Ka’á Watá, “andar na floresta”: caça e território em um grupo Tupi da Amazônia

Uirá Garcia

Resumo


Com base na análise das formas pelas quais o território é concebido e utilizado durante as caçadas em um povo tupi-guarani da Amazônia oriental, os Awá-Guajá, o presente artigo propõe uma primeira análise sobre a concepção de território e mobilidade territorial neste povo. Apresento as noções de harakwá e watá, argumentando que as ações envolvidas na floresta, expressas sobretudo pelas ideias de “andar” e “caçar”, são centrais para o entendimento da territorialidade awá-guajá.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERT, Bruce; MILIKEN, William. Urihi A: a terra-floresta Yanomami. São Paulo: ISA-IRD, 2009.

BALÉE, William. Footprints of the forest: Ka’apor ethnobotany – the historical ecology of plant utilization by an amazonian people. New York: Columbia University Press, 1994.

BIRD-DAVID, Nurit. Beyond the original affluent society: a culturalist reformulation. Current Anthropology, Chicago, v. 33, n. 1, p. 25-47, 1992.

BRIGHTMAN, Robert. The sexual division of foraging labor: biology, taboo, and gender politics. Comparative Studies in Society and History, Cambridge, v. 38, n. 4, p. 687-729, 1996.

CORMIER, Loretta A. Kinship with monkeys: the Guajá foragers of eastern Amazonia. New York: Columbia University Press, 2003.

DESCOLA, Philippe. La selva culta: simbolismo y praxis en la ecologia del los Ashuar. Quito: Abya-Yala, 1998.

DESCOLA, Philippe. As lanças do crepúsculo: relações jívaro na Alta Amazônia. São Paulo: Cosac Naify, 2006.

DOOLEY, Robert A. Vocabulário do Guarani. Brasília: Summer Institute of Linguistics, 1982.

FAUSTO, Carlos. Inimigos fiéis: história, guerra e xamanismo na Amazônia. São Paulo: EDUSP, 2001.

FORLINE, Louis Carlos. The persistence and cultural transpormation of the Guajá indians: foragers of Maranhão State, Brazil. 1997. Thesis (Doctor in Anthropology) - University of Florida, Miami.

GALLOIS, Dominique Tilkin. O movimento na cosmologia Waiãpi: criação, expansão e tranformação do universo. 1988. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Universidade de São Paulo, São Paulo.

GARCIA, Uirá F. Karawara: a caça e o mundo dos Awá-Guajá. 2011. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade de São Paulo, São Paulo.

GOMES, Mércio Pereira. O povo Guajá e as condições reais para sua sobrevivência. In: Povos indígenas no Brasil 1987/88/89/90. In: RICARDO, Carlos Alberto. Povos indígenas no Brasil 1987/88/89/90. São Paulo: Centro Ecumênico de Documentação e Informação – CEDI, 1991. p. 354-369.

HOLMBERG, Allan R. Nomads of the long bow: the Siriono of Eastern Bolivia. New York: The Natural History Press, 1969.

HUXLEY, Francis. Selvagens amáveis: um antropologista entre os índios Urubus do Brasil. Rio de Janeiro: Companhia Editora Nacional, 1963.

INGOLD, Tim. The perception of the environment: essays in livelihood, dwelling and skill. London: Routledge, 2000.______. Lines: a brief history. London: Routledge, 2007.

JARA, Fabíola. El camino del kumu: ecología y ritual entre los Akuriyó de Surinam. Quito: Abya-Yala, 1996.

LARAIA, Roque. Tupi: índios do Brasil atual. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1986.

LEE, Richard; DALY, Richard. The Cambridge encyclopedia of hunters and gatherers. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O cru e o cozido. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

LIMA, Tânia Stolze. O dois e seu múltiplo: reflexões sobre o perspectivismo em uma cosmologia tupi. Mana: Estudos de Antropologia Social, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 21-47, out. 1996.

RIVAL, Laura M. Introduction: South America. In: LEE, Richard; DALY, Richard. The Cambridge encyclopedia of hunters and gatherers. Cambridge: Cambridge University Press, 1999. p.77-84.

RIVAL, Laura M. Trekking through history: the Huaorani of Amazonian Ecuador. New York: Columbia University Press, 2002.

RIVIÈRE, Peter. Individual and society in Guiana: a comparative study of amerindian social organisation. Cambridge: Cambridge University Press, 1984.

STERMAN, Allyn MacLean. Yuquí: forest nomads in a changing world. Mason, OH: Thomson Learning, 2001

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Araweté: os deuses canibais. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1986.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio. Mana: Estudos de Antropologia Social, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 115-144, out. 1996.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2012v17n1p172

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International