij Castelfranchi

Resumo


Neste artigo, comparamos o modo de funcionamento do aconselhamento genético (AG) com as medidas eugênicas do século passado. Realizamos uma análise de materiais jornalísticos publicados no Brasil sobre o AG, além de uma discussão teórica sobre as configurações do biopoder num contexto biotecnológico. Concluímos que, enquanto a eugenia era exercida por Estados que disciplinavam as condutas individuais e regulavam as populações para “melhorar a raça humana”, o AG se aproxima da racionalidade da governamentalidade neoliberal e da sociedade de controle. Isso porque o AG se desenrola num contexto em que governo, mercado e especialistas modulam o campo de probabilidades e riscos aberto por indivíduos que, como “empreendedores de si mesmos”, precisam administrar seu capital genético e são tidos como clientes e acionistas, além de pacientes e cidadãos.


Palavras-chave


Aconselhamento genético; Eugenia; Biopoder; Sociedade de controle.

Texto completo:

PDF

Referências


BECK, Ulrich; BECK-GERNSHEIM, Elisabeth. La salud y la responsabilidad en la era de la tecnología genética. In: BECK, Ulrich; BECK-GERNSHEIM, Elisabeth. La individualización. El individualismo institucionalizado y sus consecuencias sociales y políticas. Barcelona: Paidós Ibérica, 2003.

BRUNONI, Décio. Aconselhamento Genético. Ciência e saúde coletiva, v. 7, n. 1, São Paulo, 2002, p. 101-107.

CASTELFRANCHI, Yurij. Scientists to the streets. Science, politics and the public moving towards new osmoses. JCOM – Journal of Science Communication, v. 1, n. 2, Trieste, junho de 2002, p. 1-14.

CASTELFRANCHI, Yurij. As serpentes e o bastão: tecnociência, neoliberalismo inexorabilidade. Tese de Doutorado, Sociologia, Universidade Estadual de Campinas, 2008.

DELEUZE, Gilles. Post-scriptum sobre as sociedades de controle. In: DELEUZE, Gilles. Conversações: 1972-1990. Rio de Janeiro: Ed. 34, 2010.

DINIZ, Débora. Autonomia reprodutiva: um estudo de caso sobre a surdez. Cad. Saúde Pública, v. 19, n. 1, Rio de Janeiro, janeiro/fevereiro 2003, p. 175-181.

FOUCAULT, Michel. About the Beginning of the Hermeneutics of the Self: Two Lectures at Dartmouth. Political Theory, v. 21, n. 2, may 1993, p. 198-227.

FOUCAULT, Michel. A governamentalidade. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 2006.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da biopolítica: curso dado no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes, 2008a.

FOUCAULT, Michel. Segurança, território, população: curso dado no Collège de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes, 2008b.

HARAWAY, Donna. A Cyborg Manifesto: Science, Technology, and SocialistFeminism in the Late Twentieth Century. In: HARAWAY, Donna. Simians, Cyborgs and Women: The Reinvention of Nature. New York: Routledge, 1991.

LEWIS, R. Barry; MAAS, Steven. QDA Miner 2.0: Mixed-Model Qualitative Data Analysis Software. Field Methods, v. 19, n. 1, February 2007, p. 87-108.

LOPEZ-RUIZ, Osvaldo. A técnica como capital e o capital humano genético. Novos estudos – CEBRAP, n. 80, março de 2008, p. 127-139.

MONTEIRO, Marko. Os dilemas do humano: reinventando o corpo numa era (bio)tecnológica. São Paulo: Annablume, FAPESP, 2012.

NOVAS, Carlos; ROSE, Nikolas. Genetic risk and the birth of the somatic individual. Economy and Society, v. 29, n. 4, november 2000, p. 485-513.

NOWOTNY, Helga; SCOTT, Peter; GIBBONS, Michael. Rethinking science: knowledge and the public in an age of uncertainty. Cambridge: Polity Press, 2001.

PEPPERELL, Robert. The Posthuman Condition: consciousness beyond the brain. Bristol: Intellect, 2003.

PINA-NETO, João Monteiro. Aconselhamento genético. Jornal de Pediatria (Rio J.), v. 84, n. 4, Porto Alegre, agosto de 2008, p. S20-S26.

ROSE, Nikolas. Politics of life itself: biomedicine, power, and subjectivity in the twenty-first century. Princeton: Princeton University Press, 2007.

SOUZA, Vanderlei. Em nome da raça: a propaganda eugênica e as idéias de Renato Kehl nos anos 1910 e 1920. Revista de História Regional, v. 11, n. 2, UEPG, 2007, p. 29-70.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2015v20n1p151

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International