O fascismo como modelo: incorporação da "carta del lavoro" na via brasileira para o corporativismo autoritário da década de 1930

Fabio Gentile

Resumo


O debate sobre a influência do corporativismo fascista na “Era Vargas” polariza-se em torno do confronto entre aqueles que apoiam a tese de que a legislação trabalhista dos anos 1930 seria apenas uma cópia da “Carta del lavoro”, e aqueles que querem libertá-la do modelo italiano. Neste trabalho pretendemos seguir um percurso metodológico e conceitual diferente. O objetivo é abrir um dialogo entre o debate sobre o fascismo como “fenômeno em andamento” e aquele processo de “circulaçãocompartilhada” de ideias em nível global entre as duas guerras mundiais, de forma a analisar como a “Carta del lavoro” foi recebida e reelaborada na via brasileira para o corporativismo autoritário da década de 1930.


Palavras-chave


Corporativismo; Fascismo; Autoritarismo; Era vargas; Carta del lavoro.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2014v19n1p84

Direitos autorais 2020 Mediações - Revista de Ciências Sociais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International