O grito: a reiteração do poder em fogo morto de José Lins do Rego

João Carlos Guedes da Fonseca

Resumo


O grito é o protagonista de Fogo morto, décimo romance de José Lins do Rego. Sob ele ou ao seu redor, a vida do engenho Santa Fé, palco em que se encena - as histórias de mestre José Amaro, Coronel Lula de Holanda e Vitorino Carneiro Cunha, - impregna-se de uma fatalidade própria àqueles que, imóveis e débeis. O motivo da segregação é também o ânimo de uma estranha forma de comunhão. A junção revela os impasses de um mundo fragmentado que, por uma estranha dialética, teima em resistir contra o esfacelamento de uma improvável, mas sempre almejada reviravolta na ordem dos acontecimentos.


Palavras-chave


José Lins do Rego; Ciclo da cana-de-açúcar; Modernismo; Regionalismo.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2005v10n1p87

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

ISSN: 1414-0543

EISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br