O Perspectivismo indígena é somente indígena? Cosmologia, religião, medicina e populações rurais na Amazônia

Raymundo Heraldo Maués

Resumo


O artigo pretende discutir aspectos da cosmologia e do ethos de populações rurais de três mesorregiões da Amazônia: Nordeste Paraense, Baixo Amazonas e Sudeste Paraense, que têm muito a ver com questões relacionadas à religião e saúde. A discussão é baseada em parte na experiência de trabalho de campo do autor, sobretudo na microrregião do Salgado e na literatura antropológica que aborda o tema em todas essas áreas da Amazônia. Trata-se também de fazer homenagem ao antropólogo João Valentin Wawzyniak, cujo trabalho de pesquisa e cujas publicações representam um avanço importante no conhecimento dessa temática.

Texto completo:

PDF

Referências


BUCHILLET, Dominique. Tuberculose, cultura e saúde pública. Brasília: DAN, 2000.

CASTRO, Eduardo Viveiros de. Cosmological deixis and amerindian perspectivism. The Journal of the Royal Anthropological Institute, London, v. 4, n. 3, p. 469-488, 1998.

CAVALCANTE, Patrícia Carvalho. De nascença ou de simpatia: iniciação, hierarquia e atribuições dos mestres na pajelança marajoara. 2008. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais). Universidade Federal da Pará, Belém.

CRAVALHO, Mark. An invisible universe of evil: supernatural malevolence and personal experience among Amazon peasants. 1993. Dissertação (Doutorado em Antropologia) - University of Califórnia, San Diego.

CARVALHO, Mark. De doente a “encantado”: o conceito de mecanismo de defesa constituído culturalmente e a experiência de uma vítima de ‘espírito mau’ em uma comunidade rural na Amazônia. In: ALVES, Paulo César; RABELO, Mirian Cristina (Org.). Antropologia da saúde: traçando identidades e explorando fronteiras. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1998. p. 155-177.

ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano: a essência das religiões. Lisboa: Livros do Brasil, 1957.

ELIADE, M. O xamanismo e as técnicas arcaicas do êxtase. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

EVANS-PRITCHARD, Edward Evan. Witchcraft, oracles and magic among the azande. Oxford: Clarendon Press, 1937.

FIGUEIREDO, Aldrin Moura de. A cidade dos encantados: pajelanças, feitiçarias e religiões afro-brasileiras na Amazônia, 1870-1950. Belém: Edufpa, 2009.

FIGUEIREDO, Napoleão. Os “bichos” que curam: os animais e a medicina de ‘folk’ em Belém do Pará. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Série Antropologia, Belém, v. 10, n. 1, p. 75-91, 1994.

FIGUEIREDO, N. Pajelança e catimbó na região Bragantina. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas, Maceió, v. 32, p. 41-52, 1976.

FIGUEIREDO, Napolieão. Rezadores, Pajés & Puçangas. Belém: UFPA, 1979.

FIGUEIREDO, Napoleão; SILVA, Anaiza Vergolino. Festas de santos e encantados. Belém: Academia Paraense de Letras, 1972.

GALVÃO, Eduardo. Santos e visagens: um estudo da vida religiosa de Itá, Baixo Amazonas. São Paulo: Nacional, 1955.

HARRIS, Mark. Life on the Amazon: the anthropology of a Brazilian Peasant Village. Oxford: The Oxford University Press, 2000.

HARRIS, Mark. Presente ambivalente: uma maneira amazônica de estar no tempo. In: MURRIETA, Rui; ADAMS, Cristina; NEVES, Walter (Org.): Sociedades caboclas amazônicas: modernidade e invisibilidade. São Paulo: Annablume, 2006. p. 81- 108.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O pensamento selvagem. São Paulo: Nacional, 1970.

LIMA AYRES, Déborah de Magalhães. A construção histórica da categoria caboclo: sobre estruturas e representações sociais no meio rural. Novos Cadernos NAEA, Belém, v. 2, n. 2, p. 5-32, 1999.

LIMA AYRES, Deborah de MAgalhães. The social category caboclo: history, identity and outsider’s social classification of a rural population of the Amazon Middle Solimões River. 1992. Tese (Doutorado em Antropologia) - University of Cambridge, Cambridge.

MARTINS, José de Souza. O tempo da fronteira: retorno à controvérsia sobre o tempo histórico da frente de expansão e da frente pioneira. Tempo Social, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 25-70, 1996.

MARTINS, José de Souza. Os camponeses e a política no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1981.

MARTON, Scarlett. Nietzsche: das forças cósmicas aos valores humanos. Belo Horizonte: UFMG, 2000.

MAUÉS, Raymundo Heraldo. A ilha encantada: medicina e xamanismo numa comunidade de pescadores. 1977. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Universidade de Brasília, Brasília.

MAUÉS, Raymundo Heraldo.A ilha encantada: medicina e xamanismo numa comunidade de pescadores. Belém: UFPA, 1990.

MAUÉS, Raymundo Heraldo.O simbolismo e o boto na Amazônia: religiosidade, religião, identidade. História Oral, Rio de Janeiro, v. 9, n. 1, p. 11-28, 2008.

MAUÉS, Raymundo Heraldo. Padres, pajés, santos e festas: catolicismo popular e controle eclesiástico. Belém: CEJUP, 1995.

