Respeito e reciprocidade, referenciais da moralidade kaingang.

Lucas Cimbaluk

Resumo


Este artigo propõe o conceito de moralidade para a análise da sociabilidade kaingang como fundada na reciprocidade e no respeito. Além da generosidade e da troca, a “lei” interna é um elemento retórico e prático a propor formas de comportamento vistas como necessárias para evitar a “bagunça” e garantir o respeito entre as famílias, condenando-se os “erros”. Reciprocidade e respeito são defendidos neste trabalho como elementos fundamentais ao próprio poder atribuído ao cacique, posição que condensa tais referenciais, uma vez que a chefia deve representar um exemplo a todos os demais e articular os diferentes grupos que compõem a comunidade. Desta maneira, a moralidade, marcada espacial e temporalmente, regula a própria composição da coletividade, enquanto parentagens e famílias vivendo em conjunto, e define possibilidades de oposição quando é preciso redefinir alteridades.


Palavras-chave


Kaingang; Moralidade; Chefia; Terra indígena Apucarana.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Ledson Kurtz. Análise antropológica das igrejas cristãs entre os kaingang: baseada na etnografia, na cosmologia e no dualismo. 2004. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2004.

AQUINO, Alexandre Magno de. Ën ga uyg ën tóg (“nós conquistamos nossas terras”): os Kaingang no litoral do Rio Grande do Sul. 2008. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

CIMBALUK, Lucas. A criação da aldeia água branca na terra indígena Kaingang Apucaraninha: “política interna”, moralidade e cultura. 2013.

Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2013.

CLASTRES, Pierre. A sociedade contra o Estado: pesquisas de antropologia política. São Paulo: Cosac&Naify, 2003.

DICIONARIO: kaingáng-português, português-kaingáng. Brasília: Summer Institute of Linguistics, 1981.

FERNANDES, Ricardo Cid. O “15” e o “23”: políticos e políticas Kaingang. Revista Campos, Curitiba, v. 7, n. 2, p.27-47, 2006.

FERNANDES, Ricardo Cid. Política e parentesco entre os Kaingang. 2003. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

GORDON, César. Economia selvagem: ritual e mercadoria entre os índios Xikrin-Mebêngôkre. São Paulo: Ed. UNESP, ISA; Rio de Janeiro: NUTI, 2006.

GOW, Peter. “Ex-Cocama”: identidades em transformação na amazônia peruana. Mana, Rio de Janeiro, v. 9, n. 1, p. 57-79, 2003.

GOW, Peter. An Amazonian myth and its history. Oxford: Oxford University Press, 2001.

GOW, Peter. Of mixed blood: kinship and history in Peruvian Amazonia. Oxford: Oxford Clarendon Press, 1991.

OVERING, Joanna; PASSES, Alan. introduction: conviviality and the opening up of amazonian anthropology. In: ______. The anthopology of love and anger: the aesthetics of conviviality in Native Amazonia. London; New York: Routledge, 2000. p. 1-30.

RAMOS, Luciana Maria de Moura. Vénh Jykré e Ke Há Han Ke: permanência e mudança do sistema jurídico dos kaingang no Tibagi. 2008. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Instituto de Ciências Sociais, Universidade de Brasília, 2008.

SOUZA, Marcela S. Coelho. O traço e o círculo: o conceito de parentesco entre os Jê e seus antropólogos. 2002. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro -UFRJ, Rio de Janeiro, 2002.

SULKIN, Carlos David Lodoño. People of substance: an ethnography of morality in the Colombian Amazon. London: University of Toronto Press, 2012.

TEIXEIRA-PINTO, Márnio. IEIPARI – Sacrifício e vida social entre os índios Arara. São Paulo: HUCITEC; ANPOCS; Curitiba: Editora da UFPR, 1997.

TOMMASINO, Kimiye. A história dos Kaingang da bacia do Tibagi: uma sociedade Jê Meridional em Movimento. 1995. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Universidade de São Paulo, 1995.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2014v19n2p146

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International