Patologias sociais contemporâneas: a luta social contra a figura do diabo e o mal-estar da liberdade

Antonio Carlos Boaretto

Resumo


O presente trabalho intenta mostrar que com o avanço dos processos de modernização da sociedade brasileira assistimos um novo estilo de religiosidade, do qual emerge um tipo de indivíduo fiel, cada vez mais imprevisível. A partir do início do século XXI, acentua-se a ressignificação dos modos de vida, condutas e comportamentos sociais e, por conseguinte, do estilo de religiosidade. Tal processo socava e faz ruir os supostos resquícios de uma herança “pré-moderna” brasileira, caracterizada por formas tradicionais de dominação, regulação, controle e tutela patriarcais e patrimoniais da política da vida. Atualmente, observa-se um movimento não intencional dos “súditos”, recém-liberados, que opera pela via subterrânea e furtiva aos tradicionais mecanismos sócio-institucionais de dominação social e política.

Palavras-chave


Globalização; Mal-estar; Valores; Individualização religiosa.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Ronaldo. A Igreja Universal e seus demônios: um estudo etnográfico. São Paulo: Terceiro Nome, 2009.

BAUMAN, Zygmunt. A sociedade individualizada: vidas contadas e histórias vividas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

BECK, Ulrich. El Dios personal: la individualizacion de la religión y el <> del cosmopolitismo. Barcelona: Paidós, 2009.

BAUMAN, Zygmunt. La individualización: el individualismo institucionalizado y sus consecuencias sociales y politicas. Barcelona: Paidós, 2003.

BECK, Ulrich; GIDDENS, Anthony; LASH, Scott. Modernización reflexive: politica, tradición y estética en la orden social moderna. Madrid: Alianza, 1997.

BENJAMIM, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BIRMAN, Joel. Arquivos do mal-estar e da resistência. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006. p. 171-195.

GONZÁLEZ-CASANOVA, Pablo. Problemas conceptuales en Ciencias Sociales y Ciencias del lenguaje. In: GONZÁLEZ-CASANOVA, P. & ROITMAN-ROSENMANN, M. La formación de conceptos en Ciências y Humanidades.México: Siglo XXI Editores, 2006, p. 199-217.

HARVEY, David. O neoliberalismo: história e implicações. 2. ed. São Paulo: Loyola, 2011.

IANNI, Octávio. Pensamento social no Brasil. Bauru: EDUSC, 2004.

IBGE 2011. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009.

IBGE 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Contagem Populacional.

LA BOÉTIE, Étienne de. Discurso sobre a servidão voluntária. 2. ed. São Paulo:Revista dos tribunais, 2009.

MANNHEIM, Karl. Ideologia e Utopia.Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1986.

MARTINS, José de Souza. A sociabilidade do homem simples. 3. ed. São Paulo:Contexto, 2011.

ORTIZ, Renato. A moderna tradição brasileira: cultura brasileira e indústria cultural.São Paulo: Brasiliense, 2001.

POCHMANN, Márcio. Desenvolvimento, trabalho e renda no Brasil. São Paulo:Fundação Perseu Abramo, 2010.

SIMMEL, Georg. As grandes cidades e a vida do espírito (1903). Mana, Rio de Janeiro, v.11, n. 2, out. 2005.

SOUZA, Jessé. Os batalhadores brasileiros: nova classe média ou nova classetrabalhadora? Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2010.

WEBER, Max. Economia e sociedade. 4. ed. Brasília: UNB, 2009. v. 1., 2009.

WEBER, Max. Sociologia das religiões. São Paulo: Ícone, 2010.

ZWEIG, Stefan. O mundo de ontem: recordações de um europeu. Lisboa: Assírio & Alvin, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2012v17n2p258

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International