O diagnóstico de Deficiência Androgênica do Envelhecimento Masculino e os (des)caminhos do desejo sexual masculino

Lucas Tramontano, Jane Araujo Russo

Resumo


Este artigo visa discutir o diagnóstico de Deficiência Androgênica do Envelhecimento Masculino (DAEM) e as controvérsias e disputas que o acompanham, à luz da remedicalização da sexualidade. A análise parte de entrevistas realizadas com médicos urologistas e endocrinologistas, e as diferentes abordagens entre essas especialidades elucidam concepções divergentes de corpo e sexualidade presentes no pensamento biomédico, e a disputa por hegemonia no campo científico. Através da comparação entre os significados atribuídos à DAEM e a outra disfunção sexual masculina, a bem-sucedida Disfunção Erétil (DE), pretendemos refletir sobre as dificuldades inerentes à redução biológica da sexualidade e a reiteração de normas de gênero no discurso médico sobre o corpo e a sexualidade masculinos.

Palavras-chave


DAEM; Andropausa; Medicalização; Sexualidade Masculina.

Texto completo:

PDF

Referências


ANGELL, Marcia. A verdade sobre os laboratórios farmacêuticos 1ª edição. Rio de Janeiro: Record, 2007.

AZIZE, Rogerio. A química da qualidade de vida: um olhar antropológico sobre o uso de medicamentos e saúde em classes médias urbanas brasileiras. Março de 2002. 118 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Departamento de Antropologia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. 2002.

BONACCORSI, Antonio Carlos. Andropausa: insuficiência parcial androgênica do homem idoso. Uma revisão. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia Metabólica, v. 2, n. 45, 2001, p.45-57.

CLARKE, Adele; SHIM, Janet; MAMO, Laura; FOSKET, Jennifer Ruth; FISHMAN, Jennifer. Biomedicalization: technoscientific transformations of health, illness and US biomedicine. American Sociological Review, v. 68, 2003, p. 161-194.

CONRAD, Peter. The Medicalization of Society. Baltimore: The Johns Hopkins University Press, 2007.

CONNEL, R. W. Masculinities. Second Edition. Berkeley and Los Angeles: University of California Press, 2005.

DUMIT, Joseph. Drugs for Life. How pharmaceutical companies define our health. Durham and London: Duke University Press, 2012. FERNANDEZ, A. & ACOSTA, L. Documento básico de consenso sobre el síndrome de hipogonadismo de inicio tardío. Endocrinol. Nutr., v.1, n. 55, 2008, p.5-28.

FLECK, Ludwick. Gênese e Desenvolvimento de um Fato Científico. Belo Horizonte: Fabrecatum, 2010.

FOUCAULT, Michel. O Nascimento do Hospital. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. São Paulo: Editora Graal, 2008.

FOX, Nick; WARD, Katie. Pharma in the bedroom...and the kitchen...The pharmaceuticalisation of daily life. Sociology of Health & Illness, v.30, n. 6, 2008, p.856-868.

GIAMI, Alan. Da impotência à disfunção erétil. Destinos da medicalização da sexualidade. Physis, v. 3, n. 19, 2009, p.637-658.

HISLOP, Jenny; ARBER, Sara. Understanding women's sleep management: beyond medicalization-healthicization! Sociology of Health & Illness, v. 25, n. 7, 2013, p. 815-837.

LATOUR, Bruno & WOOLGAR, Steve. A vida de laboratório. A produção de fatos científicos. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1997.

LeBRETON, David. Antropologia do Corpo e Modernidade. Petrópolis: Editora Vozes, 2011. LOE, Meika. Fixing broken masculinity: Viagra as a technology for the production of gender and sexuality. Sexuality and Culture, v. 3, n. 5, 2001, p.97-125.

MARSHALL, Barbara. Climateric redux?: (re)medicalizing the male menopause. Men and masculinity, n. 9, 2007, p.509-529.

MARSHALL, Barbara L. & KATZ, Stephen. Forever functional: sexual fitness and the ageing male body. Body & Society, v. 4, n. 8, 2002, p.43-70.

NUCCI, Marina Fischer. Seria a pílula anticoncepcional uma droga de "estilo de vida"? Ensaio sobre o atual processo de medicalização da sexualidade. Sexualidad, Salud y Sociedad, n. 10, 2012, p. 124-139.

OUDSHOORN, Nelly. Beyond the natural body: an archeology of sex hormones. Londres e New York: Routlegde, 1994.

ROHDEN, Fabíola. Uma Ciência da Diferença: sexo e gênero na medicina da mulher. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2009. ROHDEN, Fabíola. "O homem é mesmo a sua testosterona": promoção da andropausa e representações sobre sexualidade e envelhecimento no cenário brasileiro. Horizontes Antropológicos, v. 35, n. 17, 2011, p.161-196.

ROSE, Nikolas. A política da própria vida: biomedicina, poder e subjetividade no século XXI. São Paulo: Paulus, 2013.

ROSENBERG, Charles E. The Tyranny of Diagnosis: Specific Entities and Individual Experience. The Milbank Quarterly, v. 2, n. 80, 2002, p.237-260.

RUSSO, Jane; ROHDEN, Fabíola; TORRES, Igor & FARO, Livi. O campo da Sexologia no Brasil: constituição e institucionalização. Physis, v. 3, n. 19, 2009, p. 617-636.

RUSSO, Jane; ROHDEN, Fabíola; TORRES, Igor; FARO, Livi; NUCCI, Marina; GIAMI, Alain. Sexualidade, Ciência e Profissão no Brasil. Rio de Janeiro: CEPESC, 2011.

RUSSO, Jane. A terceira onda sexológica: Medicina Sexual e farmacologização da sexualidade. Sexualidad, salud y sociedad, n.14, 2013, p.172-194.

TRAMONTANO, Lucas. “Continue a nadar”: sobre testosterona, envelhecimento e masculinidade. Março de 2012. 128 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) - Instituto de Medicina Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2012.

TRAMONTANO, Lucas. O Novo Homem Velho. Cabo dos Trabalhos, v. 10, 2014, p. 1-18.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2015v20n1p174

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International