Ser Católico é Ser Exclusivista? Reflexões e Provocações Sobre um Fenômeno "Moderno"

Rodrigo Portella

Resumo


A Igreja Católica, através do Vaticano ou por meio de vários movimentos de cunho exclusivista, tende, nos últimos anos, a uma afirmação de sua fé de forma mais tradicional, no sentido de resgatar teologias, doutrinas e costumes que a pronunciem com maior vigor diante do campo religioso cada vez mais plural. Este movimento de acentuar doutrinas católicas – às vezes de forma intransigente ou pouco dialogal – representaria um rosto cada vez mais conservador do catolicismo, mostrando a Igreja como a única ou máxima detentora da verdade religiosa. Este artigo pretende refletir sobre tal postura recorrendo às ciências sociais (em sua análise do catolicismo, através de literatura sociológica e antropológica) e, ao final, perguntando se é algo essencial à identidade católica algum tipo de exclusivismo. A conclusão: exclusivismos acabam por manifestar seu paradoxo, o de serem versões na pluralidade de interpretações.


Palavras-chave


Catolicismo; Eucaristia; Exclusivismo; Doutrinas; Modernidade.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2013v18n1p257

Direitos autorais

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

ISSN: 1414-0543

EISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br


Creative Commons License

 

Todos os artigos científicos publicados em mediacoes@uel.br estão licenciados sob uma Licença Creative Commons