Na contramão do neoliberalismo: sem-terra e piqueteiros

Eliel Ribeiro Machado

Resumo


Este artigo aborda, fundamentalmente, os limites e potencialidades político-ideológicas de dois importantes movimentos sociais latino-americanos:os sem-terra (Brasil) e os piqueteiros (Argentina). A apropriação da política emancipadora pelos movimentos sociais possibilita que as relações sociais e de produção nos assentamentos do MST ou nos bairros populares dos piqueteiros ganhem novas dimensões políticas e ideológicas. Discutimos em cada um dos movimentos as "invenções democráticas" (democracia direta, horizontalidade, igualdade de gênero etc.) de que são protagonistas, bem como os seus limites dado o caráter de classe de suas bases sociais, ou seja, constituem-se de semi-assalariados (sem-terra) e de desempregados (sem-terra e piqueteiros).


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2005v10n2p75

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

ISSN: 1414-0543

EISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br