Vontades e leis naturais – liberdade e determinismo no positivismo comtiano

Gustavo Biscaia Lacerda

Resumo


Nas Ciências Sociais, o "positivismo" de modo geral implica naturalismo, i. e., objetivismo e determinismo. No Positivismo comtiano, porém, as leis naturais são compatíveis com subjetividade e historicidade, devido a uma série de motivos: (1) pressupõe-se a intervenção humana (afinal, conhecem-se as leis para melhor agir); (2) as Ciências Sociais, ou melhor, na terminologia comtiana, a Sociologia é uma das mais complexas ciências e, portanto, é uma das mais modificáveis em suas aplicações e manifestações concretas; (3) o acúmulo teórico, metodológico, histórico e moral da Sociologia permite-lhe e até a obriga a modificar os métodos e as teorias das Ciências Naturais. Assim, há amplos vínculos entre Epistemologia, Sociologia e política prática, em particular via idéia de "liberdade de ação", o que ordinariamente resulta na dicotomia determinismo-vontade. Interessa aí o conceito comtiano de "vontade positiva": vista inicialmente como teológico-metafísica, ela foi introduzida na fase mais madura de Comte, em que a preocupação não era estabelecer as condições de cientificidade e as características da Sociologia, mas já elaborar os termos concretos da intervenção humana na sociedade e no mundo. Dessa forma, o presente artigo apresentará as etapas do conceito comtiano de "vontade", conforme exposto acima, relacionando-o também com o conceito de "liberdade filosófica" (ou seja, a própria possibilidade de intervenção humana no mundo). 


Palavras-chave


Augusto Comte; Determinismo; Liberdade; Vontade.

Texto completo:

PDF

Referências


ALCÂNTARA, Fernanda Henrique Cupertino. Os clássicos no cotidiano. 3. ed. São Paulo: Arte e Ciência, 2008.

ARON, Raymond. Auguste Comte. In: _____. As etapas do pensamento sociológico. 3. ed. Lisboa: Dom Quixote, 1999.

ARON, Raymond. ¿Qué es una teoría de relaciones internacionales? In: _____. Estudios políticos. Ciudad de México: Fondo de Cultura Económica, 1997.

BAZALGETTE, John S. De la doctrine démocratique et de ses origines. Revue Occidentale, Paris, année 1, n. 1, p. 519-554, 1878.

BERLIN, Isaiah. Dois conceitos de liberdade. In: HARDY, Henry; HAUSHEER, Roger. (Org.). Isaiah Berlin: estudos sobre a humanidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

BOBBIO, Norberto. Igualdade e liberdade. 3. ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 1997.

COMTE, Auguste. Apelos aos conservadores. Rio de Janeiro: Igreja Positivista do Brasil, 1899.

COMTE, Auguste. Catecismo positivista, ou sumária apresentação da religião universal. 4. ed. Rio de Janeiro: Igreja Positivista do Brasil, 1934.

COMTE, Auguste. Discurso sobre o espírito positivo. São Paulo: M. Fontes, 1990.

COMTE, Auguste. Écrits de jeunesse (1816-1828): suivis du mémoire sur la cosmogonie de laplace (1835). Paris: J. Vrin, 1970.

COMTE, Auguste. Opúsculos de filosofia social. Porto Alegre: Globo, 1972.

COMTE, Auguste. Physique social: cours de philosophie positive, leçons 46 à 60. Paris: Hermann, 1975.

COMTE, Auguste. Synthèse subjective ou système universel des conceptions propres a l’état normal de l’humanite. Paris: Fayard, 1856.

COMTE, Auguste. Système de politique positive ou traité de sociologie instituant la religion de l’humanite. 4ème ed. Paris: Larousse, 1929. 4 v.

DENT, Nicholas. J. H. Dicionário Rousseau. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1996.

DUMONT, L. Essays on individualism: modern ideology in anthropological perspective. Chicago: University of Chicago, 1992.

DUTRA, Louis H. A. Introdução à teoria da ciência. 2. ed. Florianópolis: Ed. UFSC, 2004.

DUVERGER, Maurice. Os laranjais do lago Balaton. Brasília: Ed. UNB, 1982. FÉDI, Laurent. Comte. São Paulo: Estação Liberdade, 2008.

GANE, Mike. Auguste Comte. London: Routledge, 2006.

GIDDENS, Anthony. Augusto Comte e o positivismo. In: _____. Em defesa da sociologia. São Paulo: Ed. Unesp. 2000.

GRANGE, Juliette. La philosophie d’Auguste Comte: science, politique, religion. Paris: PUF, 1996.

GUNNELL, John. Teoria política. Brasília: Ed. UnB, 1981. HAYEK, Friedrich A. O caminho da servidão. 6. ed. São Paulo: Instituto Ludwig von Mises Brasil, 2010.

LACERDA, Gustavo Biscaia. Augusto Comte e o “positivismo” redescobertos. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, v. 16, n. 34, p. 319-343, out. 2009a.

LACERDA, Gustavo Biscaia. Augusto Comte “no cotidiano”. 2009b. Disponível em: . Acesso em: 24 jun. 2015.

LACERDA, Gustavo Biscaia. O momento comtiano: república e política no pensamento de Augusto Comte. Florianópolis. 2010. Tese (Doutorado em Sociologia Política) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

LACERDA, Gustavo Biscaia. O positivismo e o conceito de “metafísica”. 2011.

LAFFITTE, Pierre. Cours de philosophie première T. I: theorie positive de l’entendement. Paris: Société Positiviste, 1928.

MENDES, Raymundo Teixeira. As últimas concepções de Augusto Comte. Rio de Janeiro: Igreja Positivista do Brasil, 1898.

PETTIT, Philip. Republicanism: a theory of freedom and government. Oxford: Clarendon, 1997.

SILVA, Ricardo. Identidades da teoria política: entre a ciência, a normatividade e a história. Pensamento Plural, Pelotas, v. 3, p. 9-21, jul./dez. 2008.

STURGIS, Daniel. Is voting a private matter? Journal of Social Philosophy, London, v. 36, n. 1, p. 18-30, Mar. 2005. WOLIN, Richard. The seduction of unreason. Princeton: Princeton University, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2015v20n1p307

Direitos autorais 2020 Mediações - Revista de Ciências Sociais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International