Conectadas: experiência de subalternidade e ajuda-mútua feminina online entre mulheres de classes populares

Lara Rodrigues Facioli, Richard Miskolci

Resumo


O objetivo deste texto é analisar a ressignificação da experiência de subalternidade tal qual experenciada por mulheres das classes populares que se relacionam em rede por meio das mídias digitais. Observamos o uso das mídias digitais que aponta para novas formas de subjetivação e que interseccionam, principalmente, diferenças de classe e gênero. Para isso realizamos pesquisa etnográfica mediada e multisituada tanto em plataformas e aplicativos constituidores das redes sociais como o Facebook, o site Bolsa de Mulher, grupos criados via whatsapp; como em ambientes off-line que compõem o cotidiano de sujeitos, no caso, a Baixada Fluminense e a região pobre da Zona Oeste do Rio de Janeiro.


Palavras-chave


Mídias digitais; Classe social; Gênero; Horizontes de aspiração.

Texto completo:

PDF

Referências


ADELMAN, Miriam. “Por amor ou por dinheiro? Emoções, discursos, mercados”. Contemporânea: Revista de Sociologia da UFSCar, São Carlos, n. 2, p. 117-138, 2011.

BELELI, Iara. Amores online. In: PELUCIO, Larissa et al. (Org.). Gênero, sexualidade e mídia: olhares plurais para o cotidiano. Marília: Cultura Acadêmica Editora, 2012.

BRAH, Avtar. Diferença, diversidade e diferenciação. Cadernos Pagu, Campinas, n. 26, p. 329-376, jan./jun. 2006.

CHAUI, Marilena. Uma nova classe trabalhadora. In: SADER, Emir (Org.). Dez anos de governos pós neo-liberais no Brasil: Lula e Dilma. São Paulo: Boitempo, 2013.

FACIOLI, Lara. Conectadas: uma análise de práticas de ajuda mútua feminina na era das mídias digitais. 2013. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2013.

McQUIRE, Scott. The media city: media, architecture and urban space. London: Sage, 2008.

MISKOLCI, Richard. A teoria Queer e a sociologia: o desafio de uma analítica da normalização. Sociologias, Porto Alegre, n. 21, p. 150-182, 2009.

MISKOLCI, Richard. A gramática do armário: notas sobre segredos e mentiras em relações homoeróticas masculinas mediadas digitalmente. In: PELÚCIO, Larissa et al. (Org.). Olhares plurais para o cotidiano: gênero, sexualidade e mídia. Marília: Cultura Acadêmica, 2012.

NERI, Marcelo. A nova classe média: o lado brilhante da base da pirâmide. São Paulo: Saraiva, 2011.

POCHMANN, Marcio. Nova classe média? O trabalho na base da pirâmide social brasileira. São Paulo: Boitempo, 2012.

SCALON, Celi; SALATA, André. Uma nova classe média no Brasil da última década? O debate a partir da perspectiva sociológica. Revista Sociedade e Estado, Brasília, v. 27, n. 2, p. 387-407, maio/ago. 2012.

SCOTT, Joan. A invisibilidade da experiência. Projeto História, São Paulo, n. 16, p. 303-304, 1998.

SOUZA, Jesse. Os batalhadores brasileiros: nova classe média ou nova classe trabalhadora. Belo Horizonte: UFMG, 2012.

SPIVAK, Gayatri. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: UFMG, 2010.

THOMPSON, Edward. A formação da classe operária Inglesa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2015v20n2p129

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International