O fascismo como modelo: incorporação da "carta del lavoro" na via brasileira para o corporativismo autoritário da década de 1930

Fabio Gentile

Resumo


O debate sobre a influência do corporativismo fascista na “Era Vargas” polariza-se em torno do confronto entre aqueles que apoiam a tese de que a legislação trabalhista dos anos 1930 seria apenas uma cópia da “Carta del lavoro”, e aqueles que querem libertá-la do modelo italiano. Neste trabalho pretendemos seguir um percurso metodológico e conceitual diferente. O objetivo é abrir um dialogo entre o debate sobre o fascismo como “fenômeno em andamento” e aquele processo de “circulaçãocompartilhada” de ideias em nível global entre as duas guerras mundiais, de forma a analisar como a “Carta del lavoro” foi recebida e reelaborada na via brasileira para o corporativismo autoritário da década de 1930.


Palavras-chave


Corporativismo; Fascismo; Autoritarismo; Era vargas; Carta del lavoro.

Texto completo:

PDF

Referências


BIAVASCHI, Magda. O direito do trabalho no Brasil (1930-1942): a construção do sujeito de direitos trabalhistas. São Paulo: LTR, 2007.

CARDOSO, Fernando Henrique; FALETTO, Enzo. Dependência e desenvolvimento na América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1970.

CARNELUTTI, Francesco. Teoria del regolamento collettivo del lavoro. Padova: Cedam, 1927.

COLLOR, Lindolfo. Origens da legislação trabalhista brasileira. Porto Alegre: Fundação Paulo do Couto e Silva, 1990.

FERREIRA, Waldemar. Justiça do trabalho. Revista do Trabalho, Rio de Janeiro, n. 5, p. 233-236, 1937.

GAGLIARDI, Alessio. Il corporativismo fascista. Roma-Bari: Laterza, 2010.

GOMES, Angela Maria Castro. A invenção do trabalhismo. Rio de Janeiro: Iuperj, 1988.

LINZ, Juan. Some notes toward a comparative study of fascism in sociological historical perspective. In: LAQUEUR, Walter (Org.). Fascism. A Reader´s Guide. Berkeley-Los Angeles: University of California Press, 1976.

MANN, Michael. Fascists. Cambridge: Cambridge University Press, 2004. MANOILESCU, Mihail. O século do corporativismo. Rio de Janeiro: José Olympio, 1938. PAXTON, Robert O. Il fascismo in azione. Milano: Mondadori, 2005.

PIMENTA, Joaquim. O sindicato verdadeiro e o sindicato fascista. Revista do Trabalho, Rio de Janeiro, n. 7, p. 15-17, 1934.

RANELLETTI, Oreste. Istituzioni di diritto pubblico. Padova: Cedam, 1937. ROCCO, Alfredo. Che cosa è Il nazionalismo e che cosa vogliono i nazionalisti. Roma: Associazione Nacionalista, 1914.

ROCCO, Alfredo. Discorsi parlamentari. Bologna: Il Mulino, 2005. ROMITA, Arion Sayão. O fascismo no direito do trabalho brasileiro: influência da carta Del Lavoro sobre a legislação brasileira. São Paulo: LTR, 2001.

VARGAS, Getulio. A nova política do Brasil: da aliança liberal às realizações do primeiro ano de governo, 1930-1931. Rio de Janeiro: José Olympio, 1938. v. 1.

VIANNA, Francesco José Oliveira. Problemas de política objetiva. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1930.

VIANNA, Francesco José Oliveira. Problemas de direito corporativo. Rio de Janeiro: José Olympio, 1938.

VIANNA, Francesco José Oliveira. As diretrizes da nova política do Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio, 1943. VIANNA, Francesco José Oliveira. Os sindicatos são os intermediários naturais e legais entre as classes e o poder público. Revista do Trabalho, n. 2, p. 13, 1933.

VIANNA, Francesco José Oliveira. Problemas de direito sindical. Rio de Janeiro: Max Limonad, 1943.

VIANNA, Luis W. Liberalismo e sindicato no Brasil. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1976.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2014v19n1p84

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International