Em nome da ordem: a cultura política anticomunista nas forças armadas brasileiras (1935-1985)

Mauro Eustáquio Costa Teixeira

Resumo


Este artigo analisa as formulações de caráter anticomunista presentes nas “ordens do dia” através das quais os comandantes militares brasileiros comemoravam, a cada ano, as vitórias das Forças Armadas em 1935, contra a chamada “Intentona Comunista”, em 1964, no golpe que derrubou o governo constitucional de João Goulart. Buscamos, nestes discursos, elementos que permitem caracterizar o anticomunismo militar como uma cultura política que orientou o comportamento das instituições castrenses do Brasil ao longo do século XX.

Palavras-chave


Anticomunismo; Militares; Cultura política; Brasil republicano.

Texto completo:

PDF

Referências


BERNSTEIN, Serge. A cultura política. In: RIOUX, Jean-Pierre; SIRINELLI, JeanFrançois (Org.). Para uma história cultural. Lisboa: Estampa, 1988. p. 349-63.

BONET, Luciano. Anticomunismo. In: BOBBIO, Norberto (Org.). Dicionário de política. Brasília: Universidade de Brasília, 1998. v. 2, p. 34-35.

CARVALHO, Ferdinando (Org.). Lembrai-vos de 35! Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 1981.

CASTRO, Celso. A invenção do exército brasileiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

CASTRO, Celso. Comemorando a revolução de 1964. In: FICO, Carlos; FERREIRA, Marieta de Moraes; ARAÚJO, Maria Paula; QUADRAT, Samantha Viz (Org.). Ditadura e democracia na América Latina. Balanço histórico e perspectivas. Rio de Janeiro: FGV, 2009. p. 116-42.

CHAUÍ, Marilena. Brasil: mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2000.

CLICHÊS políticos se renovaram. Folha de S. Paulo, 31 mar. 1984. p. 6. DISCURSO do Presidente. Jornal do Brasil, 1 abr. 1978. p. 9.

FAUSTO, Boris. O pensamento nacionalista autoritário (1920-1940). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

GEISEL fala da Revolução a cúpula militar e civil. Jornal do Brasil, 1 abr. 1978. p. 9. GORENDER, Jacob. Combate nas trevas. São Paulo: Ática, 2003.

Hoje, às 10h, Araçá: enterro do soldado vítima do atentado. Folha de S. Paulo, 27 jun. 1968. p. 1.

HUNTINGTON, Samuel P. O soldado e o estado: teoria e política das relações entre Civis e Militares. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 1996

JANOWITZ, Morris. O soldado profissional: estudo social e político. Rio de Janeiro: GRD, 1967.

MOTTA, Rodrigo Patto de Sá. Em guarda contra o perigo vermelho o anticomunismo no Brasil (1917-1964). São Paulo: Perspectiva, 2002.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. A história política e o conceito de cultura política. Revista de História, Mariana, n. 6, 1996.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. Culturas políticas na história: novos estudos. Belo Horizonte: Argvmentum, 2009.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. O anticomunismo militar. In: 1964-2004 – 40 anos do golpe. Ditadura militar e resistência no Brasil. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2004, p. 295-302.

O DISCURSO do Presidente. Jornal do Brasil, 1 abr. 1980. p. 4.

PEREIRA, Luisa Rauter. Sílvio Romero, o problema do povo-nação e o pensamento social brasileiro. História & Perspectivas, Uberlândia, v. 22, n. 39, p. 221-239, jul./dez. 2008.

PINHEIRO FILHO, Fernando Antônio. A invenção da ordem: intelectuais católicos no Brasil. Tempo Social, São Paulo, v. 19, n. 1, jun. 2007.

POVO atira flores sobre o corpo do soldado. Folha de S. Paulo, 28 jun. 1968. p. 16.

SOUZA, Ricardo Luiz. Nacionalismo e autoritarismo em Alberto Torres. Sociologias, Porto Alegre, v. 7, n. 13, p. 302-323, jan./jun. 2005.

TEIXEIRA, Mauro. A democracia fardada: imaginário político e negação do dissenso durante a transição brasileira. AEDOS, Rio Grande do Sul, n. 13, v. 5, p. 58-78, ago./dez. 2013.

TEIXEIRA, Mauro. A revanche dos vencedores: história, memória e luta política no Orvil. 2012. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana: UFOP, 2012.

VERGOTTINI, Giuseppe. Ordem pública. In: BOBBIO, Norberto (Org.). Dicionário de política. Brasília: Universidade de Brasília, 1998. v. 2, p. 851.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2014v19n1p151

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International