Indicadores de Desigualdade de Gênero no Brasil

José Eustáquio Diniz Alves, Suzana Marta Cavenaghi

Resumo


As mulheres brasileiras conquistaram diversas vitórias parciais no século XX: obtiveram o direito de voto, em 1932, mas não conseguiram ultrapassar o teto de 10% de deputadas federais; conquistaram graus crescentes de educação em todos os níveis de ensino, mas ainda estão pouco representadas nas ciências exatas e na liderança dos grupos de pesquisa; aumentaram as taxas de participação no mercado de trabalho, mas ainda sofrem com a segregação ocupacional, a discriminação salarial, além da dupla jornada de trabalho; conquistaram diversas vitórias na legislação nacional, mas, na prática, ainda são vítimas de discriminações e preconceitos. Em termos de esperança de vida elas vivem, em média, sete anos acima da média masculina e são maioria da população e do eleitorado. Elas
conseguiram reduzir diversas desigualdades de gênero e reverter outras. Contudo, mesmo tendo uma mulher na Presidência da República, ainda falta muito para o Brasil chegar a uma justa equidade de gênero.


Palavras-chave


Desigualdade de gênero; Empoderamento das mulheres; Indicadores sociais; Brasil.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, JED. A transição para a Economia Verde e a Rio+20. Mercado Ético: São Paulo, 24/08/2011.

ALVES, José Eutáquio Diniz; MARTINE, George. Gênero e desenvolvimento: desafios para a integração e atualização do Cairo. In: CONGRESSO DA ALAP, Havana, 4., 2010.

ALVES, José Eutáquio Diniz; CORREA, Sônia. Igualdade e desigualdade de gênero no Brasil: um panorama preliminar, 15 anos depois do Cairo. 2009.

BELTRÃO, Kaizô Iwakami; ALVES, José Eustáquio Diniz. A reversão do hiato de gênero na educação brasileira no século XX. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 39, n. 136, p. 125- 156, jan./abr. 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Indicadores e Dados Básicos. 2010. DISPONÍVEL EM: . Acesso em: 15 dez. 2012.

COMISSÃO ECONÔMICA PARA A AMÉRICA LATINA E O CARIBE – CEPAL. Informe de la décima Conferencia regional sobre la mujer de América Latina y el Caribe. In: CONFERENCIA REGIONAL SOBRE LA MUJER DE AMÉRICA LATINA Y EL CARIBE, 10, 2007, Quito

COMISSÃO ECONÔMICA PARA A AMÉRICA LATINA E O CARIBE – CEPAL. Qué tipo de estado? Que tipo de igualdade? In: CONFERÊNCIA REGIONAL SOBRE A MULHER DA AMÉRICA LATINA E DO CARIBE, 11., 2010, Brasília.

DUFLO, Esther. Women’s empowerment and economic development. National Bureau of Economic Research Working Paper, Cambridge, n. 17702, Dec. 2011.

SCHWAB, Klaus. Global gender gap index. In: WORLD ECONOMIC FÓRUM, 2009, Davos.

GOLDIN, Claudia. The quiet revolution that transformed women’s employment, education, and family National Bureau of Economic Research Working Paper, Cambridge, n. 11953, Jan. 2006.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. 2009.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. 2005.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo Demográfico.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Pesquisa Mensal de Emprego. 2010.

INTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA – IPEA. Relatório Nacional de Acompanhamento – ODM. Brasília, mar. 2010.

INTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA – IPEA. PNAD 2009 Primeiras análises: situação da educação brasileira - avanços e problemas. Brasília, 2010. (Comunicado nº 66).

ROSIN, Hanna. The end of men. Atlantic Magazine, Washington, Jul./Aug. 2010. SOARES, Cristiane; SABÓIA, Ana Lucia. Tempo, trabalho e afazeres domésticos: um estudo com base nos dados da PNAD 2001 e 2005. Rio de Janeiro: DPE/IBGE, 2007. (Texto para discussão, 21).

THERBORN, G. Sexo e poder: a família no mundo 1900-2000. São Paulo: Contexto, 2006.

UNITED NATIONS/ESA. World population prospects: the 2010 Revision.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2013v18n1p83

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International