Metáforas da Morte Entre Pós-Punks: Passos Para uma Teoria da Ação Desde Bateson

Carusa Gabriela Biliatto

Resumo


Neste texto apresento como é elaborada a relação entre a reflexividade sobre juventudes, desigualdade e exclusão e a sistematicidade do imaginário sonoro etnografado. O artigo tem por um objetivo monstrar o vínculo entre fazeres musicais e reflexividade no II Festival Woodgothic. A hipótese de trabalho é de que tal vínculo consiste em uma relação de homologia da qual resulta a modalidade de reflexividade que denomino como “reflexividade blues punk”. O referencial teórico da análise parte da abordagem de Gregory Bateson, sobre o ruído e os códigos de comunicação em homologia a padrões de ação; e as formulações de Margaret Archer, sobre reflexividade e conversações internas. Conclui-se que o vínculo entre arte e experiência indica a presença do modo blues punk de reflexividade situado nas várias camadas do cotidiano do agente. O modo blues punk atua como operador prático das categorias de apreciação que deliberam os posicionamentos do agir, portanto, produtos da reflexividade inscrita nas malhas do cotidiano.


Palavras-chave


Teoria da ação; Juventudes; Reflexividade; Metáforas da Morte; Biopoder.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2013v18n2p187

Direitos autorais 2020 Mediações - Revista de Ciências Sociais

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

ISSN: 1414-0543

EISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br