Políticas públicas e desigualdade de gênero na sociedade brasileira: Considerações sobre os campos do trabalho, da política e da ciência

Janaina Xavier do Nascimento

Resumo


O presente texto enfoca a problemática da desigualdade de gênero e políticas públicas na sociedade brasileira, tendo como principais objetivos os que se seguem: Analisar a desigualdade de gênero na sociedade brasileira, traçando um esboço do que ocorre em três áreas centrais para essa discussão, quais sejam: campo do trabalho, campo da representação política e campo científico; 2) Examinar conquistas e desafios no que tange ao enfrentamento dessa desigualdade através de políticas públicas de gênero. Para tanto, recorre-se a dados secundários das seguintes fontes: IBGE, TSE e CNPq. Por fim, observam-se conquistas importantes, contudo não a ponto de reverter significativamente o quadro de desigualdade profunda, sobretudo no campo da representação política.

Palavras-chave


desigualdade de gênero; políticas públicas; política; ciência.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVAREZ, Sonia. Falas do Estado ou o estado das falas sobre as mulheres nas administrações democrático-populares. In: TATAU, Godinho; SILVEIRA, Maria Lúcia. (Org.). Políticas públicas e igualdade de gênero. São Paulo: Coordenadoria Especial da Mulher, 2004. p. 103-111.

ARAÚJO, Clara. Ações afirmativas como estratégias políticas feministas. In: BRUSCHINI, Cristina; UNBEHAUM, Sandra G. (Org.). Gênero, democracia e sociedade brasileira. São Paulo: Ed. 34, 2002. p. 143-166.

ARAÚJO, Clara; ALVES, José E. D. Impactos de indicadores sociais e do sistema

eleitoral sobre as chances das mulheres nas eleições e suas interações com as cotas. DADOS: Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 50, n. 3, p. 535-57, 2007.

BESSE, Susan. Modernizando a desigualdade. São Paulo: EDUSP, 1999.

CENTRO DE GESTÃO E ESTUDOS ESTRATÉGICOS - CGEE. Doutores 2010: estudo da demografia da base técnico-científica brasileira. Brasília: CGEE, 2010. CNPq. Número de mulheres cientistas já iguala o de homens. 2013. D

FARAH, Marta F. Gênero e políticas públicas na esfera local de governo. Organizações &Sociedade, Salvador, v. 6, n. 14, p. 65-104, jan./abr. 1999.

FARAH, Marta F. Gênero e políticas públicas. Estudos Feministas, Florianópolis, n. 12, v. 1, p. 47-71, jan./abr. 2004.

FRASER, Nancy. Da redistribuição ao reconhecimento: dilemas da justiça na era pós-socialista. In: Democracia hoje: novos desafios para a teoria democrática contemporânea (Org. Jessé Souza). Brasília: Editora UNB, 2001.

GIDDENS, Anthony. Sociologia. Porto Alegre: Penso, 2012.

GOETZ, Ane Mari. The politics of integrating gender to state development processes: trends, opportunities and constraints in Bangladesh, Chile, Jamaica, Mali, Morocco and Uganda. United Nations Research Institute for Social Development United Nations Development, Geneva, 1995.

GROSSI, Miriam P.; MIGUEL, Sonia M. Transformando a diferença: as mulheres na política. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 9, n. 1, p. 167-206, 2001.

GUIMARÃES, Nadya.Laboriosas mas redundantes: gênero e mobilidade no trabalho no Brasil dos 90. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 9, n. 1, p. 82-102, 2001.

IBGE. Censo demográfico 2010a. Disponível em: . Acesso em: 2 abr. 2014.

IBGE. Estatísticas de gênero: uma análise do censo demográfico de 2010. Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: . Acesso em: 9 out. 2015.

IBGE. Pesquisa nacional por amostra de domicílios: síntese de indicadores 2008. Disponível em: . Acesso em: 9 abr. 2014.

IBGE. Pesquisa nacional por amostra de domicílios: síntese de indicadores 2009. Disponível em: . Acesso em: 9 abr. 2014.

IBGE. Pesquisa nacional por amostra de domicílios: síntese de indicadores 2010b. Disponível em: . Acesso em: 9 abr. 2014.

ILO. Laborsta internet. Genebra, 2010. Disponível em: . Acesso em: 8 ago. 2010.

LAVINAS, Lena. Emprego feminino: o que há de novo e o que se repete. Dados, Rio

de Janeiro, v. 40, n. 1, p. 41-67, 1997.

LETA, Jacqueline. As mulheres na ciência brasileira: crescimento, contrastes e um

perfil de sucesso. Estudos Avançados, São Paulo, v. 17, n. 49, p. 271-284, 2003.

LIMA, Michelle P. As mulheres na ciência da computação. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 21, n. 3, p. 496, set./dez. 2013 .

MARSHALL, Thomas Humphrey. Social policy in the twentieth century. 2. ed. Londres: Hutchinson, 1967.

MOGHADAM, Valentine. Transnational feminist networks. International sociology

SAGE, London, v. 15, n. 1, 2000.

NASCIMENTO, Janaína Xavier. Para uma teoria da identidade na modernidade: mudanças e permanências à luz do reconhecimento e do feminismo. 2005. 180 f. Tese (Doutorado em Sociologia Política) - Universidade Federal de Santa Catarina,

Florianópolis, 2005.

NERI, Marcelo Cortes (Coord.). A nova classe média: o lado brilhante dos pobres. 3.

ed. Rio de Janeiro: FGV/CPS, 2010.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Por uma concepção multicultural de direitos humanos. In: FELDMAN-BIANCO, Bianco; CAPINHA, Graça (Org.). Identidades:

estudos de cultura e poder. São Paulo: Hucitec, 2000.

SCHERER-WARREN, Ilse. Redes de movimentos sociais. São Paulo: Edições Loyola, 1993.

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL - TSE. Estatísticas eleitorais 2014. Brasília: TSE, 2014. Disponível em: . Acesso em: 13 nov. 2014.

WALBY, Sylvia. Cidadania e transformações de gênero. In: TATAU, Godinho; SILVEIRA, Maria Lucia (Org.). Políticas públicas e igualdade de gênero. São Paulo: Coordenadoria Especial da Mulher, 2004. p. 169-182.

WALBY, Sylvia. Theorizing patriarchy. Oxford: Blackwell, 1990.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2016v21n1p317

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International