A Estatização do Setor de Energia Elétrica: Embates entre Entreguistas e Tupiniquins no Centro Diretivo do Segundo Governo Vargas (1951-54)

Marcelo Squinca da Silva

Resumo


O artigo pretende discutir o processo de estatização do setor de energia elétrica no Brasil, através da análise entre duas posições conflitantes durante o governo Vargas na década de 50.


Palavras-chave


Estatização; Energia Elétrica; Nacionalismo; Governo Vargas.

Texto completo:

PDF

Referências


BRANCO, Catullo. Energia elétrica e capital estrangeiro no Brasil. São Paulo, Alfa-Ômega, 1975, p. 77.

CMBEU, Relatório Geral, tomo I. Rio de Janeiro, Brasil, 1954, p. 269.

Depoimento ao PHO-CPDOC/FGV-RJ. In: LIMA, Valentina da Rocha. Getúlio: uma história oral. Rio de Janeiro, Record, 1986, pp. 172-3.

LIMA, Medeiros (org.). Petróleo, energia elétrica e siderurgia: a luta pela emancipação – um depoimento de Jesus Soares Pereira sobre a política de Getúlio Vargas. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1975, p. 130.

MONIZ BANDEIRA, L. A. Brasil-Estados Unidos: a rivalidade emergente (1950-1988). Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1989, p. 32.

SODRÉ, Eurico. O racionamento da energia elétrica. São Paulo, Ed. Revista dos Tribunais, 1953, p. 25.

SOARES, Luzia; MARANHÃO, Ricardo. “Eusébio Rocha: nacionalismo e energia”. In: Memória, São Paulo, DPH Eletropaulo, v. 4, n. 16, pp. 15-7, 1992, p. 15.

SODRÉ, N. W. História da burguesia brasileira. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1967, p. 321.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2005v10n1p157

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International