A Pesquisa com Acórdãos nas Ciências Sociais: Algumas Reflexões Metodológicas

Thiago Coacci

Resumo


O presente trabalho busca refletir metodologicamente sobre o desenho das pesquisas com acórdãos, respondendo a) o que um bom desenho de pesquisa deve levar em conta; b) como encontrar e escolher um acórdão; c) quais os pontos fortes e fracos de uma pesquisa com acórdãos, o que é perdido e o que capturado pelos acórdãos; e d) quais métodos e técnicas podem ser utilizados nas pesquisas com acórdãos. Para isso o texto se divide em três partes, aborda inicialmente a discussão sobre metodologia da pesquisa nas Ciências Sociais. A segunda parte apresenta de forma simples para não juristas o que é um acórdão, como é estruturado e qual o caminho percorrido até que seja proferido, bem como os pontos fortes e fracos no uso de acórdãos como fontes de dados. Por último, são apresentados alguns exemplos de pesquisas com acórdãos nas Ciências Sociais para ilustrar quais dados podem ser coletados a partir de acórdãos, quais métodos são compatíveis com a escolha do acórdão como fonte e de que forma esses métodos podem ser utilizados. 


Palavras-chave


Metodologia da pesquisa; Pesquisa com acórdãos; Sociologia e antropologia jurídica.

Texto completo:

PDF

Referências


AVRITZER, Leonardo et al. Para uma nova cartografia da justiça no Brasil. Belo Horizonte: Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, 2010.

BARTELS, Larry M. Some unfulfilled promises of quantitative imperialism. In: BRADY, Henry; COLLIER, David (Org.). Rethinking social inquiry: diverse tools, shared standards. Lanham: Rowman & Littlefield s, 2004. p. 69-74. BAUER, Martin W. Análise de conteúdo clássica: uma revisão. In: BAUER, Martin W.; GASKELL, G. (Org.) Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2003. p.189-217.

BOURDIEU, Pierre. A força do Direito: elementos para uma sociologia do campo jurídico. In: BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. São Paulo: Difel, 1990.

BRADY, Henry; COLLIER, David (Org.). Rethinking social inquiry: diverse tools, shared standards. Lanham: Rowman & Littlefield Publishers, 2004. BRASIL. Constituição. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado, 1988.

BRASIL. Lei n. 5.869, de 11 de janeiro de 1973. Institui o Código de Processo Civil.

BRASIL. Decreto Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941. Código de Processo Penal.

CASTILHO, Ela Wiecko V. Introdução. In: LIMA, Roberto Kant de. Antropologia jurídica. In: LIMA, Antonio Carlos de Souza (Org.) Antropologia e direito: temas antropológicos para estudos jurídicos. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Antropologia, 2012.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Justiça em números 2010: Justiça Estadual. Brasília, 2010.

GERRING, John. Case study research: principles and practices. Cambridge: Cambridge University Press, 2007.

KING, Gary; KEOHANE, Robert; VERBA, Sidney. Designing social inquiry: scientific inference in qualitative research. New Jersey: Princeton University Press, 1994.

LIMA, Roberto Kant de. Antropologia jurídica. In: LIMA, Antonio Carlos de Souza (Org.). Antropologia e Direito: temas antropológicos para estudos jurídicos. Rio de Janeiro, Brasília: Contra Capa, LACED, Associação Brasileira de Antropologia, 2012.

MACHADO, Ida Lúcia. Algumas reflexões sobre elementos de base e estratégias da análise do discurso. Revista Estudos Linguísticos, Belo Horizonte, v. 20, n. 1, p. 187-207, jan./jun. 2012.

MATOS, Marlise. Acesso ao Direito e à justiça brasileiros na perspectiva de gênero/sexualidade, raça/etnia: entre o estado e a comunidade. Belo Horizonte: Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, 2011.

NOBRE, Marcos. Apontamentos sobre a pesquisa em direito no Brasil. Cadernos Direito GV, São Paulo, n. 1, set. 2004.

OLIVEIRA, Fabiana Luci de; SILVA, Virgínia Ferreira da. Processos judiciais como fonte de dados: poder e interpretação. Sociologias, Porto Alegre, ano 7, n. 13, p. 244-259, jan./jun. 2005.

OLIVEIRA, Rosa Maria Rodrigues de. Isto é contra a natureza? Decisões e discursos sobre conjugalidade homoeróticas em tribunais brasileiros. 2009. 256 f. Tese (Doutorado em Ciências Humanas) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009.

SCHRITZMEYER, Ana Lúcia Pastore. Sortilégio de saberes: curandeiros e juízes nos tribunais brasileiros (1900-1990). São Paulo: IBCCRIM, 2004. SCHRITZMEYER, Ana Lúcia Pastore. Etnografia dissonante dos tribunais do júri. Tempo Social, São Paulo, v. 19, n. 2, p. 111-129, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2013v18n2p86

Direitos autorais 2020 Mediações - Revista de Ciências Sociais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International