Interseccionalidade e pensamento feminista: as contribuições históricas e os debates contemporâneos acerca do entrelaçamento de marcadores sociais da diferença

Carlos Eduardo Henning

Resumo


Este artigo expõe uma revisão sucinta dos debates encetados nas últimas décadas acerca da noção de interseccionalidade entre as diversas abordagens do pensamento feminista, dos estudos de mulheres e das teorias de gênero contemporâneas. Partindo das contribuições dos “black feminisms”, apresenta algumas visões sobre o contexto de formação do debate interseccional nos Estados Unidos e no Reino Unido e a seguir estabelece as principais vertentes de trabalho atualmente. Embasado em um levantamento bibliográfico de dezenas de artigos, ensaios e livros publicados nos últimos anos nos EUA e na Europa, este texto procura contribuir com uma “sumarização” de algumas das principais contribuições que a análise interseccional tem oferecido ao pensamento feminista e à teoria social como um todo, assim como propor a noção de “agência interseccional”. Por fim, são apresentadas algumas considerações críticas a determinadas características que atravessam o campo e que geram questionamentos ainda em aberto.

Palavras-chave


Interseccionalidade; Marcadores Sociais da Diferença; Diferenças; Desigualdades

Texto completo:

PDF

Referências


BASSEL, Leah. Intersectional politics at the boundaries of the Nation State. Ethnicities, v. 10, n. 2, p. 155-180, 2010.

BOOGAARD, Brendy; ROGGEBAND, Conny. Paradoxes of Intersectionality: theorizing inequality in the Dutch Police Force through structure and agency. Organization, v. 17, n. 1, p. 53-75, 2010.

BRAH, Avtar. Travels in negotiations: difference, identity, politics. Journal of Creative Communications 2, v. 1, n. 2, p. 245-256, 2007.

BRAH, Avtar; PHOENIX, Ann. Ain’t I A Woman? Revisiting intersectionality. Journal of International Women’s Studies, v. 5, n. 3, 2004.

BRAH, Avtar. Diferença, Diversidade, Diferenciação. Cadernos Pagu, Campinas, n.26, p. 329-376, jan.- jun. 2006.

BREDSTRÖM, Anna. Intersectionality: a challenge for feminist HIV/AIDS research? European Journal of Women’s Studies, v. 13, n. 3, p. 229-243, 2006.

BREWER, Rose M. Response to Michael Buroway’s Commentary ‘The Critical Turn to Public Sociology’. Critical Sociology, v. 31 , p. 353-359, 2005.

BUITELAAR, Marjo. I Am the Ultimate Challenge: accounts of intersectionality in the life-stoy of a well-known daughter of Moroccan migrant workers in the Netherlands. European Journal of Women’s Studies, v. 13, p. 259-276, 2006.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2003 [1990].

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do “sexo”. In: LOURO, Guacira Lopes (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

CHRISTENSEN, Ann-Dorte. Belonging and Unbelonging from an intersectional perspective. Gender, Technology and Development, v. 13, n. 1, p. 21-41, 2009.

COLLINS, Todd; MOYER, Laura. Gender, race and intersectionality on the Federal Appellate Bench. Political Research Quarterly, v. 61, n. 2, p. 219-227, 2008.

COMBAHEE RIVER COLLECTIVE STATEMENT. All the Women are White, All the Blacks are Men, But Some of us are Brave. In: HULL, Gloria; BELL, Patricia Scott; SMITH, Barbara (Eds.), Nova Iorque: The Feminist Press. 1982 [1977].

CORREA, Mariza. Sobre a Invenção da Mulata. Cadernos Pagu, Campinas, v. 6, n. 7, p. 35-50, 1996.

CRENSHAW, Kimberlé Williams. Mapping the Margins: Intersectionality, Identity Politics, and Violence Against Women of Color. Stanford Law Review, v. 43, n. 6, p. 1241–99, 1991.

DAVIS, Angela. Women, Race and Class. Nova Iorque: Random House. 1981.

DAVIS, Kathy. Intersectionality as buzzword, a sociology of science perspective on what makes a feminist theory successful. Feminist Theory, v. 9, n. 1, p. 67-85, 2008.

DENIS, Ann. Review Essay: Intersectional Analysis: A Contribution of Feminism to Sociology. International Sociology, v. 23, p. 677-694, 2008.

EREZ, Edna; ADELMAN, Madelaine; GREGORY, Carol. Intersections of Immigration and Domestic Violence: voices of battered immigrant women. Feminist Criminology, v. 4, n. 1, p. 32-56, 2009.

FACCHINI, Regina. Entre Umas e Outras: mulheres (homo)sexualidades e diferenças na cidade de São Paulo. 2008. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

FALCÓN, Sylvanna M. Black Feminist Thought. In: O’BRIEN, Jodi. (Ed.). Encyclopedia of Gender and Society. SAGE Publications, 2009.

FIGUEIREDO, Ângela. Cabelo, cabeleira, cabeluda e descabelada: identidade, consumo e manipulação da aparência entre os negros brasileiros. Anais da 26° Reunião Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais, Caxambu, out/2002.

GILL, Rosalind. Beyond the `Sexualization of Culture’ Thesis: An Intersectional Analysis of `Sixpacks’,`Midriffs’ and `Hot Lesbians’ in Advertising. Sexualities. 12, 2009, p.137-160.

HANCOCK, A. M. When multiplication doesn’t equal quick addition: Examining intersectionality as a research paradigm. Perspectives on Politics,v. 5, p. 63-78, 2007.

HARAWAY, Donna. Simians, cyborgs, and women. The reinvention of nature. Nova Iorque: Routledge, 1991.

HENNING, Carlos Eduardo. Paizões, Tiozões, Tias e Cacuras: envelhecimento, meia idade, velhice e homoerotismo masculino na cidade de São Paulo. 2014. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2015v20n2p97

Direitos autorais 2015 Carlos Eduardo Henning

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International