Reciprocidade, Moralidades e o Ethos Guerreiro no Uri: Práticas Kaingang na Universidade Estadual de Londrina

Ana Caroline Goulart

Resumo


A partir de 2002, as universidades estaduais no Paraná foram marcadas pela presença de alunos kaingang e guarani, através do ingresso pelo Vestibular Diferenciado Indígena, sancionado pela Lei 11.345/01, no governo de Jaime Lerner, propiciando experiências diversas para esses grupos étnicos, tanto em seu sentido individual, quanto coletivo. Muitos projetos e expectativas são construídos para a formação superior indígena, envolvendo diferentes agentes e situações. Enfatizo neste artigo os sentidos das relações entre alunos e lideranças kaingang e os agentes institucionais nesse novo contexto, olhando para essas relações como sendo pautadas pela reciprocidade que, por sua vez é produtora dos conflitos, conflitos que são interpretados como geradores de trocas e potencializadores de uma identidade produzida e reorganizada na universidade.


Palavras-chave


Ensino superior; Kaingang; Agência; Paraná.

Texto completo:

PDF

Referências


CUNHA, Manuela Carneiro da. “Cultura” e cultura: conhecimentos tradicionais e direitos intelectuais. In:CUNHA, Manuela Carneiro da. Cultura com aspas: e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify, 2009.

CIMBALUK, Lucas. A criação da aldeia Água Branca na Terra Indígena Kaingang Apucaraninha: “política interna”, moralidade e cultura. 2013. 250 fls. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2013.

CLASTRES, Pierre. Sociedade contra o Estado: pesquisas de antropologia política. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

FERNANDES, R. C. Política e parentesco entre os Kaingang: uma análise etnológica. 2003. 288 fls. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

LAGROU, Els. Rir do poder e o poder do riso nas narrativas e performances Kaxinawá. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 49, n. 1, p. 55-90, 2006.

MAUSS, Marcel. Ensaio sobre a dádiva: forma e razão da troca nas sociedades arcaicas. In: MAUSS, Marcel. Sociologia e antropologia. São Paulo: EPU: EDUSP, 1974. v. 2.

MOTA, Lucio Tadeu. As guerras dos índios Kaingang: a história épica dos índios Kaingang no Paraná (1769-1924). Maringá: EDUEM, 1994.

ORTNER, Sherry B. Poder e projetos: reflexões sobre a agência. In: GROSSI, Mirian Pillar; ECKERT, Cornelia; FRY, Peter Henry (Org.). Conferências e diálogos: saberes e práticas antropológicas. Blumenau: Nova Letra, 2007.

PALADINO, Mariana. Estudar e Experimentar a cidade: Trajetórias sociais, escolarização e experiência urbana entre “Jovens”indígenas ticuna, Amazonas. 2006. 352 fls. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

RAMOS, Luciana Maria de Moura. Venh Jykre e Ke Ha Han Ke: Permanência e

Mudança do Sistema Jurídico dos Kaingang no Tibagi. 2008. 252 fls. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

RODRIGUES, Isabel Cristina; WAWZYNIAK, João Valentin. Inclusão e permanência

de estudantes indígenas no ensino superior público no Paraná: reflexões. 2006.

TOMMASINO, Kimiye. A história dos Kaingang da bacia do Tibagi: uma sociedade Jê meridional em movimento. 1995. 348 fls. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1995.

TOMMASINO, Kimiye. Os Kaingang e os Guarani no Paraná: inimigos míticos no passado, aliados políticos no presente. In: Reunião da Associação Brasileira de Antropologia – ABA, 18., 1992. Belo Horizonte, 1992.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2014v19n2p111

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International