MAUÉS, Raymundo Heraldo; VILLACORTA, Gisela Macambira. Pajelança e encantaria amazônica. In: PRANDI, Reginaldo (Org.). Encantaria brasileira: o livro dos mestres, caboclos e encantados. Rio de Janeiro: Pallas, 2001. p. 11-58.

MOTT, Luis. Etnodemonologia: a vida sexual do Diabo no mundo ibero-americano. Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p. 64-99, 1985.

MOTTA-MAUÉS, Maria Angélica. A questão étnica: índios, brancos, negros e caboclos. In: LOUREIRO, Violeta R. (Org.). Estudos e problemas Amazônicos. Belém: IDESP/SEDUC, 1989. p. 196-204.

MURRIETA, Rui S. S. Dialética do sabor: alimentação, ecologia e vida cotidiana em comunidades ribeirinhas da ilha de Ituqui, baixo Amazonas, Pará. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 44, n. 2, p. 39-88, 2001.

MURRIETA, Rui S. S. O dilema do papa-chibé: consumo alimentar, nutrição e práticas de intervenção na Ilha de Ituqui, Baixo Amazonas, Pará. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 41, n. 1, p. 97-145, 1998.

MUSUMECI, Leonarda. O mito da terra liberta (colonização “espontânea”, campesinato e patronagem na Amazônia Oriental): ANPOCS/Vértice. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1988.

NIETZSCHE, Frederico. A gaia ciência. Lisboa: Guimarães, 2000.

NOVAES, Regina Reys. De corpo e alma: catolicismo, classes sociais e conflitos no campo. Rio de Janeiro: Graphia, 1997.

NOVAES, Regina Reys. Os escolhidos de Deus: pentecostais, trabalhadores & cidadania. Rio de Janeiro: ISER/Marco Zero, 1985. (Cadernos do ISER 19).

QUINTAS, Gianno Gonçalves. Entre maracás, curimbas e tambores: pajelanças nas religiões afro-brasileiras. 2007. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais). Universidade Federal do Pará, Belém.

RODRIGUES, Carmem Izabel. Caboclos na Amazônia: a identidade na diferença. Novos Cadernos NAEA, Belém, v. 9, n. 1, p. 119-130, 2006.

SALLES, Vicente. Cachaça, pena e maracá. Brasil Açucareiro, Rio de Janeiro, v. 27, n. 74, p. 46-55, 1967.

SIGAUD, Lygia. Os clandestinos e os direitos. São Paulo: Duas Cidades, 1979. SILVA, Andréa L. Comida de gente: preferências e tabus alimentares entre os ribeirinhos do Médio Rio Negro (Amazonas, Brasil). Revista de Antropologia, São Paulo, v. 50, n. 1, p. 125-179, 2007.

SILVA, Maria Ivonete Coutinho. Mulheres migrantes na transamazônica: construção da ocupação e do fazer política. 2008. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) - Universidade Federal do Pará, Belém.

SILVA, Tatiana Lins. Os curupira foram embora: economia, política e ideologia numa comunidade amazônica. 1980. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

SLATER, Candace. Dance of the dolphin: transformation and disenchantment in the Amazonian imagination. Chicago: The University of Chicago Press, 1994.

SMITH, Nigel. Man, Fishes, and the Amazon. Gainesville: Florida University Press, 1982.

SOARES, José Arlindo. A frente do Recife e o governo de Arraes. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

TRINDADE, Raida Renata Reis. Aqui a cura é de verdade: reflexões em torno da cura xamânica em São Caetano de Odivelas-PA. 2007. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Universidade Federal do Pará, Belém.

VELHO, Otávio. Besta-Fera: recriação do Mundo. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1995.

VELHO, Otávio. Frentes de expansão e estrutura agrária. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

WAGLEY, Charles. Uma comunidade Amazônica. São Paulo: Nacional, 1977.

WAWZYNIAK, João Valentin. “Engerar” uma categoria cosmológica sobre pessoa, saúde e corpo. Ilha, Florianópolis, v. 5, n. 2, p. 33-55, 2003.

WAWZYNIAK, João Valentin. Agentes comunitários de saúde: transitando e atuando entre diferentes racionalidades no rio Tapajós, Pará, Brasil. Campos, Curitiba, v. 10, n. 2, p. 59- 81, 2009.

WAWZYNIAK, João Valentin. Assombro de olhado de bicho: uma etnografia das concepções e ações em saúde entre os ribeirinhos do baixo Tapajós, Pará – Brasil. 2008. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

WAWZYNIAK, João Valentin. Curupira engerado em IBAMA: apreensão de um órgão público federal em termos cosmológicos locais”. Teoria & Pesquisa, São Carlos, v. 44/45, p. 5-18, 2004.

WAWZYNIAK, João Valentin. Humanos e não-humanos no universo transformacional dos ribeirinhos do rio Tapajós – Pará. In: REUNIÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA, 27., 2010, Belém.

WAWZYNIAK, João Valentin. Percepção da internação e do ambiente hospitalar por ribeirinhos do Tapajós, Pará, Brasil. Revista Tempus Actas de Saúde Coletiva, Brasília, v. 5, n. 2, p. 89-104, 2011.

WOORTMANN, Klaas. Hábitos e ideologias alimentares em grupos sociais de baixa renda: relatório final. Brasília: DAN, 1978.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2012v17n1p33

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International