Operação Odessa: a fuga dos criminosos de guerra nazistas para a América Latina após a segunda guerra mundial e os caçadores de nazistas

Marcos Eduardo Meinerz

Resumo


O presente artigo visa analisar o porquê da América Latina, principalmente a Argentina, ter sido a região do mundo que mais abrigou nazistas criminosos de guerra, como Josef Mengele, Adolf Eichmann e Klaus Barbie após a Segunda Guerra Mundial. E como esse fato deu o mote para aparição de obras literárias sobre fantásticas aventuras de “caçadores de nazistas” em busca do paradeiro dessas pessoas. Para tanto, na primeira parte do artigo abordaremos a fuga desses nazistas para a América Latina, para em seguida analisarmos algumas obras literárias de autores que se autointitularam como caçadores de nazistas.

Palavras-chave


IV Reich; Nazismo; América Latina; Imaginário.

Texto completo:

PDF

Referências


BERTONHA, João Fabio. Nazismo, ocultismo e conspirações. História Unisinos, São Leopoldo, v. 11, n. 3, p. 381-384, 2007.

BURNSIDE, Patrick. El escape de Hitler. Buenos Aires: Planeta, 2000.

COMISIÓN PARA EL ESCLARECIMIENTO DE LAS ACTIVIDADES DEL NAZISMO EN ARGENTINA - CEANA. Primer informe de avance. Buenos Aires, Argentina, mar. 1998.

COSTA, Sergio Correa. Crônicas de uma guerra secreta. Rio de Janeiro: Record, 2004.

DE NAPOLI, Carlos; SALINA, Juan. Ultramar Sul: a última operação secreta do Terceiro Reich. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

ERDSTEIN. Erich; BEAN, Bárbara. Renascimento da Suástica no Brasil. São Paulo: Circulo do Livro, 1977.

FARAGO, Ladislas. Aftermath: Martin Bormann and the Fourth Reich. New York: Simon and Shuster, 1974.

FARAGO, Ladislas. Aftermath: the most daring manhunt of our time. The Final Search for Martin Bormann. New York: Simon and Schuster, 1975.

FARAGO, Ladislas. Scheinot. Hamburg: Hoffmann and Campe Verlag, 1975.

FORSYTH, Frederick. O Dossiê Odessa. São Paulo: Abril Cultura, 1982.

GOÑI, Uki. A verdadeira odessa. Rio de Janeiro: Record, 2004.

JACKISH, Carlota. Cuantificación de criminales de guerra según fuentes Argentinas. In: CEANA. Comisión para el Esclarecimiento de las Actividades del Nazismo en Argentina. Informe Final. Argentina, 1999.

LOWENTHAL, David. Como conhecemos o passado. In: Projeto História, São Paulo, n. 17, p. 63-201, nov. 1998.

MAUCH, Cláudia. Os alemães no sul do Brasil. Canoas: Ed. ULBRA, 1994.

MEDING, M. Holger. Cuantificacion de criminales de guerra segun fuentes alemanas y austríacas. In: CEANA. Comisión para el Esclarecimiento de las Actividades del Nazismo en Argentina. Primer informe de avance. Argentina,1998.

PALÁCIOS, ARIEL. Peron e o terceiro Reich. 2009. Disponível em: . Acesso em: 8 jan. 2013.

SANFILIPPO, Matteo. Los papeles de Hudal como fuente para la historia de la migración de alemanes y nazis después de la Segunda Guerra Mundial. Estudios Migratorios Latinoamericanos, v. 14, n. 43, p. 185-210, 1999.

SZABO, Lasdilao. Hitler está vivo. Argentina: Tabano, 1947.

WHITING, Charles. À caça de Martin Bormann. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1977.

WILLIAMS, Gerrard; DUNSTAN, Simon. Grey Wolf: the escape of Adolf Hitler. United Kingdom: Sterling, 2011.

WIESENTHAL, Simon. Biografias. Disponível em: . Acesso em: 21 jan. 2010.

NINIO, Marcelo. Mossad descobriu Mengele no Brasil, mas não o deteve. Folha de São Paulo, São Paulo, 31 de out. 2010. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/po3110201002.htm

GOMES, Laurentino. O passado desvendado. Revista Veja, São Paulo, 11 nov. 1998. p. 138.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2014v19n1p41

Direitos autorais 2020 Mediações - Revista de Ciências Sociais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International