México e Brasil: dois extremos de uma idéia

Daniel Antiquera

Resumo


O artigo questiona o real peso que a idéia de América Latina teve e tem para os Estados que a compõe, mostrando que o sentido de unidade provém mais da relação de dependência do que de um projeto próprio. Para isso, escolheu-se analisar, além das tentativas regionais de integração, a evolução das políticas externas de México e Brasil, tentando identificar possíveis tendências (e dificuldades) de formulação de um projeto conjunto. A escolha desses países deve-se ao fato de representarem extremos dessa parte do continente americano. O estudo revela que a América Latina, como projeto político, sempre esteve mais distante da realidade do que os discursos possam aparentar. E a partir da década de 1990 a expressão ainda se tornou mais abstrata e fraca.


Palavras-chave


América Latina; Políticas externas.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2005v10n2p25

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

ISSN: 1414-0543

EISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br